“A Educação é a base de tudo, e a Cultura a base da Educação”

Seja bem-vindo (a) e faça uma boa pesquisa.

quinta-feira, 22 de março de 2018

- Historietas do Garcia

Em historietas do nosso cotidiano apresento textos enviados pelo amigo Sérgio Cunha, sobre sua infância em geral, vale a pena a leitura e sentir-se inserido nos belos relatos.
Por Sérgio Cunha
O PEQUENO PRÍNCIPE:
Pequeno Príncipe em alemão se fala Kleiner Prinz. Nos idos de 1957, a comunidade da Vila e Rua da Gloria, no Bem Aventurado Reino do Garcia, com a finalidade de angariar fundos para as obras da Igreja Nossa Senhora da Glória e do Grupo Escolar São José, tiveram a ideia de promover um concurso infantil de Rei e Príncipe (König uns Prinz). Não sei porque não fizeram um concurso de Rainha e Princesa ou de Miss. Talvez porque a safra de meninas daquele ano não estava a altura de representar tal título.
A regra para a classificação dos eleitos consistia na venda de votos. A família que vendesse a maior quantidade de votos para a comunidade elegeria o reizinho e o príncipe. O Jorge Salvador Rodrigues foi indicado para representar a Família Rodrigues. Eu fui indicado para representar a Família dos Santos. Participaram também outros meninos indicados para representar suas respectivas famílias. A campanha foi acirrada.
Minha família, meus tios, minhas tias, a Martha, a Helena e a Evanilde, batalharam arduamente na venda dos votos. Vendiam na rua, nas casas, na empresa onde trabalhavam. O resultado foi apresentado no dia da Festa Anual da Igreja N. Senhora da Gloria. E o reizinho eleito foi...? Vocês estão pensando que escrevi esse texto para dizer que fui o reizinho eleito não é mesmo? Mas não fui eu não. O Reizinho eleito foi o Jorge Salvador Rodrigues e eu fiquei em segundo lugar como 1• Príncipe.
                  Foto: Acervo Sergio Cunha  

