“A Educação é a base de tudo, e a Cultura a base da Educação”

Seja bem-vindo (a) e faça uma boa pesquisa.

segunda-feira, 28 de março de 2022

- Homenagem a Adalberto Beto Day

 
Dia 27 de março de 2022, a convite do Grupo de Amigos do “Cine Garcia, recebi com muito orgulho e emoção, uma homenagem pelos relevantes trabalhos de pesquisas sobre a história de Blumenau e trabalhos comunitários. Como membro do Grupo, já havia no dia 12 de março de 2022 por aclamação geral de todos os participantes, de pé, fui determinado e nominado como Padrinho do Grupo de Amigos do “Cine Garcia”.
Na sexta feira 25 de março, o idealizador do grupo, Sérgio Lapolli, concedeu uma entrevista sobre o evento, na Rádio Clube de Blumenau - Programa "Antônio Rocha".

Já recebi dezenas de homenagens, e fui a muitas de outros amigos, mas sinceramente, não vi nada igual a esta. As demais foram importantes, mas simbólicas. Nesta fui aplaudido de pé, ovacionado, desde nossa entrada ao recinto ao lado de  minha esposa Dalva. Depois um por vez foi sentar ao meu lado e trazer palavras de elogios e agradecimentos.

Todos tiveram a palavra para falar alguma coisa sobre minha pessoa e nossos feitos, através dos microfones.

Os primeiros pronunciamentos foram do fundador do Grupo Sérgio Lapolli, Gustavo Moritz, Gilson Francisco Malheiros, Gilmar Alfredo Oeschler,  Carlos Jorge Hiebert (Russo), todos com muitos elogios aos trabalhos.  

Airton Gonçalves Ribeiro, mais conhecido como Airton Moritz, tocou na “Alma, no Coração” não deixou nada de fora, fez uma pesquisa aprofundada a meu respeito. Em seu relato não comentou somente meus trabalhos de pesquisas sobre a história de Blumenau, ressaltou com muita ênfase e propriedade meus enfrentamentos junto as autoridades executivas, e as conquistas de nossa comunidade, como abertura e pavimentação das Ruas Emilio Tallmann, Júlio Heiden e a conquista maior o Ambulatório Geral do Garcia que recebeu o nome de Schwester (Irmã) Marta Elisabetha Kunzmann,. Fiquei extremamente emocionado e fui as lagrimas. Os demais oradores não foram diferentes, discursos acalorados e de muita relevância.

Depois partimos para um delicioso e especial almoço, conforme cardápio, oferecido gentilmente pelo dono do local, Arno Pitz. Logo após novas falas e fotos. As fotos foram batidas individualmente com os participantes e com todo o grupo.

Este cardápio, o almoço e o local foi  gentileza de Arno Pitz.

Local: Espaço Social do Escritório da Capital Contadores - Salão de Festas de propriedade do Sr. Arno Pitz

Endereço: Rua Almirante Barroso, 1439

Bairro: Vila Nova

Cidade: Blumenau

Relação dos 51 Participantes:

Acari Zanini Junior e Rosangela; Adalberto Day e Dalva; Adilson Machado e Marili Fátima; Adilson Siegel e Maria Madalena; Airton G.Ribeiro e namorada Gladis Terezinha Dadam; Altamir Pera; Álvaro dos Santos e Jocelí Buerger; Arno Pitz e Marlene; Carlos Jorge Hiebert e Cacilda; Carlos Serafim Rosa e Lindaura; Clério José Ribeiro e Anna Clara; Dolete José Alves. (Gaspar); Evaldo Scholemberg e Cecília Maria Cardozo; Francisco Xavier Pitz e Bárbara ; Gilmar Oeschler e Valcir ; Gilson Francisco Malheiros e Joceli; Gustavo Moritz; Jaime Cunha e Valeria; José de Borba; José Luis dos Santos Jr e Ivonete Poerner; Júlio José Rodrigues e Rosa Claudete; Mario Brasil e Graziela Regina Moreira; Mário dos Santos e Jacira; Nelson Bento de Sousa e Jandira; Sérgio Lapolli e Beth; Valmir Scheurich e Vanda; Wilson Dedinho Loos e Dilma.

