"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

- Vídeo Férias no Sul

Vídeo  do filme de 1967 - "Férias no Sul" postado no YouTube por  Anthar Cesar Hartmann, comerciário.
Para acessar e ver o filme clique no link:

Caso queira saber mais dados técnicos antes de assistir o vídeo leiam:
COMO SURGIU A IDÉIA DO FILME
Em 1966 o cineasta Reynaldo Paes de Barros resolveu realizar um filme em Blumenau. Ele mesmo elaborou o roteiro, que foi batizado de “FÉRIAS NO SUL”.
O filme conta a história de Celso, um estudante carioca que a convite de um amigo vem passar suas férias em Blumenau. Aqui, conhece duas mulheres: Helga, uma bela alemãzinha de Blumenau e Isa, voluntariosa escritora paulista. Ele se envolve com as duas e a história, contrariando o tradicional final feliz, termina em tragédia ...{...}. 
O ELENCO
Quando chegou a Blumenau, Reynaldo Paes de Barros revelou os nomes do elenco suporte de “Férias no Sul”:
O galã seria um jovem e promissor ator chamado David Cardoso, que ninguém ainda conhecia. David até então havia feito apenas pequenos papéis em filmes de Mazzaropi, mas tinha a vantagem de ser conterrâneo do diretor. Ambos eram de Mato Grosso.
A atriz paulista Elisabeth Hartmann, esta sim bastante conhecida, foi incluída depois no elenco.
Para a mocinha do filme Reynaldo não abriu mão de escolher uma blumenauense. Teria que ser loura, rosto angelical, saber representar. A escolha recaiu em Dagmar Heidrich, miss Blumenau na época (mas nascida em Timbó), que acabou sendo contratada.
Cláudio Viana veio de São Paulo e fez uma ponta no início do filme. O restante do elenco foi todo ele constituído de atores da comunidade blumenauense, gente conhecida, como o temido secretário do Colégio Santo Antônio, Franz Pult, ou pessoas simples, que apareceram apenas em “pontas”.
O quadro principal dos atores era o seguinte:
David Cardoso, Dagmar Heidrich, Cláudio Viana, Elisabeth Hartmann, Sheila Weyckert, Marly Busch, Heinz Talmann, Célia Kolbach e Rute Vieira.
Participaram mais os seguintes integrantes da comunidade blumenauense:
Guenther Deeke, Franz Pult, Walmor Reis, Mara Heidrich, Eliane Pereira, Virginia Ramos, Carmen Krueger, Bernardete Cruz, Deocelia Cunha, Maria H. Pimenta, Maura Souza, Suely Weidgnant, Linda Schwab, Rosa A. Mosimann, Beatriz Schroeder, Gertrude Knihs, Pedro Reis, Hélio Telles e Ingrid Heckelmann.
Estes foram os nomes creditados no elenco, que consta no começo do filme.
A EQUIPE TÉCNICA
Oriundo de uma famosa faculdade de cinema norte americana, Reynaldo queria alçar um vôo alto. Trouxe alguns técnicos que haviam acabado de participar das filmagens de um seriado de Tarzan, estrelado por Ron Ely, que utilizara a Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, como as selvas africanas.
Os eletricistas foram José Vieira, José Dias e Zivoniri Morovie. Maquinista, Artur Leão.
A blumenauense Sheila Weickert, além de atriz, foi assistente de direção e responsável pela continuidade da produção.
Para cuidar da fotografia, Reynado Paes de Barros contratou Jorge Veras, um profissional de respeito, substituído, durante as filmagens, por Edgar Eichhorn, veterano cineasta alemão, radicado no Brasil, que fez muitas chanchadas da Atlântida com o irmão Franz.
Para Secretária das filmagens foi contratada Magrid Heidrich.
A maquiagem esteve a cargo da profissional Nena.
A trilha musical foi composta por Remo Usai, que estava em voga nas principais trilhas dos filmes brasileiros.
Adendo de Carlos Braga Mueller
Para quem talvez não saiba:
No filme "Férias no Sul", do qual fui um "produtor meio-executivo" (por conta da Prefeitura, onde eu trabalhava na época), houve muitas cenas que indignaram a população. Naquele tempo (1966) Vera Fischer ainda não havia escandalizado o bairro da Velha com seus filmes chamados de pornochanchada (de pornô estes filmes não tinham  nada).
Pois bem: em uma cena do aguardado, e depois prestigiado pelos espectadores, "Férias no Sul", uma jovem saía do baile com o David Cardoso (no seu primeiro filme como ator). Cena seguinte, ela sai de trás de um arbusto e arruma a saia... só isso.  A coitada da moça trabalhava em uma loja de calçados, e de tanto ser "cobrada" mudou-se de cidade.
Outra:
O produtor, Geraldo Mohr, casado com uma blumenauense, perguntou se uma das minhas irmãs poderia participar de uma cena. Não precisava falar nada, bastava ficar sentada em uma das mesas da Churrascaria Palmital. Agradeci e recusei o convite pela minha irmã. Quando o filme foi exibido, David Cardoso e o colega entravam no restaurante e olhavam para uma moça sentada sozinha em uma das mesas. E o colega falava para o Davi mais ou menos isso: "Ela é de programa" !!!!
Aliás, na cena final, em que uma motoneta despenca do Morro do Aipim, o Geraldo insistiu em que  eu emprestasse minha Lambreta para as filmagens. Tive que negar. Era meu único bem e ia deslizar morro abaixo. A salvação foi uma motoneta que o Prosdócimo emprestou. O motorista do caminhão que ia subindo o morro e deu de frente com a motoneta, tinha ponto na Praça Hercilio Luz. Pois ficou nos cobrando durante meses um cachê pela atuação ...
Abraços do Braga Mueller (recordando..,. e vivendo)

Mais postagens referentes o Filme  “Férias no Sul”
Participação Carlos Braga Muller jornalista e escritor/Fotos: João Alberto de Napoli/Colaboração Anthar Cesar Hartmann, comerciário que postou no Youtube. 

