“A Educação é a base de tudo, e a Cultura a base da Educação”

Seja bem-vindo (a) e faça uma boa pesquisa.

quarta-feira, 18 de agosto de 2021

- Pelé

Faço mais uma postagem sobre Pelé e muitos dados importantes
Seguindo meu raciocínio de postagens, é necessário constar o nome marca "Blumenau"; Pelé jogou em Blumenau no dia 30 de agosto de 1961.

Pelé nasceu no dia 23 de outubro de 1940  na cidade de Três Corações em Minas Gerais. Embora na certidão original de nascimento apareça a data de nascimento de Pelé dia 21 de outubro, como também Edison ao invés de Edson.
Pesquisas de Sidney Barbosa da Silva 
Fontes: Arquivo www.campeoesdofutebol.com.br ; Placar - "Tira-Teima" - de 01- 11 -1997; e Editora Sextante.

Página adicionada em março/2009.
Pelé começou no futebol jogando pela equipe infanto-juvenil do Bauru Atlético Clube, o Baquinho, time de futebol amador da cidade de Bauru, estado de São Paulo.
Pelo Baquinho conquistou o bicampeonato da Liga Citadina em 1954 e 1955.
Foto divulgação
Em 1956, Pelé foi levado por Waldemar de Britto, antigo meia-direita da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1934, para treinar no Santos e foi aprovado. Estreou pelo clube (equipe adulta) num jogo treino contra uma equipe da cidade de Cubatão reunindo alguns jogadores profissionais e das categorias menores (um mistão), vestindo pela primeira vez a camisa do peixe. O Santos vencera por 6 a 1, com quatro gols de Pelé. Como era apenas um jogo treino, o resultado não contou para as estatísticas de sua carreira e esses quatro gols nunca foram contabilizados, mas foram fundamentais para a sua carreira, acabando inclusive com o apelido de "Gasolina" que os jogadores mais velhos deram a ele. Depois desta apresentação passou a ser chamado por Pelé, como era no Bauru AC.
Depois de mais ou menos um mês treinando com os mais velhos, teve finalmente a chance de jogar uma partida oficial. Foi no feriado de 7 de setembro de 1956, num amistoso do Santos contra o Corinthians, de Santo André-SP. O Santos ganhou de 7 x 1 e Pelé fez seu primeiro gol pelo clube (o sexto da goleada). O goleiro que sofreu o gol "0001" se chamava Zaluar Torres Rodrigues que faleceu em 1995.

No time do Santos teve as maiores conquistas, ganhou mais de 40 taças e foi artilheiro do campeonato paulista em 11 oportunidades, sendo 9 consecutivas. Foi ainda artilheiro da Libertadores (em 1965, com seis gols), da Taça Brasil  por três vezes (1961, 1963 e 1964) e do Torneio Rio-São Paulo em 1963. Apesar de ter feito mais de 1200 gols, nunca conseguiu o feito de ser artilheiro numa Copa do Mundo.
Foto Divulgação: em pé Djalma Santos, Zito, Beline, Nilton Santos, Orlando e Gilmar; Agachados: Garrincha, Didi, Pelé, Vavá, Zagalo.
Na Seleção Brasileira, Pelé (foto reprodução) estreou em 7 de julho de 1957, contra a Argentina, no Maracanã, na vitória do Brasil por 2 a 1. Pelé tinha 16 anos, oito meses e catorze dias de vida, tornando-se jogador mais jovem a vestir a camisa do Brasil. Nesse dia, marcou também seu primeiro gol pela seleção. Já a sua despedida da Seleção Canarinho ocorreu em 18 de julho de 1971, no Maracanã, num amistoso contra a extinta seleção da Iugoslávia que terminou empatada por 2 a 2.
Despediu-se do futebol em 2 de outubro de 1974, Santos 2 x 0 Ponte Preta, pelo campeonato paulista. Aos 22 minutos do segundo tempo, ele se ajoelhou no centro do campo, abriu os braços e virou para os quatro lados do campo.
No ano seguinte recebeu uma proposta irrecusável e voltou a jogar, desta vez pelo Cosmos de Nova York. Estreou em 15 de junho de 1975 no campeonato norte-americano contra o Dallas Tornado (2x2), fazendo um dos gols de sua equipe. Dois anos depois, em 1° de outubro de 1977, se despedia em definitivo do futebol jogando meio tempo pelo Cosmos e meio tempo pelo Santos (Cosmos 2 x 1 Santos), fez um gol - o primeiro do Cosmos.
No dia 15 de maio de 1981, o jornal francês L`equipe concedeu a Pelé o título de Atleta do Século numa pesquisa feita junto aos vinte mais importantes jornais do mundo. Ele teve 178 votos contra 169 do segundo colocado, o corredor norte-americano Jesse Owens, medalha de ouro nas Olímpiadas de 1936, em Berlim. A taça, de bronze, tem 80 centímetros e pesa 23 kg.
CAMISAS QUE VESTIU (Seleções Nacionais, Regionais, Clubes Militares. e outros.)
Ao longo de sua carreira, Pelé (foto reprodução) atuou em diversas partidas festivas, e algumas equipes eram formadas com os nomes de "Amigos de Pelé", "Ex-Atletas do Cosmos", etc.. Dados como estes citados serviram como base a pesquisadores para formar a listagem de clubes e jogos em que atuou. Em alguns casos Pelé acabou por marcar mais gols e disputar mais jogos. Em outros os adversários não batem. 