Placa alusiva ao encontro ao homenageado.

- Placa alusiva ao encontro ao homenageado.

- CD de 1995 – Magnata Orquestra, produzido Phoenix Productions e me presenteado pelo amigo de infância, Clério José Ribeiro.

- Airton Gonçalves Ribeiro nos presenteou com livro autografado pelo autor, escritor, historiador e pesquisador Isaque de Borba Corrêa com o titulo “Camboriú & Balneário – Histórias das duas cidades.

Criador do Grupo : Sérgio Lapolli.

Coordenadores:

- Carlos Jorge Hiebert

- Gilson Francisco Malheiros

- Oswaldo Schoenfelder

- Gustavo Moritz

- Airton Gonçalves Ribeiro (Airton Moritz) 

Também fomos presenteados pelo Grupo de amigos do "Cine Garcia", com jogo de toalhas personalizados  em bordado com nome de Dalva e Beto.

A seguir flagrantes do encontro
Grupo de Amigos do "Cine Garcia". Leiam clicando em:

Arquivo e fotos: Dalva e Adalberto Day/Carlos Jorge Hiebert/Sérgio Lapolli/Airton Gonçalves Ribeiro.

terça-feira, 15 de março de 2022

- "Uma Andorinha"

UMA ANDORINHA QUE HÁ 70 ANOS TRANSPORTAVA  AS PESSOAS ENTRE BLUMENAU, JARAGUÁ DO SUL E JOINVILLE 

 Reminiscências de Carlos Braga Mueller

Douglas Santolin de Oliveira descreve a foto, de 1950: “Meu pai, o de chapéu, com o cobrador Hilário, faziam a linha Schroeder, Jaraguá e Joinville. O nome da empresa era Transportadora Andorinha Ltda. O ônibus está estacionado em frente à casa onde morávamos, no Bracinho, em Schroeder. A empresa (já extinta) era de propriedade dos Baer, de Jaraguá do Sul, com a sede onde hoje é o Posto Marechal (atual Ipiranga).https://almanaqueocp.wordpress.com/ 

Corria o ano de 1950.

Em Jaraguá do Sul havia uma loja, o Bazar Elite, que pertencia aos meus avós paternos, Karl Heirich Müller e Maria Graf Müller.

Eu morava em Blumenau e estudava no Colégio Pedro II. 

Nos anos 1950, um dos ônibus Ford que faziam o trajeto entre Jaraguá do Sul e Blumenau transportando passageiros. À época, uma “longa” viagem por estrada ruim em chão de terra (hoje a SC-108), com parada quase que obrigatória no limite dos municípios de Massaranduba e Blumenau, onde havia um comércio de secos e molhados e que também servia refeições. Um negócio desativado pouco depois da chegada do asfalto, que agilizou a viagem de ida e volta. (Fonte: Antigamente em Jaraguá do Sul/foto postada por Osvaldo Si)  FONTE: https://almanaqueocp.wordpress.com/

Nas férias ia para Jaraguá e era uma verdadeira e alegre maratona percorrer as dependências da loja, onde se encontrava quase tudo, desde material escolar até aviamentos, inclusive livros infantis.

Para visitar meus avós, eu nos meus 12, 13 anos, embarcava em um ônibus que fazia diariamente a linha Blumenau, Jaraguá, Joinville, pertencente à Transportadora Andorinha, da família Baer e que tinha sede na cidade de Jaraguá do Sul.

Tudo isso me veio à lembrança quando tomei conhecimento de que está sendo recuperada pela Prefeitura de Blumenau a antiga estrada colonial que liga a Vila Itoupava com o município de Jaraguá, passando pela Itoupava Rega. 

Desde então, e até agora, é bem verdade que a tradicional ligação com os jaraguaenses é feita passando por Pomerode, acessando a partir dali, a Serra de Jaraguá.

E é no alto da serra que desemboca a antiga estrada colonial que vem da Itoupava Rega.

Pois bem, a Andorinha, nos anos 50 do século passado, fazia dois trajetos ligando Blumenau a Joinville, passando por Jaraguá.

Um desses trajetos era feito por Pomerode; o outro pela Itoupava Rega. 

