"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

quarta-feira, 4 de julho de 2018

- Karsten

Por André Bonomini

Antigamente: A Karsten, uma História moldada através dos tempos.
Uma gigante encravada na simpática região do Testo Salto. De uma família em busca de segurança e uma nova chance de prosperar para uma das organizações mais sólidas do Brasil no setor têxtil. 
Encravada no simpático Testo Salto, nos confins de Blumenau, ela alcançou 0 centenários em setembro/1982 mas nem de longe se parece com uma velha senhora, muito embora viveu com intensidade vários momentos da história blumenauense, brasileira e mundial, numa espécie de Benjamin Button germânica.
E quando se fala em simpática, é para o desorientado que ainda não viu o seu tamanho naquele caminho de Pomerode. Os dois lados do nº 260 da rua que leva o nome do fundador mostram somente um pouco daquilo que ela representa para o setor têxtil, industrial e, claro para a história da cidade que, pelos idos de 1860, abrigou uma família em busca de novas chances para prosperar e para fugir da agitação que permeava a Europa. Era a saga de Johann e os seus que originaria a gigante Karsten, a sexta mais antiga empresa do Brasil.

De saída da Alemanha para uma grande história
E foi assim, meio que em fuga mas também em busca de prosperidade que a família Karsten deixou a bordo do navio Nancy a região da Schleswig-Holstein. Eram os primeiros movimentos do que viria a ser, em 1870, a unificação alemã sob o comando de Bismarck e a região, controlada pela Dinamarca, entra no meio de um conflito com austríacos e prussianos pelo seu domínio.
A propriedade dos Karsten no Rio do Testo. A moenda de grãos e serraria era o sustento da família até a violenta enchente de 1880 (Reprodução)
Era, também, o início das grandes migrações de europeus pelo mundo, especialmente o Brasil, que era propagandeado como uma terra de grandes perspectivas para um povo que vivia a mercê de guerras quase em todo o tempo. Ao desembarcar no Rio de Janeiro, a família numerosa ruma para a jovem colônia de um farmacêutico prussiano, Hermann Blumenau, em Santa Catarina, onde lá encontram guarida e a chance de recomeçar ao lado das águas do calmo Rio do Testo.
Logo, os Karsten se colocam ao trabalho. Aproveitam a força do rio para instalar uma roda d’água responsável por fornecer energia, mover a serraria e moer grãos. Nada era fácil naqueles primeiros tempos, nem mesmo controlar a força do outrora calmo, mas também violento Rio do Testo, que assim como o Itajaí-Açu, subiu e arrasou propriedades como a da família durante a temerosa enchente de 1880, a maior de todos os tempos.
A família Karsten. Johann, o patriarca, teria de achar outro caminho para manter a família. Encontraria-o no ramo têxtil, que iniciaria dois anos depois da cheia Reprodução / Karsten)
Com a propriedade arruinada, o jeito era mudar de rumos com relação ao que fazer da vida. Johann Karsten teve a saída: montar uma tecelagem. Não que fosse novidade naqueles idos, a região do Vale tinha lá algumas pequenas tecelagens, mas era uma forma de ganhar a vida perdida nas águas turvas do Rio do Testo. O dinheiro era pouco, mas Johann foi em frente e montou uma sociedade com Henrich Hadlich para iniciar a empreitada no segmento.
Ideia plantada, Hadlich seguia para a Alemanha com as poucas economias que tinham no negócio para montar a nova empresa. Neste caminho, ele passou pelo Rio de Janeiro, onde encontrou-se com o tecelão Gustav Roeder, que foi convidado por Hadlich a juntar-se aos negócios. Batata! Em setembro de 1882, tendo seis teares e 300 fusos, a firma dá inicio as atividades sob o nome de Roeder, Karsten & Hadlich.
Entre as dificuldades, a consolidação
No entanto, quem achava que era fácil montar um negócio assim no difícil Vale do Itajaí daqueles idos está bem enganado. O algodão logo mostrou-se a maior dificuldade da nova empresa. A primeira tentativa foi o plantio, o que não deu muito certo por conta das chuvas da região. Depois, outra tentativa utilizando ovelhas, mas com resultados esparsos.
No fim, era necessário importar a matéria-prima de Londres, o que demorava meses e meses até uma simples caixa de fios chegar a firma. Da Inglaterra até Desterro (Florianópolis), de Desterro até Itajaí, de Itajaí até Blumenau e de Blumenau até o Rio do Testo. Uma saga para começar a produzir. Mas mesmo nestes momentos difíceis, a empresa começa a prosperar. Foi quando Roeder e Hadlich deixaram a sociedade, tornando Johann o único a tocar os negócios já bem consolidados mesmo abaixo de tantos obstáculos a ser superados.
João Karsten assumiu o comando da firma junto do irmão, Christiano, dando continuidade a consolidação e adaptando a marca ao mercado feminino (Reprodução / Karsten)
Os panos fabricados para forros de cobertas, travesseiros e colchões eram o carro-chefe da firma, passando com o tempo a também fabricar tecidos para o vestuário. Lá fora dos muros da empresa, o mundo se transforma. O Brasil abole a escravidão e proclama a república, eram bons tempos para os Karsten.