O PAPAI NOEL:
Aprendendo Alemão: SÃO NICOLAU, KNECHT RUPRECHT e SCHMUTZLI. São Nicolau é o Papai Noel. Na Alemanha o ajudante do São Nicolau é o Knecht Ruprecht. Na Suíça o ajudante do São Nicolau é o Schmutzli. Até a década de 60, aqui em Blumenau, conhecíamos somente o NICOLAU, que tinha roupas e "maquiagem" bem feias. E nem se falava São Nicolau. Era só Nicolau mesmo. Depois de 1960, com a inauguração da Loja HM é que conhecemos o PAPAI NOEL.
Nessa época eu tinha uns 10/11 anos. Estávamos a uma semana do Natal. Como o Nicolau era bem feio, falei pra minha mãe: Mãe, hoje assim que escurecer vou me vestir de Nicolau e dar um susto nos meninos do Sr. Joao Barulho. Ele era um vizinho que todos chamavam por esse apelido, até hoje não sei porque, e tinha 3 meninos com 5 a 9 anos mais ou menos. E eu era muito corajoso. Nooossa, como eu era corajoso!
Peguei um pacote desses de papel pardo, desses de padaria, fiz pequenos buracos para olhos, nariz e boca, colei algodão para imitar bigode, sobrancelhas e barba, vesti um casaco e calça velha. Peguei também um saco de aniagem para carregar nas costas e uma vara como bengala. A boquinha da noite, logo que escureceu, vesti os trajes e disse pra mãe: eu já vou. Ela olhou pra mim, achou engraçado, riu e disse: Tá bom, Mãããe,pode ir. Cuidado! Saí pela porta de traz da nossa casa, caminhei uns 20 metros pela lateral da casa para chegar na rua em frente.
Ao chegar na rua, iria para a esquerda, mais uns 100 metros até chegar onde estavam as crianças, que nessa época, início de verão, calor, brincavam até mais tarde em frente de casa. Abri o portãozinho, estiquei o pescoço para ver como estava o caminho. Raapaaiz, a 5 metros de mim, vindo na minha direção, vi o maior Nicolau que meus olhos já enxergaram. Ele tinha uns 2 metros de altura. O bicho era graaande. Engatei a primeira e saí cantando pneus numa disparada para a porta dos fundos, mais rápido do que o Papa-léguas.
Quando cheguei à porta, estava fechada por dentro. Aumentou o desespero. É agora que o bicho me pega! Dei socos com as duas mãos na porta, gritando pela mãe. Depois de eternos 15 segundos ela abriu. Joguei- me para dentro. Branco como vela. O coração querendo sair pela boca. Ela perguntou: O que foi guri? Na medida do possível fui explicando. Ela disse: Aaah, querias assustar os meninos é! Veja no que deu! Bem feito! Cara, não morri porque não era hora.  
 Sergio Cunha - 28/12/2017
A GEADA:
Geada em alemão se diz Frost. O clima da terra está mesmo esquentando. Lembro-me de que o inverno nas décadas de 50/60 era bem mais frio do que atualmente. Tinha na época 5 para 6 anos e minha primeira irmã aproximadamente 1 ano. Morávamos todos juntos na casa de minha avó, na Vila Operária, próximo da Igreja N. S. da Glória. O vovô havia falecido quando eu tinha 6 meses. Moravam conosco também minhas tias e tios que ainda eram solteiros (Singles). Ao todo éramos umas 10 pessoas. A casa era grande, tinha cerca de 160 metros quadrados, com dois pavimentos e somente no pavimento superior tinha quatro quartos.
O pai e a mãe haviam comprado um terreno no Bêco Tallmann e estavam terminando de construir uma pequena casa para morarmos. O Bêco Tallmann era bêco (Gasse) porque não havia ainda ligação com a rua Progresso ( em sua parte total). Tanto meu pai como minha mãe trabalhavam nas indústrias têxteis da região, industrias que estavam formando o pólo têxtil de Santa Catarina. As fábricas, como todos falavam, estavam pertinho de casa, distando cerca de 1,5 quilômetros.
Como os dois trabalhavam, na nova casa não teria quem ficasse tomando conta de mim e minha irmã durante o dia. Então meu pai falou com seu irmão João Paulo que cedeu uma de suas filhas, portanto nossa prima (Cousin , pronuncia-se “cusan”), para tomar conta de nós provisoriamente até que contratassem uma “babá”. A prima era a Azenir que tinha na época uns 12/13 anos de idade. Ela veio então para a casa da vó, para fazer um “estágio” e ter as primeiras noções de como manter os nossos limites de criança. Ela cuidava de nós com muita responsabilidade, mas também brincávamos muito, pois era muito divertida.