Ambas eram estradas de barro, tornando a viagem demorada; tanto assim que o ônibus que seguia via Pomerode parava nesse município num bar/salão situado ao lado do Zoológico, para que os passageiros pudessem fazer um lanche. O tempo passou mas nunca me esqueci do saboroso sanduíche de queijo e mortadela que era servido no local.

Já o trajeto que passava pela Itoupava Rega também reclamava uma parada, e então os passageiros conheciam a casa de comércio de secos e molhados da família Zimdars, que também servia refeições. Um casarão estilo colonial que chamava a atenção pela sua imponência, qual castelo iluminando um território pouco habitado, onde todas as casas eram de agricultores ou criadores de gado.

As recordações também me trazem à lembrança o ônibus da marca Ford da Transportadora Andorinha, que era conduzido sempre pelo mesmo motorista. O ônibus saía de Blumenau bem cedo e a tarde retornava.

Ao relatar estas viagens parece que estou percorrendo de novo aquelas antigas estradas de macadame onde imperava a poeira, nos dias quentes, ou a lama quando chovia, testemunhas de tantas histórias, a maioria delas esquecida, infelizmente.

Carlos Braga Mueller/Jornalista e escritor e memorialista em Blumenau 

segunda-feira, 14 de março de 2022

- Grupo de amigos do "Cine Garcia"

Por volta de 1924
1974
Casal em frente do Cine Garcia, meados de 1950
Por volta de 1966
Nesta foto, já era Igreja Santo Antônio 1979
Memórias que o tempo não apaga
No início do século 20, por volta de 1905, nas proximidades onde hoje é a igreja Santo Antônio, no Distrito do Garcia, existia o comércio de secos e molhados de Hermann Hinkeldey que, quando não recebia em dinheiro, fazia escambo de mercadorias. 
1931
Também nesse local funcionava um salão dançante do conjunto Musik-Club Garcia (foto de 1931), que teve seu funcionamento até por volta de 1941. Também nesse local sendo passados filmes semanalmente amadores .  quando então foi transformado em local para exibição de filmes (oficialmente em novembro de 1944) com o nome de Cine Garcia. Seu último proprietário foi Reynaldo Olegário, que manteve as atividades no local até 1974. No ano seguinte foi instalada ali a paróquia. O antigo prédio do Cine Garcia abrigou a igreja até 1978 e no ano seguinte foi demolido. Mas deixou histórias e recordações. O Cine Garcia ofereceu momentos de lazer a toda comunidade do Garcia. A juventude trocava de gibis, tinha bate-papos e os namoros eram constantes. As pessoas se olhavam numa paquera quase envergonhada, em um momento sutil e mágico. Existia até mesmo uma suposta premiação para quem encontrasse uma pulga carimbada e a entregasse ao proprietário. Nunca soube de alguém que a tivesse encontrado, mas é o comentário que se ouve até os dias de hoje. Ainda no aspecto pitoresco, havia as ocasiões em que a plateia batia os pés, assobiava e gritava para incentivar o mocinho. Naquele instante, o lanterninha interrompia bruscamente a exibição para chamar a atenção dos mais exaltados "baderneiros" e ameaçava não continuar o espetáculo.
Rolo original do Cine Garcia
Sem falar das vaias quando as enormes fitas se rompiam, ou acabavam, e precisavam ser emendadas ou trocadas. Os frequentadores iam a pé ou de bicicleta. As laterais do prédio ficavam lotadas de bicicletas, empilhadas umas sobre as outras. No Cine Garcia, depois do gongo, entrava a música do Django Era o maior entretenimento dos moradores do Garcia, que assistiam, principalmente nas tardes de domingo, aos maiores clássicos e seriados do cinema.
Depois de assistir ao filme, o ponto de parada era o Bar ao Lado, do senhor Schoenfelder, onde era servido um delicioso sorvete caseiro... Pura nostalgia de uma época que fez parte da vida de muita gente - como eu, seus pais, avós, tios, sobrinhos e quem sabe até você.