Isto até chegar 1914, quando a Primeira Guerra explode na Europa. A exportação de fios, que já era penosa, torna-se inviável por conta do conflito, o que força muitos dos funcionários a voltarem a agricultura de subsistência para garantir o sustento. Nestas mudanças todas, a firma também passa por um processo de renovação. Johann abre caminho, em 1916, para os filhos Christiano e João no comando da empresa, mudando seu nome para Karsten Irmãos.
A marca Karsten Irmãos, criada na administração dos irmãos João e Christiano Karsten. Anos depois, Christiano deixa a sociedade e João fica sozinho a frente da empresa (Reprodução)
Termina a guerra e o mundo reencontra-se com o crescimento econômico. Na década de 1920, as mudanças na sociedade também forçam a empresa, de volta nos trilhos, a acrescentar novos itens na sua linha de produção. Entram as toalhas, panos com estampas variadas e que atraiam os olhos das mulheres, cada vez mais em busca de seu espaço na sociedade e auto-determinando-se o poder de compra. Neste meio-tempo, Christiano deixa a sociedade e a Karsten passa a ser uma sociedade anônima sob o comando de João Karsten.
Os anos passam e a empresa ganha estabilidade e reconhecimento cada vez maior no mercado, com números interessantes. Era mais um dos tantos negócios familiares do Vale do Itajaí que ganhava notoriedade nas páginas de economia de grandes jornais brasileiros como bons exemplos. Nos anos 40, já sob o nome de Cia. Textil Karsten, a empresa aperfeiçoa sua linha de produtos graças as inovações trazidas por Walter Karsten, filho de João, da Alemanha, e outras mudanças estavam a caminho.
Eis a década de 1970 no horizonte. Dentro de um país que se enquadrava como a oitava economia no mundo, a Karsten estava muito bem, obrigado no contexto econômico de Blumenau. A outrora pequena cidade agora era uma economia de respeito, destaque em vários setores industriais, especialmente o têxtil, onde a empresa estava muito bem colocada entre as grandes da cidade, como Teka, Garcia, Artex e outras.
Revoluções setentistas, força nas crises e o futuro
Mas para a Karsten, os anos 1970 vieram com embalo geral na sua estrutura, tirando-a do simpático Testo Salto e a levando para o mundo. Já em 1971, a empresa abre o capital e passa a exportar produtos, chegando a exportar no fim da década cerca de 60% do que produzia. Um ano depois (1972), conquista a cobiçada licença da marca Disney, uma das mais fortes no mercado mundial. Em 1974, expõe seus produtos na Feira Têxtil de Frankfurt, a Heimtextil, uma das maiores do mundo. Mais dois anos a frente, em 1976, começa a produzir felpudos e, no mesmo ano, resolve o antigo problema dos fios ao implantar a própria fiação.
São muitas revoluções em uma única década, completando ainda com a mudança na direção da firma, agora sob o comando de Walter Karsten, tendo ao seu lado no setor comercial o irmão, Ralf. Eram anos prósperos até a chegada da década de 90 e dos planos econômicos de Fernando Collor que colocaram muitas empresas em situação de risco no país, com prejuízos que trariam reflexos por vários anos. Mas não para a Karsten, exemplo único entre as coirmãs de cidade.
Projeção nacional e revoluções. Os anos 70 foram de constante mudança e inovações. Capital aberto, licença de uso da Disney abaixo), exposição em Frankfurt e, enfim, a fiação própria (Reprodução)
Enquanto algumas se debatiam com os reflexos da crise, a Karsten tinha no bojo a tradição de bons produtos para manter-se firme no mercado interno e externo diante dos reflexos da abertura de mercado, que pegou muita gente de surpresa. A solidez da empresa é algo que espanta nos dias atuais no cenário presente, fruto de uma administração pensada para frente e sem passos fora da curva que colocassem em risco a imagem já consolidada com os anos.
Ao passar os anos, sucederam-se os presidentes (Carlos Odebrecht e Alvin Rauh Neto) até a chegada do grupo atual, sob o comando de Armando Hess de Souza, um dos orgulhosos filhos da Dudalina, que tem levado a empreitava a voos mais altos, cada vez mais desafiada pela constante mudança do público consumidor e do mercado. Prova disto é uma das mais sofisticadas marcas de artigos de cama, mesa e banho da tradicional marca Trussardi, de raízes italianas, cobiçada por muitos e adquirida pela Karsten em 2010. 
Ao bater os 135 anos, a jovialidade da Karsten assusta e também inspira. De uma história moldada na esperança de novos tempos para uma simples família alemã para uma trajetória de sucesso foram vários os obstáculos, sempre acompanhando o caminhar do mundo por fora de seus portões. Cada colaborador tem em si a sensação de ter colocado um tijolo no imponente complexo industrial as margens da rua que leva o nome de seu fundador – Johann Karsten – e que ajudou como tantos outros a criar em volta uma comunidade, uma economia forte e uma história digna de grandes livros. 
Quantos anos e revoluções mais virão? Não se sabe ao certo. Certeza é que a Karsten provavelmente estará lá para vive-los. da mesma forma jovem que qualquer grande empresa centenária e de grande história que existe… no mundo.

