"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

segunda-feira, 1 de junho de 2009

- O Cinema em Blumenau – Parte XII

Mais uma participação exclusiva e especial do renomado escritor e jornalista Carlos Braga Mueller, que hoje nos presenteia sobre Cinema e sua magia e a criatividade para faturar.
Por Carlos Braga Mueller
A MAGIA DAS TELAS E A CRIATIVIDADE DOS CINEMAS PARA FATURAR
Vamos continuar rememorando, neste capítulo, curiosidades que marcaram as sessões de cinema na metade do século XX e anos seguintes, em Blumenau.
Já vimos como as senhoras e senhoritas eram atraídas para a Sessão das Moças”. Hoje vamos ver mais algumas artimanhas que os cinemas empregavam para atrais mais público.
OS PROGRAMAS DUPLOS:
Houve um tempo em que, aos sábados eram apresentados “programas duplos”, com 2 filmes . Um deles, se a censura fosse livre, acabava sendo exibido também no domingo, na matiné das 14 horas, com mais dois capítulos do “seriado”
Muitos devem recordar dos famosos seriados de 13 ou 15 capítulos, exibidos semana após semana nas matinés, aguardados com ansiedade pela criançada e pelos marmanjos também.
- Zorro, Capitão Marvel, O Fantasma, Perigos de Nyoka, Dick Tracy, A Adaga de Salomão, Flash Gordon, prendiam a atenção de todos e a respiração até faltava quando no final de cada episódio o mocinho ou a mocinha caíam em uma armadilha mortal. Era o célebre “perigo”, e só no episódio seguinte se ia ver como eles escapavam sãos e salvos.
Programas duplos eram comuns nos Estados Unidos, para desovar produções de baixo custo, os filmes B. O Brasil copiou a fórmula.
O famoso cineasta Quentin Tarantino prestou uma homenagem em 2007 a este tipo de espetáculo, realizando o filme “Grindhouse” (termo que caracterizava os programas duplos em cinemas de bairros nos Estados Unidos), feito em parceria com outro diretor, Roberto Rodriguez.
Em “Grindhouse” foram reunidos dois filmes. O primeiro é “À Prova de Morte” (Death Proof”, dirigido por Tarantino. Já o segundo filme, dirigido por Rodriguez, tem o título de “Planeta Terror” (Planet Terror). Foram feitos para passar em uma só sessão, mas devido ao longo tempo de duração, houve países que exibiram os dois filmes separadamente, como no Brasil.
“Grindhouse”, de propósito, adotou o clima de filme B que caracterizava as produções mais baratas, mas que atraiam determinado público lá pela metade do século XX.
LANÇAMENTOS EM OUTROS DIAS DA SEMANA:
Durante a semana os apreciadores de cinema tinham mais opções nos cinemas de Blumenau.
As terças geralmente era lançado um novo filme, reprisado na quarta.. Na quinta já era outro que estava em cartaz, que passava de novo na sexta.
Haja fôlego para ver tanto filme !
Cine Busch 1976
Nunca me esqueço que Heitor Ferraz, de tradicional família blumenauense, era um aficionado de cinema que não perdia um filme no Cine Busch.
No Cine Blumenau o número de filmes exibidos rivalizava com os do Cine Busch.
Então, havia filme de sobra para comentar em nosso programa de rádio.
PROGRAMAS “SIMULTÂNEOS”:
Outra novidade que caracterizava os cinemas de Blumenau lá pelos anos 50 e 60 do século XX eram os “programas simultâneos”.
O que era isso?
Sábado, por exemplo, o Cine Busch anunciava o programa duplo, só que os mesmos filmes passavam também no Cine Blumenau E ambas as sessões começavam às 20,00 horas. Só que primeiro filme exibido no Blumenau, era o segundo do Busch, e vice-versa.
Aí entrava em ação o “boy” de bicicleta, que ia e vinha levando as partes dos filmes, que se revezavam nos dois cinemas.
Qualquer semelhança com “Cinema Paradiso” não é mera coincidência.
Houve sessões em que as luzes acendiam e a platéia ficava aguardando a chegada de um dos rolos do filme.... que o boy, suado, chegava carregando escadaria acima, até a cabine de projeção.
Bronca nele! Um dia a justificativa foi imbatível: havia furado o pneu da bicicleta !
Por que eram feitos lançamentos simultâneos ?
Provavelmente para economizar no aluguel dos filmes, utilizando-os em dois cinemas. Ou então para atrair mais pessoas para as salas de exibição, porque se pagava um só ingresso e assistia-se dois filmes !
AS ATRAÇÕES DO PROGRAMA DE RÁDIO “CINE ATUALIDADES”:
Além do resumo dos filmes, neste programa dos anos 50/60, apresentado por mim na PRC-4 Rádio Clube de Blumenau, também eram rodadas as músicas de filmes famosos, como “Singing in the rain” do filme “Cantando na Chuva”; “Tema de Lara”, do Dr. Jivago; “Love is a many splendored thing” de “Suplício de Uma Saudade” e tantos outros sucessos que iam aparecendo na medida em que novos filmes ganhavam as telas.
Um dos quadros do programa, “A História”, narrava o argumento de um filme famoso, e caiu no gosto dos ouvintes.
Havia também o sorteio de ingressos para os cinemas. Se o ouvinte telefonasse para a rádio e acertasse a resposta da pergunta que era feita no ar, ganhava dois ou mais ingressos. O telefone tocava na hora!
E para deixar os ouvintes atualizados, era apresentado o quadro “Notícias de Hollywood” e também do cinema brasileiro.
Mas a grande novidade no programa de cinema Cine Atualidades da PRC-4 foi a apresentação da trilha sonora dos “trailers” de filmes que eram exibidos no Cine Busch..
Naquela época os narradores de cinema, com suas vozes inconfundíveis, faziam a locução destes filmes: Gaspar Coelho, Ramos Calhelha, Luiz Jatobá, Glauco Rodrigues, Aloysio de Oliveira, eram presenças constantes nos cinemas, com suas vozes e narrações características. Entonações destes “astros” da locução são imitadas até nos dias atuais, em “chamadas” de filmes ou até em propagandas comerciais.
Um dos técnicos de som (sonoplasta) da PRC-4 por volta dos anos 60 era o Alvacyr Ávila, outro cinéfilo, que inclusive operava nas horas de folga as máquinas de projeção naquele cinema.
Então, eu e ele íamos à cabine de projeção do Cine Busch e gravávamos os trailers, em um gravador de fita, para reproduzi-los depois nos programas das terças-feiras.
Era uma novidade gostosa de ouvir e os mais velhos lembram bem disso.
Anos depois eu apresentei um programa de cinema aos sábados pela manhã na Rádio Blumenau. Chamava-se “7 Dias de Cinema” e a linha era quase idêntica ao “Cine Atualidades” da PRC-4.
Nestas recordações fica evidente a participação das emissoras de rádio na história do cinema em Blumenau, especialmente quando o cinema era praticamente a única diversão da cidade.
Arquivo de: Adalberto Day/e do Colunista - Escritor e Jornalista Carlos Braga Mueller