Era época de inverno aqui no sul e esse, deu sinal que seria bastante rigoroso. Tinha chovido naquela semana e começava a soprar o vento “minuano”. Quando soprava o minuano, eram vários dias de ventania forte. As folhas das bananeiras de tanto tremular com o vento forte (Starker Wind), rachavam. Ficavam todas em tirinhas, esfiapadas. Hoje em dia não se vê mais isso.
Um desses dias, a tardinha, estava bem frio e ventava, anunciando que a próxima madrugada seria congelante. Os adultos comentavam entre si que ao amanhecer o dia, com certeza teríamos geada. Então a prima falou: Já que amanhã vai ter geada, vamos fazer uma experiência. Vamos colocar no pátio (Hinterhof) uma pequena bacia de alumínio com água e quando a gente acordar, vamos ver que na bacia terá uma camada de gelo.
Nós, as crianças da casa, ficamos muito entusiasmadas (begeistert) e interessadas. Mas como assim, gelo! O que é gelo? Ela que já frequentava a escola disse: Gelo é quando a água fica dura. Como que a água irá ficar dura? Nunca tínhamos visto gelo. Geladeira (Kühlschrank) então, nem pensar. Não existia ainda. Refrigerante também não existia, só “Capilé”, que era groselha e se misturava com água.
O que surgiu logo a seguir foi o “Gasosão”, que era tipo groselha gaseificada. Cerveja já existia, mas para se degustar essas bebidas mais frescas, colocava-se as garrafas dentro de um balde (Eimer) ou tanque e cobria-se com água fresquinha tirada de algum poço profundo. Todas as casas tinham poço. Quem morava perto de algum córrego (Bach) raso de água cristalina, colocava as garrafas no fundo do córrego para que refrescassem.
Bem, vamos ver se essa geada vem ou não. Depois de muita conversa e explicações (Erklärungen) fomos tentar dormir, o que foi muito demorado devido à grande ansiedade. Ao amanhecer, bem cedinho, aos primeiros claros do sol, a prima nos acordou e fomos lá no pátio ver o que tinha acontecido. Ficamos com os olhos (Augen) arregalados quando ela pegou da bacia uma rodela de “água dura” que tinha aí uns três milímetros de espessura. Ávidos para tocar aquela novidade, começamos a cutucar com os dedos e logo a rodela de água se foi quebrando e cada um pegou um pedaço e correu levar para um adulto ver a novidade que aos poucos foi derretendo e desaparecendo. Assim iniciamos mais um dia de curiosidades (Kuriositäten) e brincadeiras no nosso pequeno e agradável mundo infantil.
Sergio Cunha - 02/02/2018
Foto: Fachada Casa da Vovó Maria.
TANTE E ONKEL:
Em alemão, Tio se fala "Onkel" e Tia se fala "Tante". Quando eu era criança, lá no "Reino do Garcia", pelos idos de 59/60, numa certa tarde vieram nos visitar minha avó Maria e duas irmãs dela, a tia Olívia e a tia Luíza, portanto, as tias de minha mãe. Vieram fazer uma visita de cortesia e também para ver nossa nova casa, já que tínhamos nos mudado recentemente da Rua da Gloria para o Beco Tallmann que naquela época nem tinha sido promovido a categoria de rua ainda.
A tia Luíza estava fazendo uma tournée e veio lá do Arraial do Ouro em Gaspar, para visitar suas irmãs no Garcia, em Blumenau. A tia Olívia veio da rua Antônio Zendron no bairro  (Valparaíso). Encontraram-se na casa da vovó na rua da Glória. Dali saíram as três senhoras em direção a nossa casa no Beco Tallmann, num dia de verão, que mais quente era bobagem, caminhando, com sombrinhas para se abrigar do sol implacável e com aqueles seus tradicionais vestidos longos. Verdadeira cena dantesca.
Elas chegaram, a gente foi cumprimentando, como de praxe, boa educação, benção vó, benção tias, sentaram-se e dá-lhe conversar. Mas notei que a minha mãe se dirigia as tias chamando-as de "Tanta". Tanta Olivia pra cá, Tanta Luíza pra lá e a interrogação terrível na minha cabeça de criança. Porque a mãe chamava elas de Tanta?
Ela sempre nos ensinou que Tanta, era para se referir a alguma coisa com grande quantidade: Tanta agua, Tanta chuva, Tanta laranja, etc. Mas, e agora? Será que as tias eram Tanta coisa assim? Então, logo que elas foram embora, a noitinha quando estávamos a mesa, em família, perguntei: Mãe, porque a senhora chamava elas de Tanta? Ora filho, porque Tia em alemão se fala Tante e a vó e as tias falavam alemão com a mãe delas e assim ficou de costume. Os Tios elas chamam de Onkel.
Sergio Cunha - 16/01/2018.