17 comentários:

Mauro disse...

Bom dia, meu nobre amigo.

Que maravilha, assisti apenas um pedaço agora, mas verei todo o resto a noite. Gostei, irei compartilhar com meus contatos.
Obrigado.
Mauro Bremer

Nilton Sérgio Zuqui disse...

Meu caro Adalberto,
Como sempre falo, isso é cultura, informação, aprendizado.
Eu não sabia que havia sido filmado nesta época em Blumenau, muito bom ver os movimentos desta época, as ruas os automóveis, os comportamentos, muito bom mesmo. Parabéns Pelo belíssimo texto.

Sandra disse...


Minha mãe que hoje tem 84 anos; me disse que lembra de quando vieram filmar em Blumenau este filme. Ela disse que o ator principal era David Cardoso, e no elenco também tinha a atriz Elisabeth Hartmann. Sandra Maria Alves Scottini

Sônia disse...

Adalberto...

Obrigada por este presente !!!
Sônia Regina Papst

Luiz disse...

Muito bom,, assisti algumas partes e é uma volta ao passado, interessante comparar o que era antes e o que se tornou nossa cidade e vale do Itajaí, imperdível.
Luiz Carlos Cantovik

Alaide disse...


Adorei rever esse filme hoje. Foi como entrar no túnel do tempo e rever toda a cidade nos anos 60. Também conheci muitas pessoas que estão no filme. Mas rever Camboriú assim, sair do portão da casa e entrar direto na praia...E a casa da família Peiter na Alameda...É na verdade um documentário sobre Blumenau.
Alaíde Correia

Jan disse...

A casa onde morava minha esposa foi usada para gravar algumas cenas. Ficava na Rua São Paulo, e no filme era a casa da Helga. Hoje a casa não existe mais, e no lugar está o Ed. Puerto Montt...
Jan Charles Gross

Ivo disse...

A casa que serve como hospedagem para o David Cardoso é o castelinho dos meus avós, Fanny e Antônio Reinert. Há varias cenas no decorrer do filme mostrando salas, quartos e outros ambientes, embora a casa que aparece nas cenas externas seja outra.
Ivo Prim

Rute disse...

Valeu ver novamente este filme , vi o mesmo na época no Cine Blumenau, Tinha filas enormes e muitas seções, eu e meu marido fomos no horário de 2 da madruga ,tinha ônibus especial pro horário,gostei de ver Blumenau, antiga .
Rute Schuldt

Renate disse...


Confesso que me decepcionei com o filme, valeram as paisagens e os recantos de Blumenau e valeu para mim a presença da ex-Miss Blumenau, Dagmar Heidrich, no papel de Helga. A mãe dela, Ilse (Jensen) Heidrich era minha querida prima. Moravam na Rua XV, de fronte do Teatro Carlos Gomes. O final do filme é de uma extrema falta de fantasia do autor.
Renate S. Odebrecht

valdir Salvador disse...

Adalbergo, para não passar em branco tenho a te dizer o seguinte sobre este filme foi mais uma malandragem da época para pegar o patrocinio do municipio que nem lembro o Prefeito da epoca, mas o que era David Cardoso na epoca não dizia men desdezia nada,mas deixa assim que fazer eu na realidade sou mais o filme da Xuxa e os trapalhões, que movimentaram a cidade até de deligencia passaram na ra Estrada da Linguiça. abraços Valdir Salvador.

Schneider disse...

ASSISTI TAMBÉM ESSE FILME NO CINE BLUMENAU , FICAVA LOTADO CHEGAVA A INTERROMPER A RUA 15!

N Carlos Schneider

Renate disse...

A atriz principal é Dagmar Heidrich, ex-Miss Blumenau, filha de minha prima Ilse (Jensen) Heidrich. A família morou muito tempo em Timbó, depois em Blumenau, de fronte ao Teatro Carlos Gomes.
Renate S. Odebrecht

Rute disse...

Assisti ao filme na época e senti muito orgulho de ver um filme ter muitas cenas em Blumenau, e agora gostei de ver a Blumenau antiga, saudades da época !!!! Quando fui ver o filme, a fila foi até a rua Amadeu da Luz, e foi na seção das duas da madruga , depois esperamos o ônibus em frente a antiga casa das Louças, em frente do cine Blumenau, hoje a loja Magazine Luise.
Rute Schuldt

Leandro Nunes disse...

Muito legal a indicação Adalberto, compartilhei e vi com parentes, mas como não vivi na época e desconheço se os paraísos naturais ainda existem, tenho curiosidades:

1. Onde fica aquela cachoeira que aparece quando Celso viajou com a Isa para o Rio Grande do Sul?

2. Onde fica aquele rio em que Celso foi com a Helga de Lambreta?

Se alguém souber responder... ficarei muito grato!

Abraços!

Cesar-Blu disse...

Olá Leandro:

1- Gramado, Cascata dos Narciso (no singular mesmo) - ninguém mais vai lá, totalmente poluída e abandonada pelo poder público local.

2- se é lá após 1:08:15, me parece ser lá para os lados do Spitzkopf, Garcia. Não tenho certeza.

Leandro Nunes disse...

Cesar-Blu, muito obrigado pela resposta!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...