O Cine Garcia, que começou com as exibições dos ambulantes no Salão Hinkeldey.
“As sessões cinematográficas, que eram mudas e animadas pelo bandônion de Arnold Gauche, inicialmente eram realizadas uma vez por semana pelos irmãos Holzwarth e também por Julianelli (José)”.
Os cinegrafistas ambulantes, que de quando em vez apareciam no bairro do Garcia com o seu cinematógrafo e filmes, e também a grande afluência do público para as sessões, fizeram com que os fundadores do Cine; Carlos Zuege e Arthur Lohse instalassem, em novembro de 1944, um cinema permanente que ficou conhecido como Cine Garcia. Desde 1941 já eram exibidos filmes, até a fundação em 1944.
Arthur Lohse e Carlos Zuege trabalharam juntos até 1948, quando a sociedade foi desfeita e Carlos Zuege continuou até 1958 sozinho.
Em 1958 Reynaldo Olegário (foto) comprou o Cine Garcia. Segundo Olegário, que trabalhou no Cine Garcia quase 30 anos, pois começou ainda garoto, eram muito solicitados os filmes de capa e espada e os românticos. Dos nacionais, os que mais levavam público ao cinema eram os filmes de Mazzaropi.
Em 1972, quando o Cine Garcia foi vendido para a Empresa Meridional de Cinemas, Reynaldo Olegário foi convidado para trabalhar como fiscal, porém não aceitou, pois não pretendia deslocar-se para o Paraná, já que o cinema para ele era mais um “hobby”.
“Os filmes exibidos na época eram da Fama Filmes, de Curitiba, importadores e distribuidores para quase todo o Estado de Santa Catarina, exceto Lages e adjacências, que os recebiam de Porto Alegre.”
Um fato curioso é que todas as semanas o Cine Garcia promovia uma sessão especial para os soldados do 23º Batalhão de Caçadores, depois 23º Regimento de Infantaria, hoje 23 BI, com os ingressos ao mesmo preço da meia-entrada. Só que a bagunça imperava no cinema. Olegário quase morria do coração, porque era muito difícil manter a ordem no recinto nestas ocasiões, principalmente se o filme tivesse cenas fortes de romance ou fosse um bang-bang com muitos tiros, o que os soldados adoravam...
Muitos lembram com saudades da pipoca que era vendida ao lado da bilheteria e dos sorvetes do bar do senhor Schoenfelder, que ficava bem perto do cinema.
Enfim, cinema sempre foi encantamento e emoção. E no Cine Garcia não foi diferente. Por isso ficaram tantas saudades!..
--------------------------------------------------------------------------------
História: do Grupo de amigos do "Cine Garcia"
Por Sérgio Lapolli e Carlos Jorge Hieberto (Russo)

Data de criação do Grupo:  01/07/2021.
Número de pessoas contatadas: 140
Participantes do Whatsapp: 80
1° Encontro do Grupo: 16/10/2021
Participantes do Encontro: 54

Quem participa:  
- Ex alunos da Escola São José e Santos Dumont.
- Ex Frequentadores do Cine Garcia.
- Ex trabalhadores da Artex e EIG.
- Ex jogadores do Amazonas EC
- Ex coroinhas da paróquia Na Sra. da Gloria.
- Amigos de infância e Juventude, nascidos nas   Entroncamento entre os bairros Garcia, Progresso, e Glória,  nascidos na década de (19)40, (19)50 e início dos anos 1960.

Criador do Grupo : Sérgio Lapolli.
Coordenadores:
- Carlos Jorge Hiebert
- Gilson Francisco Malheiros
- Oswaldo Schoenfelder
- Gustavo Moritz
- Airton Gonçalves Ribeiro (Airton Moritz)

Obs.: Carlos Jorge Hiebert o Russo, nos afirmou que o Grupo é uma vertente do antigo Grupo da Rua Ipiranga (Mirador) e ruas adjacentes.

1º encontro 16 de outubro de 2021 - 54 partiipantes

Local: Cervejaria Balbúrdia - . Blumenau SC

2° encontro do Grupo dia 12 de março de 2022
Local: Empresa Bella Janela na Rua Amazonas
Homenagem especial ao Sr. Mauro Malheiros (decano do Grupo) que recebeu uma placa pela passagem dos seus 90 Anos de vida completados dia 15 de Fevereiro/22

Por aclamação geral de todos os participantes, de pé, foi determinado e nominado o Sr. Adalberto Day (Beto Day) como padrinho do Grupo dos Amigos do Cine Garcia.