O CÓRREGO:
Córrego em alemão se diz, Bach. Certa vez (+/- 1963), a Ceia de Natal (Weihnachtsessen) foi na casa da tia Níde, no Reino do Garcia. Todos da família foram jantar lá. Tios, tias, primos, primas e convidados. Antes, porém, a tia pediu para nós, os meninos, já mais crescidos, irmos buscar as tortas, pastelão e outras guloseimas, na casa da confeiteira que morava logo ali embaixo na rua da Gloria, próximo da casa da dona Cassiana. Fomos então, o Nino, o Reginaldo, eu e o "gordinho", que assim era apelidado, o Osnildo, filho da dona Alói. Como diz o alemão, "A xente andava sempre xunto", éramos muito unidos.
E lá fomos nós, era pertinho, uns 800 metros. Traríamos nas mãos, cada um o seu. Veículo não tinha, só bicicleta (Fahrrad). Uber, acho que somente em Floripa. Então, era a pé mesmo. Chegamos na casa da senhora, pegamos as encomendas e voltamos. Ali, naquele lugar onde era a casa da dona Cassiana, tem um canal, um córrego que atravessa a rua da Glória, vindo da rua Belo Horizonte. Atravessa ali e une-se com o córrego que vem lá de cima da Vila. Passa por baixo do Terminal de ônibus, por baixo da Coteminas e desemboca no ribeirão Garcia.
A prefeitura (Rathaus) fez aquele canal de concreto, mas não fez um corrimão, uma mureta para segurança, nada. Nas cabeceiras do canal só tinha um meio-fio com uns 30 cm de largura e 10 cm de altura, que as crianças adoravam atravessá-lo, para desafiar o equilíbrio, pois, além do pequeno meio-fio, já despencava para o córrego, uns 2 metros abaixo, talvez 2,50 m. O córrego era rasinho com 10 ou 15 cm de profundidade de água.
Viemos os quatro de volta, cada um com a sua encomenda, rindo muito, gargalhando, falando brincadeiras, gurizotes juntos, sabe como é. Ao passar ali no canal o Reginaldo quis passar na beiradinha, no meio-fio. Quando estava no meio do canal, ao mudar o passo esquerdo, errou o meio-fio e o pé passou direto em direção ao córrego. Baaahh, caaara... ele foi com tudo. Ele desceu, a torta subiu um pouquinho e já desceu atrás dele. Tudo pra dentro do córrego.
Meeeeeu pai...! Uns gritos, uns choros, uns risos e levantou-se o Reginaldo, que deu umas sacudidelas, algumas lamúrias e uma torta a menos. Continuamos para casa, para festa, explicar o ocorrido e dar um tempinho para o povo adaptar o estomago com a comida restante. Felizmente o Anjo da Guarda o protegeu e saiu somente com pequenas escoriações. Coisas que acontecem com quem é vivo.
Sergio Cunha – 11/12/2017
O GRANDE SAPO:
Sapo. Em alemão se diz FROSCH. Em português distinguimos, sapo da rã.
Muitos anos atrás minha avó (Großmutter) e minha mãe mandaram eu e o Nino buscar alguma coisa que precisavam, na casa do tio Júca. Eu tinha 4 ou 5 anos de idade e o Nino tinha 7 anos. O Nino foi um menino (Junge), ainda bebê, que minha avó adotou como filho, portanto, irmão de adotivo de minha mãe e tios(as).
Ele era muito alegre (fröhlich), divertido, saltitante, moleque mesmo. Fomos criados juntos desde que nasci até uns 6 anos e dessa forma, nunca o vi como tio e muito mais como irmão. Mora até hoje na casa da tia Helena. Elas nos mandaram ir e lá fomos. Era um dia de verão (Sommer) e estava já escurecendo. Saímos correndo. Tínhamos de caminhar uns 150 metros até chegar à casa do tio Júca.
Há uns 20 metros da casa (Haus), o Nino que ia disparado na frente, deu um pulo, na rua, e gritou: "Olha o sapo". Meeeu amigo! Aquilo ali foi a gota. Parei instantaneamente, travei e comecei a gritar e chorar. Ele, do outro lado do sapo, me instigava: "Pula! passa correndo pelo lado, vamos seu molenga!" Mas não dava. Eu estava apavorado (erschrocken). Completamente travado.
Na minha insegurança e aos meus olhos (Augen), aquele sapo era do tamanho de um Fusca, um verdadeiro dinossauro. Diante da minha gritaria e choradeira, para me acalmar, só mesmo a presença dos meus tios (Onkel), que atônitos correram para me "salvar".
Lembranças de infância que marcam nossas vidas. Saudades!
Sergio Cunha - 31/12/2017