Na Revista Placar - Tira Teima, de Novembro de 1997, é computado 1376 jogos disputados e 1284 gols marcados - existe ainda a formação de uma equipe denominada "Seleção de Amigos do Garrincha" que não é encontrada em outras fontes pesquisadas.
No site da Editora Sextante, que serviu de base para este projeto, foi encontrado uma relação de jogos e gols da carreira de Pelé em que informa que o Rei fez 1285 gols em 1375 partidas. Em todo caso, este trabalho serve apenas de ponto de partida pois - e com certeza - aparecerão mais dados sobre o Rei do Futebol.

Seguindo os dados obtidos, a relação das equipes (clubes e seleções) em que atuou são:
» Seleção Brasileira » Seleção Brasileira de Seniores » Seleção Paulista » Seleção do Sudeste do Brasil »      Seleção da Nigéria » Santos Futebol Clube, de Santos-SP » New York Cosmos, de Nova Iorque/EUA » Fluminense Foot-Ball Club, do Rio de Janeiro-RJ » Clube de Regatas Flamengo, do Rio de Janeiro-RJ » American All Stars, dos Estados Unidos » Combinado entre o Santos FC-SP e o CR Vasco da Gama-RJ (atuou três vezes e fez 5 gols) » Ex-Atletas do Cosmos » Seleção do Resto do Mundo » Seleção de Amigos do Garrincha » Sindicato dos Atletas, de São Paulo » 6ª Guarda Costeira » Forças Armadas » Seleção das Forças Armadas » Seleção de Astros.
A discussão sobre o gol 1000
Oficialmente, o gol 1000 foi marcado de pênalti, no dia 19 de novembro de 1969, no jogo Santos 2 x 1 Vasco da Gama, no Maracanã, pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa. O goleiro do Vasco era o Argentino Andrada. 
Em maio de 1995, uma reportagem do jornal Folha de São Paulo encontrou um gol a mais do Rei Pelé no Campeonato Sul-Americano Militar de 1959 contra o Paraguai. O gol 1000, assim, teria acontecido cinco dias antes, em 14 de novembro de 1969, em um amistoso contra o Botafogo da Paraíba.
Atualmente, algumas pesquisas para projetos como Pelé Eterno e Historiografia do Futebol Brasileiro , foram encontradas algumas partidas perdidas de Pelé. Estas pesquisas sugerem que o gol 1000 teria ocorrido em 12 de novembro de 1969, na partida Santos 4 x 0 Santa Cruz de Recife.
***************** 
Blumenau  
Foi no dia 30 de agosto de 1961, que o famoso time do Santos de Pelé jogou em Blumenau, no estádio da Baixada. O jogo foi contra o Grêmio Esportivo Olímpico, o placar
8x0 em favor do time do rei Pelé.
Time do Santos: Laércio, Calvet, Mauro, Figueiró, Jorge, Zito, Formiga, Pelé, Tite, Cabralzinho, Pepe

Na oportunidade Pelé marcou cinco gols?  Cabralzinho, 2 de Pepe e embora alguns afirmem que foram quatro gols e não cinco os tentos anotados por Pelé. Um dos gols teria sido marcado por Formiga (segundo meu amigo Arno Buerger, que assistiu o jogo) e atribuído ao rei do futebol. Mas vale os registros, e na súmula do jogo e também na revista Placar e incluído na contagem dos “1000” gols, constam cinco gols de Pelé neste jogo.
Curiosidades: Pelé recebeu este nome em homenagem a Thomas Edison, o inventor da lâmpada.  Seu Dondinho pai de Pelé colocou o nome de Edison, pois a energia elétrica estava chegando a região. Sim na certidão original de Pelé está o nome de Edison, e não Edson, como também por erro a data de nascimento que aparece na certidão é o dia 21/outubro/1940
No carinho da família, Pelé era simplesmente o "DICO".
O nome Edison foi escolhido pelo pai em homenagem ao inventor norte-americano Thomas Alva Edison.

