"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

quinta-feira, 3 de julho de 2008

- A "Rua do FANTASMA" em Blumenau


Histórias de nosso cotidiano.
Por Carlos Braga Mueller escritor e Jornalista.
A rua Rua Ângelo Dias.
Chamava-se antes Gespensterstrasse (Rua dos Fantasmas) no centro, depois Travessa 4 de Fevereiro , chamando-se atualmente de rua Ângelo Dias.
- Fantasmas sempre assombraram as ruas de Blumenau antigamente. Ficou na história da cidade, já como lenda, a imagem de um estranho personagem que perambulava pelas ruas, sempre tarde da noite, envolto em pesadas roupas também escuras, para parecer ainda mais tétrico.

A Rua Ângelo Dias, no centro, chamava-se antes Travessa 4 de Fevereiro.
E graças a esse vulto estranho, que costumava aparecer mais vezes por ali, a rua ficou conhecida também como a Rua do Fantasma. É o que conta a lenda urbana que surgiu por volta de 1920, 25 até 1930, que ficou na retina dos blumenauenses daqueles tempos !...
Porém alguns mais afoitos foram em frente e resolveram tocaiar o fantasma. Descobriram então, dizem os mais velhos, que se tratava de um sacerdote que, altas horas da noite, visitava uma pessoa que lhe era muito cara. E para não causar escândalo, escondia-se na penumbra da escuridão, quando todas as casas já haviam se recolhido e as ruas estavam desertas.
Mas alguém viu, outro também, e na espreita acabaram vislumbrando de vez em quando o vulto, que aparecia só a noite na Travessa 4 de Fevereiro e cujo destino era sempre a mesma casa.
Quem era esse personagem na história da cidade ?

Ninguém queria sequer pronunciar o seu nome, porque segundo consta era importante na época.
E como lendas são lendas, ficou tudo perdido pelo espaço; na boca do povo, mas sem qualquer registro.
Por isto, o que estamos contando pode ter um pingo de verdade, mas também pode ser fruto apenas da imaginação de alguns blumenauenses. Quem pode provar?
Arquivo de Adalberto Day/Fonte da foto: (divulgação) personagem Silas, monge, no filme O Código da Vinci, que era atormentado com o estigma de fantasma, apelido que ganhou na infância.. Texto Carlos Braga Mueller/Escritor e jornalista.





Veja o vídeo:

4 comentários:

Barreira disse...

Estive em Blumenau desde 2ªf até ontem, na hora do almoço. E é bem verdade que, apesar de abafado, o tempo já estava nublado.
Quanto a Lei Seca, ouvi que a justiça já está considerando- a inconstitucional e deve se manifestar quanto a isso.
Aproveito a oportunidade para parabenizá- lo pelas matérias que vêm sendo inseridas em seu Blog.

Forte abraço.

Barreira.

Anônimo disse...

Beto
Sensaciomal a matéria que o sr. Carlos Braga Mueller nos apresenta, isso fará com que novas pesquisas sejam feitas. As lendas fazem parte de nosso cotidiano como vc cita. Quem sabe possamos ter novas histórias.
Parabéns sr. Braga e Beto Day

Klaus disse...

. Beto, muito parabens pela sua pagina, � muito �til para a gente se informar, mas o que eu queria era saber se o senhor pode me dar alguma pista de Jens Jensen, filho de Wolfgand e parece que era irm�o de Joana e de Jeanete de Blumenau.
� que sou da equipe de coordena�o para o encontro de ex-alunos do colegio e esta � a �nica pessoa que n�o consigo locazlizar, por favor, se o senho puder me dar um telefone ou paassar o meu e-mail para ele obrigado.
Klaus

Meu Pé de Laranja Lima disse...

Professor... que história fantástica... além da sua já conhecida forma envolvente de contá-la... a vontade que me dá é investigar a fundo, colhendo nomes e informações precisas, afinal, com o seu jeito único de contar, já mergulhei nos longuíquos anos 20.

Abraço,
Ricardo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...