QUEPE OU BOINA:
Quepe ou Boina em alemão se fala Barett. Quando eu era criança, lá naquele reino que lhes falei, logo que foi possível pentear meus cabelos (Haare), pronuncia-se quase "Rrarre", minha mãe começou a cultivá-los. Meeeu, ela adorava penteá-los e fazer cachinhos. Fazia dois rolinhos em cima e mais outros tantos rolinhos ao redor da cabeça (Kopf). Acho que ela queria fazer meus cabelos "parecidos" aos cabelos do Wolfgang. O Wolfgang Amadeus, aquele que compôs aquelas sinfonias, vocês sabem não é?  . Eu odiava aquilo.

Uma vóz zinha me soprava que aquilo não caía bem pra mim. Mas...mãe é mãe (Mutter) né! Aos meus olhos de hoje, sabe que ficava bonitinho!!! Modéstias a parte, eu era bem lindinho.  Ela me dizia que eu não ficava no chão. Sempre no colo das tias e tios , que moravam na mesma casa ou bem próximos da casa da vovó. Era o neto (Enkel) favorito da família. Bem... era o primogênito. O primeiro neto da minha avó (Grossmutter). O segundo, o Reginaldo, nasceu somente quase um ano e sete meses após. Então...sabe como é!

Mas eu odiava aquele penteado e um dia, tinha uns cinco anos de idade, decidi por fim aquilo que tanto me martirizava. Todos estavam fora, no quintal da casa. Peguei uma tesoura (Schere), fui ao banheiro, coloquei uma cadeira em frente do espelho (Spiegel) e... foi dois créus. Cortei fora os rolinhos.

Depois fui ao guarda roupa e peguei um quepe de soldado que era do meu tio Nande e coloquei na cabeça. Pensei comigo: "Assim, quando a mãe voltar ela nem irá perceber". Mais tarde quando ela voltou do trabalho me perguntou: Porque colocasse esse quepe de soldado? Aah mãe, achei tão bonito esse quepe do tio Nande! Ela falou: Aah, então tá. Vem cá, vamos pro banheiro (Badezimmer) que vou te dar banho!   Hein??? Uuaauu, começou a me subir um calorzão! Quando ela tirou o quepe, vocês imaginam né? Ela chorou!