Os pais de Pelé se chamavam João Ramos do Nascimento, conhecido como Dondinho, e Celeste Arantes.

Antes de receber a alcunha de Pelé, o pequeno Edison era chamado de Dico pela família.

O apelido Pelé nasceu de Bilé, ex-goleito do Vasco. A explicação: quando pequeno, Edison gostava de ser goleiro, e toda vez que fazia uma defesa gritava um “Segura, Bilé!” que os amigos entendiam como “Segura, Pelé”. O detalhe é que, no princípio, o menino não gostou nem um pouco da alcunha.

Anos depois, numa entrevista a um jornal alemão, Pelé confessou que não gosta do apelido. “Pelé não é o meu nome, meu nome é Edison”, afirmou o Rei do Futebol. 

Na infância, Pelé nem sonhava em torcer pelo Santos. Seu time do coração era o Vasco da Gama. Só mais tarde, quando foi contratado pelo time, que se tornou um “santista roxo”.

Pelé começou a jogar no Santos em 1956. Chegou a receber um convite para bater bola na Europa, mas preferiu seguir carreira no Peixe. 

Em 1957, Pelé sagrou-se o mais jovem artilheiro do Campeonato Paulista. Tinha somente 17 anos na época.

O Rei começou a jogar pela Seleção Brasileira 10 meses depois de estrear no Santos. Quando participou da Copa do Mundo do Chile jogando pela Seleção, contava apenas 17 anos.

Número de gols? Foram 1.284 (1285?) (0,93 por partida). Foram 1.091 gols pelo Santos e 95 pela Seleção Brasileira.

O recorde de gols foi numa partida foi contra o Botafogo de Ribeirão Preto, em 1964. Pelé marcou oito gols pelos Santos.

A última Copa que o Rei disputou foi a de 1970, no México. 

Uma revista norte-americana apontou Pelé como um dos 25 atletas “mais legais” de todos os tempos. Além dele, participaram da lista o piloto Mario Andretti, o boxeador Muhammad Ali, o tenista Bjorn Borg e o jogador de basquete Michael Jordan.

Pelé não fez uma, mas quatro despedidas do futebol: duas pela Seleção, uma pelo Cosmos (time norte-americano) e uma pelo Santos. Curiosamente, o último jogo foi entre Cosmos e Santos, com Pelé jogando um tempo em cada time.

Você sabia que Pelé foi Ministro dos Esportes no final dos anos 90? É dele a criação da chamada Lei Pelé, que transforma clubes de futebol em empresas.

Edinho, um dos filhos do Pelé, jogou como goleiro pelo mesmo Santos que ajudou a consagrar o pai.

Em 1999, Pelé foi eleito O Futebolista do Século pela International Federation of Football History and Statistics. No mesmo ano, recebeu o título de Atleta do Século pelo Comité Olímpico Internacional. 

Você sabia que Pelé atuou como goleiro em quatro jogos, um deles substituindo o goleiro Gilmar numa partida do Santos contra o Grêmio em 1961? (foto reprodução)

Pelé foi um dos poucos brasileiros a receber o título de Sir do Império Britânico.

O Rei do Futebol (Pelé) namorou a Rainha dos Baixinhos (Xuxa) na década de 1980.

Você sabia que Pelé conseguiu parar (pelo menos temporariamente) uma guerra? Foi em 1969, no Congo Belga, quando os dois lados do conflito pararam para assistir o Rei do Futebol jogar no país.

Pelé esteve na Artex, mas foi antes do jogo. Quanto a ele Pelé ter feito cinco gols, não afirmo, mas digo aquilo que  foi relatado e que na revista placar e na contagem dos 1.000 gols de Pelé, constam 5 gols do Rei neste jogo.

PARTICIPE dessa lembrança sobre a vinda de Pelé em Blumenau. Faça seus comentários no BLOG e inclua suas informações que serão importantes para nossa história.