Obs.: Eu  Adalberto Day agradeço e aceito ser padrinho deste grupo maravilhoso. Gratidão a todos! 

O encontro foi um sucesso, 69 participantes e muita conversa boa, jogos e música.
Participantes:  Acari Zanini; Adalberto Labes; Adilson Correia; Airton Gonçalves Ribeiro; Airton Pereira; Álvaro dos Santos; Antônio  Vieira; Arlindo Zucco; ; Arno Pitz; Aurélio Soares; Beto Bela Janela;  Caleb Zaniz; Carlos Jorge Hiebert; Carlos Roberto; Celso Gauche; Cláudio Bugmann; Clério José Ribeiro; Dalto dos Reis; Decio Murillo Gauche; Deusdith de Souza; Dilson Tomio; Edgar José Pffifer; Edimo Rudolf; Elonir Malheiros; Ernesto José de Souza; Francisco Xavier Pitz; Gilson Francisco Malheiros; Guido de Oliveira; Gustavo Moritz; Hamilton Porto; Jaci Sestrem; Jaime de Oliveira; Jair de Oliveira; João Marcos Batista; Johnny Tridapalli; José Borba (Zezinho); José Carlos de Oliveira; José Gonçalves; José Henrique de Borba; Jose Luiz dos Santos Jr.; Júlio José Rodrigues; Laercio Boos; Laércio Jacob Moritz; Luiz Bianchi ( Ziza); Mário Brasil; Mário dos Santos; Mario Vasconcelos; Mauro Malheiros; Mércio Felsky; Milton Brasil; Olímpio Moritz; Orlando Zimmermann; Osnildo Cunha; Osnildo Maçaneiro; Osmar Russi; Oswaldo Shoenfelder Jr. (Oci); Raul Cardozo; Renei Roberto Popper; Saul Moritz; Sérgio Lapolli; Teodoro U. Schubert; Valmor Pereira; Vitorio Tomio; Walmir Mueller; Walmir Scheurich; Wilson Cardoso; Wilson (Dedinho) Loos; Tarcísio Torres

Arquivo: Adalberto Day e Sérgio Lapolli/Fotografia em geral Carlos Jorge Hiebert (Russo).

quarta-feira, 2 de março de 2022

- Blumenau e sua história

Apresentamos para sua facilidade vários links sobre a história de Blumenau e melhor pesquisa de acesso. Clicando em cada tema escolhido ou de consulta irá abrir aquilo que desejar saber. Muitos assuntos, nem eu e  você  aprendemos nos bancos escolares. São mais de 700 que apresentamos das  que já postamos.
Nossa história -  escolha o tema e clique no link:

