"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

sexta-feira, 4 de abril de 2014

- Blumenau e sua gente (II)



Em histórias de nosso cotidiano, apresentamos Flavio Monteiro de Mattos (foto), carioca de nascimento e BLUMENAUENSE POR OPÇÃO", contando um pouco de suas lembranças quando vinha do Rio de Janeiro visitar Blumenau, com sua família.


BLUMENAU E SUA GENTE – UMA PAIXÃO ANTIGA (II)
Dias atrás, foi postado um comentário no indispensável Blog do Adalberto Day sobre uma das minhas colaborações. 
Desta feita, por causa da riqueza de detalhes do comentário, acabamos trocando e-mails e ironicamente, este cronista geograficamente distante se tornou a ponte para restabelecer contatos entre amigos do passado, cujos vínculos acabaram se perdendo por conta da vida adulta que veio a seguir.

Se o fato não bastasse, é também gratificante constatar que ainda não foi desta vez que fui traído pela memória, uma vez que minha leitora Lígia confirma as peripécias aprontadas em várias estadas minhas, na inesquecível Blumenau de tempo idos. 
Em nossa troca de e-mails, afirma a Lígia: “Brincávamos todos juntos, inclusive quando chegava o "primo carioca", muito bonitinho e sapeca. Até sapo ele pegava com as mãos. Recordas disso?”. 
A casa de meus parentes ficava na Alameda Rio Branco, esquina da Rua Paraná, na época ainda de terra e sem saída e o episódio a que ela se refere, acontecia toda vez que caia uma daquelas tempestades de verão tão comuns nessa época do ano em Blumenau, torrenciais embora curtas. Como durante uma fase da minha infância era dado a ter febres ao fim de cada tarde, minha mãe somente permitia meu retorno às brincadeiras quando não houvesse mais água empoçada e descobrimos que o motivo impedia o rápido escoamento eram os inúmeros sapos que se escondiam nos ralos que haviam no jardim. Ora, se os sapos impedem que a água escoe, retiramos os sapos!

Repetimos o procedimento inúmeras vezes, mas os anfíbios, que em grande número habitavam o local, retornavam e voltavam ocupar os antigos esconderijos. Bastavam alguns pingos mais fortes para que se formassem poças, que pareciam oceanos. Para resolver o problema de vez era preciso medidas mais drásticas: retiramos os sapos de seus esconderijos e os levamos para a calçada em frente à casa. Com o calor, os ditos buscavam novos abrigos e assim conseguimos debelar o problema da água empoçada, até a próxima chuvarada.

Outros que perturbavam eram os marimbondos. Faziam ninhos no beiral do telhado e volta e meia, nos atacavam no campinho de futebol improvisado. Um dia, resolvemos acabar com eles e arrumamos uma longa vara, com um pedaço de pano atado à ponta. Tacamos fogo e... Fui ferrado por um maldito vermelhinho, que segundo o Dr. Aberlardo Vianna, que me atendeu no Pronto Socorro, mais uma picada e “tchau”...
Nesta foto, gentilmente encaminhada pela Lígia, estão alguns dos componentes dessa “galera”, que acrescenta : “a fotinho de infância está feinha, mal dá para reconhecer a petizada ... e infelizmente você não está nela.” 

Segue o relato da Lígia:Mas acho que não vais te lembrar  de mim... era vizinha de muro ou cerca (para trás do beco).

