"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

domingo, 25 de janeiro de 2009

- Costurando

Hoje apresento uma doação dos amigos Pedro Prim e sua esposa Eliane Drude. Sempre tenho o maior carinho ao ver uma maquina de costura, pois ela nos trás nossa infância onde quase todas as nossas mães, avós e alguma vizinha faziam com maestria trabalhos de costura em maquinas manuais.
-Também nos reporta as nossas origens no ramo têxtil, com o advento das primeiras empresas de Blumenau, A Industrial Garcia,(1868) CIA. Hering,,(1880) já nos primórdios da fundação.
A imagem mostra uma máquina de costura manual alemã marca Dietrich Vesta, da década de 1926, trazida por Alexander Drude (foto), nascido em 18-03-1909, na cidade de Volina (Rússia). Depois foi para a Alemanha e com 18 anos veio para o Brasil. Aqui desembarcou na Ilha das Flores, foi para Florianópolis mais tarde veio para a região de ‘Subida’ e finalmente para a cidade de Dona Emma no Médio Vale SC. Sua esposa Maria Kränkel, costurava para toda família e vizinhos. Dia da costureira é comemorado dia 25 de maio.
A neta Eliane Drude, trouxe essa raridade para Blumenau em 2002.
As imagens Junto a maquina de costura são de artigos fabricados no século passado décadas 40/60 quando ainda eram utilizadas etiquetas de papel. São Guardanapos, e toalhas confeccionadas na Empresa Industrial Garcia em Blumenau.
No tempo do café no bule e na xícara - Bule doação de Pedro Prim e sua esposa Eliane Drude, xicara doação Augusta Day
História
O trabalho da mulher era imprescindível no desenvolvimento da Colônia Blumenau, esse era o entendimento do Colonizador, que não gostava de ceder terras aos solteiros porque sozinhos não progrediam visto que não tinha quem cuidasse da casa, horta, roupas e quem lhes confortasse nos momentos difíceis, situação confirmada pelos imigrantes, conforme constatamos nos relatórios do Dr. Blumenau e em correspondências dos colonos aos parentes.
Além do trabalho doméstico cuidando dos filhos, casa, roupas e comida, as mulheres trabalhavam na roça, eram responsável pela horta, pelos animais domésticos e ainda costuravam, faziam tricô e crochê; para que a esposa se aperfeiçoasse nestas artes de agulha é que Julius entre outros motivos agilizou o casamento, visto que em casa a noiva não tinha tempo. (BAUMGARTEN, 1855, (1988): 24). ......à época e de esposa e companheira; ainda sobrava tempo para cuidar do jardim, aos sábados faziam quitutes para reunir a família para o lanche de domingo e quando não tinham nada para fazer, bordavam e costuravam; sem dúvida, é forçoso concordar com o Dr. Blumenau, a mulher realmente era imprescindível para o progresso do imigrante. A indústria têxtil garantia trabalho às mulheres, diretamente na fábrica ou em casa, conforme relata Johanna Baier Muller, (apud RENAUX, 1995: 161) ela e familiares costuravam para a firma Hering em casa, trabalhavam desde a manhã até as vinte e duas horas, cada uma fazia uma parte da peça: “Para a fábrica eu costurei alguns anos, minha avó, eu e a Tante Delminda. Hermann Muller-Hering nos trazia a costura cada segunda-feira ao mesmo tempo em que levava a que já ficara
Hoje em dia uma moça é independente até para casar, mudou muito, a mulher se sente mais valorizada”. Realmente muita coisa mudou e para melhor, hoje a jovem se prepara, constrói para si uma carreira profissional, faz universidade, para ter sua própria autonomia financeira. E então, ela admite a vida a dois. Os costumes mudaram, a sociedade mudou, pelo menos na maioria dos casos principalmente em uma cidade politizada (com cultura e tradição. muito marcante e organizada ) como a nossa Blumenau. Nosso reconhecimento a essas belas e guerreiras, parabéns pela luta e dedicação.
As mulheres constituíam a maioria das operárias na indústria têxtil, os homens dedicavam-se à agricultura, pecuária, comércio e transporte.
Para saber mais= Acesse
Maria de Lourdes Leiria
Arquivo de Eliane Drude/Pedro Prim/Adalberto Day

Um comentário:

Denilce disse...

Sr Adalberto,

Acabei de herdar de minha bisavo uma maquina de costura Dietrich vesta Alemã, foi comprada em 1929, esta em perfeito estado de comservação inclusivel o Bau que proteje.

Gostaria de saber sequal o valor estimado para uma peça desta? Ela é identica a uma foto que esta em seu site, com a diferença que o bau esta intacto.
Grata
Denilce martins
e-mail denilcem@ig.com.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...