Dr. Hermann B.O. Blumenau
Os 17 Primeiros Imigrantes
Como viveram os primeiros colonos
As casas de Dr. Blumenau
Coragem para enfrentar o desconhecido
Dr. Blumenau retorna à Alemanha 1866
O cemitério onde Dr. Blumenau foi enterrado
A emancipação da colônia Blumenau
Nossa Casa em Blumenau
A Bandeira do município de Blumenau
Sem terra, sem rocça
Maternidade Johannastiff
Passeando pela Memória dos "TÚNEIS" DE BLUMENAU
O Assassinato do comandante do Vapor Blumenau
Tragédia enlutou Blumenau
O dia em que o Estado de SC chorou
Rio Itajaí Açú  
Blumenau anos 19(60)
Um passeio pelas ruas de Blumenau
Um Passeio pela Rua Principal de Blumenau I
Um passeio pela rua principal de Blumenau II 
Um passeio pela rua principal de Blumenau III
O destemido Vapor "PROGRESSO"
Nossos Barcos
Salvamento do Vapor Blumenau
Fogo na Prefeitura de Blumenau
A Pedra da Lontra
Vivências e narrativas
O Passageiro em primeiro lugar
A Criatura
A Historieta do Torna-pó
Protesto em Blumenau em 1934
23 BI Batalhão de Infantaria II
Stammtische em Blumenau
Submarinos alemães: Mitos e Lendas 
Frohsinn
Blumenau e Gramado
Paralelepípedos e Reminiscências da rua XV
A Prainha
Marco Zero de Blumenau
Oktoberfest em Blumenau
FAMOSC
FAMOSC: O pavilhão
FAMOSC: A Jarra Comemorativa
O Badalo dos SINOS
Os vários Mitos que cercam o Teatro Calos Gomes
O Castelo da Havan
A Inauguração do Castelo da Havan
Museu da Família Colonial
Estação Ferroviária de Blumenau e a Macuca
A Praça da Estação
O centenário da EFSC
Sem trem “13 de março 1971”
A "Streichorchester"
Metamorfose Urbana
Dirigível Zeppelin
A "Rua do FANTASMA" em Blumenau
Nosso irmão, o Bugre.
As duas roseiras de Dr. Blumenau
A Casa de BUSCH
Encontro com a onça Pintada do Spitzkopf
Nossa Senhora e São José
Complexo Turístico Moinho do Vale
A imigração vista pelos olhos de uma criança
Desordem Institucional
O trenzinho da HM
Alemão dormindo a “siesta”
Uma Luz no fim do túnel
A Stadtplatz
O Centro Histórico de Blumenau e o descaso
As Palmeiras da Alameda Duque de Caxias
"Alameda" Rio Branco
O primeiro Acidente de trânsito Fatal em Blumenau 
Auf Wiedersehen, Blumenau!
Lenda Urbana: enterrados vivos?
Sambaquis
“DAS FRAUENSCHIFF”
Revolução de 1930 em Blumenau
Tomada de Blumenau no movimento de 1930 
Rádio/Imprensa 
O dia mundial do Rádio 
O Dia do Rádio no Brasil
Histórias que o Rádio conta
PRC 4 Rádio Cultura de Blumenau? 
PRC4 Rádio Clube de Blumenau
Radio Nereu Ramos de Blumenau

Escolas/Ensino

Esportes
Tabajara Tênis Clube
Um drible na história
Bairros/Distritos
A Origem dos nomes dos bairros
Cinema
Vídeo Férias no Sul
Filme Férias no Sul 45 anos
Blumenau, dos cinemas que eu amo!
Filme 3D em Blumenau
O cinema em Blumenau
O cinema em Blumenau parte II
O cinema em Blumenau parte III
O cinema em Blumenau parte IV
O cinema em Blumenau parte V
O Cinema em Blumenau parte VIII 
O cinema em Blumenau parte IX
O cinema em Blumenau X
O cinema em Blumenau parte XI
O Cinema em Blumenau – Parte XII
O cinema em Blumenau parte XIII
O Cinema em Blumenau  parte XIV
O Cinema em BLUMENAU – Parte XV
O Cinema em BLUMENAU – Parte XVI
O Cinema em Blumenau - Parte XVII
O Cinema em Blumenau – Parte XVIII
O Cinema em Blumenau - Parte XIX
O Cinema em Blumenau parte XX
O Cinema em Blumenau – Parte XXI
O cinema em Blumenau parte XXII 
Histórias do Rádio blumenauense
Troca de Gibis


A CIA Hering e sua história de sucesso
Garcia & CIA. Hering
A Marca centenária da EI Garcia
Probst & Sachtleben
Os 140 anos da E.I. Garcia S/A.
Festejos no centenário da EI Garcia em 1968
Artex
A marca Artex
Natureza
A descoberta do SPITZKOPF
O Morro do Spitzkopf
Clube do Spitzkopf
O Morro Spitzkopf após a tragédia de novembro 2008 e o seu futuro

Diversos
No tempo da etiqueta de papel 
No tempo da ditadura
Casas Populares
Ilhas Urbanas
A Promenor
O Aeroporto que Gaspar...e Blumenau, um dia perderam!
100 anos de Escotismo em Blumenau
Zangão
Gincana com Lambretas
As pontes de Blumenau
Ponte do Salto
Ponte Foz do Ribeirão Garcia
Fábrica de Chapéus Nelsa
No tempo das “Caleças” Fúnebres
Jornais de Fofoca
O Crime da Mala!
S.R.D. Centenário
Mamonas Assassinas em Blumenau 
Se desejar entrar direto no site-blog e pesquisar todas as postagens, clique AQUI BLOG Adalberto Day
Arquivo de Adalberto Day

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...