Para saber mai acesse:

http://adalbertoday.blogspot.com.br/2010/10/radio-blumenau-arca-da-alianca.html

http://adalbertoday.blogspot.com.br/2008/01/no-estdio-da-baixada-olmpico-x-santos.html 

Arquivo de Dalva e Adalberto Day 

segunda-feira, 2 de agosto de 2021

- Lindolf Bell "O Poeta"

Morte do Poeta em dezembro de 1998 abriu uma lacuna na cultura blumenauense.

O Dono das palavras mágicas

“O som do poema é essencial” defendia o poeta Lindolf Bell. Conhecimento de causa ele tinha para enaltecer as poesias. Recitadas por sua mãe Amália, na infância em Timbó, sua cidade natal, acabaram moldando os sentidos do artista.

Assim como o som do bandôneon tocado pelo seu pai, Theodor, cujos acordes ouvia atentamente na infância. A arte, o conjunto de palavras dispostas de forma bela, como os sons, como as tintas de um quadro, era o que encantava poeta.

Como ele, não houve nenhum poeta foi tão importante para a Cultura de Blumenau. “ Ele era o crítico oficial da cidade”., lembra o então diretor da Fundação Cultural de Blumenau, Vilson do Nascimento. Com a criação da Galeria Açu-Açu, no início dos anos 70, Bell se tornou o principal propulsor das artes de Blumenau e da região.


 Lindolf Bell declamando em praça pública

A comemoração dos seus 60 anos, completados em 2 de novembro de 1998, poderia servir como uma homenagem à sua vida, e aos seus ideais. Enfim Bell faria uma grande festa, esquecendo o retiro individual que, na maioria das vezes, acompanhava suas bodas. Os presentes que queria receber não eram caros, mas espalhafatosos: cada um de seus convidados devia levar livros, que seriam doados ao Acervo da Biblioteca Pública municipal de Timbó. A intenção era difundir a leitura entre os jovens de sua comunidade natal, incutir o prazer e o valor da palavra escrita para a vida. Era sua forma de sanar a dificuldade pela qual ele próprio passara cinco, seis décadas atrás, quando as poucas condições da família, lembrava não lhe deixavam ler algo além da “Bíblia e do calendário de farmácia”.

 Lindolf Bell com a família Elke, Pedro, Rafaela e Eduardo

Mas no dia 5 de dezembro, às vésperas da grande comemoração, o disparado e ansioso coração de Bell , ainda acabrunhado com os preparativos para a festa, começa a brincar com a saúde do poeta, as 9h. Segue-se um tormento de cinco dias, que acaba levando sua vida. O diagnóstico é uma dissecção aguda na aorta.
Para a cultura de Blumenau, devastação semelhante só com a morte da ex-mulher de Lindolf Bell, Elke Hering, quatro anos antes. Desde jovem o escritor já insistia em vôos mais altos, no entanto, chegaram após servir a Policia do Exercito (PE), em 1958 no Rio de Janeiro, quando o poeta começa a tomar vulto.
Antes mesmo de deixar a PE, começa a frequentar a faculdade de Ciencias Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em 60, de volta a Timbó, começa a ter grande reconhecimento no ambiente literário.
Lindolf Bell - Galeria Açu-Açu
O ambiente tenso de 1964parece não te abatido o jovem poeta, Nesse ano,Bell publica Ciclos e inicia o movimento de Catequese Poética, recitando poemas na Boate ELA, Cravo e Canela, em São Paulo. Faz vários recitais em teatros, universidades, escolas e clubes de São Paulo e Rio de Janeiro, onde também se apresentam Álvaro Alves de Faria, Carlos Soulé do Amaral e Roberta Bicellei. Entre 1965 e 1968, a Catequese Poética toma vulto. O Poeta e os outros integrantes do movimento viajam por todo o país, sensibilizando o universo artístico e estudantil. Sai também a Antologia da Catequese Poética. De volta ao Vale do Itajaí, e já unido a Elke Hering, se fixou em Blumenau. Junto com Péricles e Arminda Prade, o casal criou a Galeria Açu-Açu, em 1970. Pouco depois, Bell publica As Annamarias, considerada por Carlos Drummond de Andrade “a mais importante obra lírico-amorosa em língua portuguesa dos últimos quinze anos”. Nas próximas três décadas, seguem-se obras vigorosas, o apoio a arte e permanecem os ideais.
Porém nem tudo que escreveu e fez em vida preenche o abismo deixado pela sua morte.
Suplemento do Jornal de Santa Catarina, sábado 2/setembro/2000 Volume 3 – Personagens, lugares e construções.
Foto: Arquivo Histórico José Ferreira da Silva/Adalberto Day

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...