6 comentários:

Braga Mueller disse...

Beto
Ficou excelente. Além dos seriados, o cartaz do filme do Tarantino, e mais aquela foto dos anos 70 em frente ao Cine Busch, tudo ficou muito legal !
Obrigado.
Também a abertura do blog, com a foto do Cine Busch e o auditório da PRC-4 está excelente.
Abs do
Braga

Silvio Kohler disse...

Excepcional o post sobre o cinema. Sem palavras. Braga Mueller é nosso Rubens Ewald Filho mas, com muito mais conteúdo e sempre com sua simplicidade, presente nos sábios.

Valdir Appel disse...

Beto,
Parabenize mais uma vez o Braga. Sou seu fã de carteirinha. Mais uma pro meu arquivo. E meus cumprimentos a voce pela bela postagem.

Djalma disse...

O Sr. Braga,pessoa que frequentemente encontravamos pelos cinemas de Blum,enau,nos fala com muinta propriedade de coisas que ainda estão bem reais na nossa mente.Isto não faz muinto tempo não.Pena que a geração atual não teve o prazer de vivenciar isto.Foram " ótimos " tempos.

André disse...

Grande Adalberto!!!
Posso até estar enganado...
Mas, o Cine Bush é aquele da Alameda, certo???
Quanto aos Montanari, também lembro bem deles...
Um abração!!!
André

angela disse...

Estou maravilhada...
fiquei o dia inteiro lendo e estou apaixonada pela dedicação que
voce tem pela nossa cidade...
é fantastico o seu trabalho...
sou sua fâ.

Angela.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...