6 comentários:

Anônimo disse...

Meu caro Adalberto,
Guardadas as devidas proporções, está história não é muito diferente das demais industriais textetê da nossa região. Pois cada um com sua particularidade, porém o mesmo propósito (crescimento e sobrevivência). Com tudo uma história linda e rica em detalhes, parabéns.

Ademar Rosumek disse...

Olá, Adalberto.

Sou sobrinho do Rudolf Rosumek, Goleiro do Amazonas e pai do Adalbert e Marlene Rosumek. Meu tio Rudolf foi funcionário da Cia Karsten nos meados do século 20. Não posso precisar mas talvez entre a década de 1930 e 1940. Posteriormente, foi trabalhar na Empresa Industrial Garcia. Foi um dos primeiros com carteira de trabalho na Cia Karsten. Esta carteira deve estar atualmente em posse do Ivan Hort, filho da Marlene Rosumek com Haroldo Hort. Tenho uma foto daquela época, que me parece ser a Cia Karsten. Querendo, passo uma cópia.

Ivonete disse...


Ivonete Muller Lembro muito meu irmão Norival Muller trabalhou muitos anos la

Edmundo disse...

Edmundo Edi Muito bem Adalberto em trazer esta empresa para ser lembrada.

Juliano Carvalho Bueno disse...

Considero o melhor blog sobre história aqui de Santa Catarina. Sempre aprendo um pouco mais sobre Blumenau, Joinville e toda cultura de nossas cidades. Obrigado Adalberto.

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Maravilhosa história da História da Blumenau que tanto amo e deu de si a minha formação acadêmica, cívica e pessoal. Servi o Exército com Mário John, que àquela época (1960), sua família tinha participação na Karsten que veio a ser a Teca, depois. Ou estou enganado? Mais tarde cursei engenharia com Afonso Karsten, membro da citada família. A empresa me é familiar tanto quanto a Fábrica de Laticínios Jensen, próxima. Parabéns pela bela postagem! E grato pela partilha! Grande abraço. Laerte.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...