Aí...fazer o que? Levar ao barbeiro (Friseur) que naquela época era só o que tinha, não existia ainda "cabeleireiro", e acertar o corte. Porém, já nesse ano (1956) estava nascendo minha primeira irmã (Schwester), a Cida, e então era só questão de um tempinho para os cabelos da nova bebê crescerem e a mãe logicamente, colocou em ação todo o seu próprio conhecimento de "cabeleireira". Hoje não sou aquele "arroubo" de beleza, mesmo porque, meu corte de cabelo é bem rasinho. Só que a gente vai conversando...e as ideias vão pipocando. Então penso: "Será que não seria o caso de deixar as "madeixas" crescerem até ficarem iguais ás do Wolfgang? . Pobre mãe! Onde você estiver, beijos.  Te amo! (Ich liebe dich!). Saudades!
Sergio Cunha - 27/01/2018
Foto: Acervo Sergio Cunha
O TAPUME:
A antiga Artex é separada da rua Emilio Tallmann pelo ribeirão Garcia. Em 1956/57, ali onde as águas lambem as terras da empresa, tinha uma barragem no ribeirão, que todos falavam “o tapume da Artex”. Era inclinada uns 30 graus e com uns 3 metros de altura, com a finalidade de represar, facilitando a coleta de agua para a indústria.
Quando fomos morar no Bêco Tallmann, nos meses de verão meu pai ia na barragem a noitinha e andando sobre ela, pegava simplesmente com as mãos, cascudos que se fixavam sobre a superfície de concreto e se alimentavam do limo que nela crescia e também subiam para a parte superior, alcançando o leito mais profundo do ribeirão. E olha que eram cascudões, com 30, 40 centímetros de comprimento. Delícia! Mas como tudo que é bom dura pouco, os cascudos foram diminuindo na mesma proporção que os pescadores foram aumentando.
Na barragem, bem pertinho da fábrica, via-se cardumes de piabinhas saltando para fora da agua, tentando subir a inclinação e chegar a parte superior. Essa era a hora que pescadores lançavam suas tarrafas para pesca-las.
Nos dias mais quentes de verão, principalmente aos sábados, íamos para o tapume tomar banho e brincar nas aguas, que naquela época eram limpas e cristalinas. Juntava-se a vizinhança toda, crianças e adultos, além de pessoas que moravam bem mais afastadas, do bairro da Glória, do bairro Zendron . A altura da água media uns 80 centímetros, talvez 1 metro nos lugares mais profundos. Da beirada do barranco vínhamos correndo e pulávamos na “piscina”.
O Sr. Rolf Zeiler (diga-se: Záila), nosso vizinho, trabalhava como eletricista na Empresa Industrial Garcia e na sua casa, consertava eletrodomésticos, ferros de passar, motores, chuveiros. Aliás, chuveiros daquela época, para abri-los e consertar, tinha que remover uns oitenta parafusos. Ele era um homem bem alto com 1,80 m. a 1,90 m. De pé, dentro do ribeirão, ele ficava com água pela cintura. Nós as crianças ficávamos com agua pelos ombros.
Um de seus filhos era o Mirelo que deveria ter 3 a 4 anos de idade. O Sr. Rolf pegava o menino e arremessava para cima como se arremessa uma perereca. O menino subia e descia no ar, oscilando braços e pernas, submergia na agua e em seguida emergia, soltando agua por todos os orifícios possíveis. Mal dava tempo do guri respirar e já se iniciava outro “arremesso de criança”, repetindo-se isso por 10 a 15 vezes, até o homem cansar-se.
A entrada principal para o Beco Tallmann era feito pela ponte (veja lado direito na foto), que ficava ao lado da Cooperativa da E.I.Garcia. Debaixo da ponte tinha uma grande laje de pedra e várias vezes vimos o Sr. Rolf mergulhar com uma fisga na mão, para fisgar cascudos que se fixavam na laje.
Naqueles dias mais quentes de verão, era comum ver-se jovens pulando do alto do corrimão da ponte nas aguas do ribeirão para banhar-se. Conforme as empresas E.I.Garcia e Artex prosperavam, aumentava também a poluição, chegando ao ponto de, diariamente se ver águas completamente coloridas oriundas das tinturarias das empresas. Com efeito, as pessoas também deixaram de banhar-se nelas.
Essa ponte que ligava a rua Emilio Tallmann com a E.I.Garcia, foi construída em 1961 e demolida em 1982, conforme relatado no Blog do Adalberto Day. Nunca aconteceu acidente grave, pois tanto uns como outros estavam bem treinados. Graças a Deus, estavam todos protegidos pelo Anjo da Guarda.
O Mirelo cresceu e ficou bastante conhecido no bairro. Pegava sua caixa de isopor e saía caminhando pelas ruas vendendo picolés. Conta-se que quando uma criança ou mesmo um adulto lhe falava que não tinha dinheiro naquele momento, ele vendia mesmo em confiança, que podia receber o valor num próximo encontro casual. Todos gostavam muito dele, pois era pessoa de bom caráter, dócil, amigo, comportado, honesto, trabalhador. Recebeu muitas homenagens quando faleceu tragicamente, vítima de atropelamento, na rua Amazonas em 28/10/2017.
Foto: Acervo Adalberto Day (Rua Emílio Tallmann e Tapume da Artex)
Foto: (Mirelo)
Sergio Cunha - 21/02/2018

OS DOCES NATALINOS:
Minha mãe não falava em alemão conosco, filho, filhas e nosso pai. Nem com suas irmãs e irmãos. Mas ela falou com sua mãe e sua avó que era da Alemanha. Lembro que perguntava para ela sobre algumas palavras, tipo, dedo (Finger), nariz (Nase), olhos (Augen), boca (Mund), ouvido (Ohr), e ela respondia tudo, em alemão. Mas como na cidade predominava o idioma português, então, não aprendemos o alemão. Na época de Natal, tradicionalmente ela fazia os saborosos doces natalinos (Weihnachtssüßigkeiten) e a gente gostava de ¨ajudar¨. Na verdade gostávamos mais de beliscar e comer pedacinhos de massa cru. E ela para não perder tanta massa falava: “Não comam massa cru pois isso dá dor de barriga”.
Quando ela cortava a primeira fatia de um pão caseiro, perguntava: Quem vai querer a “crustinha”? . Crustinha? E agora? De onde a mãe tirou essa palavra? Mãe, oh mãe! Porque a senhora falou “crustinha”? Aah, porque ela é a primeira e a ultima fatia do pão. É a casquinha, mais torradinha.
A maioria das crianças evitavam comer porque era mais durinha. Então ela dizia que “quem come a crustinha, fica com as pernas bem mais grossas e fortes”. Recentemente é que descobri que a palavra tem origem no idioma alemão “krusten” e significa crosta, casca.
Um dia a gente estava tomando um cafezinho da tarde com docinhos pintados e também daqueles docinhos de araruta. Eu tinha uns 13/14 anos, minhas irmãs mais novas e dois amiguinhos, vizinhos. Então começamos a perguntar pra mãe, significados de palavras em alemão: Mãe, como se fala passarinho? Ela respondia: Vogel. Como se fala cachorro? Hund. Como se fala gato? Katze. Como se fala porco? Schwein. Como se fala galinha? Huhn. Como se fala boi? Ochse. E outra criança perguntou: Como se fala vaca? Kuh.  Raaapaaaiz, foi um estardalhaço de gargalhadas só . Todos caíram em risadas. Ela disse: Ééé, mas é isso mesmo, só que se escreve com K-U-H e não é o que vocês estão pensando.
Feliz Natal e Prospero Ano Novo a todos. (Frohe Weinachten und Gutes Neue Jahr).
Sergio Cunha - 23/12/2017

5 comentários:

Anônimo disse...

Mei caro Adalberto,
Ao ler este texto acabei viajando no tempo, tempo este que me lembro bem. Beco Tallmann, o tapume e como esquecer a ponte ao lado da cooperativa)meu primeiro trabalho com registro em carteira). Vivíamos nos banhando no tapume, e em toda a extensão do rio as margens da Emílio Tallmann, que aliás na época a rua tinha um espetor, o Sr. Tallmann.Que saudade. Parabéns pelo texto.

Osni disse...

Muito bom. Conheci muito bem o Sérgio
Osni Wilson Melin

Sônia disse...

Sonia Ruth Anton Bauler Simplesmente viagem no túnel do tempo, dando até risadas. E as palavras, tão utilizadas como beco, tapume etc. Como é gostoso as vezes sair da realidade e embarcar no passado. Parabéns. Adorei. Muito obrigado

Yara disse...

Yara Marquetti Realmente são textos que trazem várias lembranças da minha infância

Unknown disse...

Infância cheia de aventuras, hein! Muito legal os textos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...