Depois da minha casa tinha "um mato" como chamávamos, onde brincávamos muito de Tarzan, pescávamos no rio, fazíamos “cavernas subterrâneas”, um paraíso. Ao lado desse mato, final do beco, ex-rua Paraná e atual Rua Vidal Ramos, ficava aquela casa da qual te recordas, com imenso gramado e muitas árvores, que quando nos mudamos pertencia aos Funke, proprietários de uma rádio do mesmo nome, localizada na Rua 7 de Setembro. Acho que tinham quatro filhos. 
Depois vieram morar ali o Sr. Arthur Moellmann e Sra. Édi, que tinham 2 filhas loirinhas : Júlia e Zélia, mais ou menos da minha idade. Júlia, a mais velha, desenhava muito bem cavalos e elas tinham uma verdadeira mina de gibis no porão (acho que herança do tempo dos Funke). Ainda tenho Fantasma de 1957, Tarzan, Almanaque do Chiquinho, de 1954, etc.
 Cerca da casa de meus parentes e a da Ligia, ao fundo. 
Na frente da nossa tinha uma casa geminada que pertencia à "temida" Frau Scholz, que alugava preferencialmente para famílias dos oficiais do exército e num dos lados moraram durante muitos anos Dr. Plácido, veterinário e pianista, Dª. Percy e seus dois filhos Antônio José e Rogério.Todos falecidos, menos o Rogério.

A seguir vinha a casa que a Frau Scholz habitava, que já dava frente para a Alameda, da qual te recordas. Estava sempre nos vigiando pelas frestas das janelas e quando algum desobediente relutava em atender os chamados, nossas mães somente apontavam para a casa da temida senhora e tudo se aquietava.

Havia a vendinha do outro lado da Alameda, mais à esquerda, na outra esquina, lembras? Não saíamos de lá... dá-lhe picolé, chicletes e balinhas...
Também brincávamos com as carochas enormes que apareciam no verão, à noite, no asfalto da Alameda, cheio de bolhas, devido ao calor. Chegava a ficar com os dedos amarelos de tanto pegá-las para colocar uma caixinha de fósforo pendurada nelas e vê-las carregar. 
Igualmente recordo que colocávamos uma nota de papel na calçada, devia ser de um cruzeiro, e nela amarrávamos um fio de linha quase invisível, que ficávamos segurando por trás da cerca, atrás de um arbusto florido (na casa do Dr. Carvalhinho). Quando as pessoas se abaixavam para pegá-la, puxávamos a nota e morríamos de rir.
No verão andávamos todos de bicicleta e patins nas cercanias, inclusive logo após o jantar, pois eram tempos tranquilos.” 
E eram mesmo. Tempos tranquilos e inesquecíveis. 
Lembro que num desses anos, meu pai nos levou Santiago, cidade onde nasceu, no Rio Grande do Sul. 
Fomos de carro até Porto Alegre e de lá, tomamos um trem até nosso destino. Era verão e fazia um calor abrasador. O trem era movido a carvão e as fagulhas entravam pela janela da cabine e as opções eram mantê-las fechadas, e derretermos no calor ou mantê-las abertas, com o risco de incêndio da roupa de cama. Foram quase 12 horas de viagem até Santiago e quando lá chegamos, total decepção da minha parte. 
Lembro ter comentado com minha mãe que Blumenau era muito mais bonita.
Somente para que não pensem que sou tendencioso ao compará-la com Santiago, as fotos acima retratam a casa onde meu pai nasceu. A da esquerda, mais ou menos nessa época e a da direita, foto batida por ele, nesta viagem, em 1959.
Salvo engano, 37 anos depois, (ano 2014) as únicas melhorias visíveis foram o calçamento da via e um catavento sobre a casa. 
Como imortalizado por Vinícius de Moraes “as feias que me perdoem, mas beleza é fundamental”, inclusive as cidades! 

Texto de Flavio Monteiro de Mattos a partir de lembranças de Maria Lígia Luz Narciso

Fotos acervo de Maria Lígia Luz Narciso e Flavio Monteiro de Mattos

8 comentários:

Nilton Sergio Zuqui disse...

Meu caro Adalberto, como de costume um belíssimo texto, como não viajar nestas fantásticas historias que não devemos mais velas ou até mesmo participar das mesmas , salvo quem viveu esta época que podemos chama-la "Época de ouro". Guardada as devidas proporções, lembram muito nossa infância, porem aqui em nosso bairro. Como fala no texto, brincadeiras sem maldades, sem interesses, puramente inocentes, e saudáveis,parabéns aos Srs.(a)....

Osmar Hinkeldey disse...

Bom dia Adalberto

muito bom o texto do Flavio Monteiro; guardadas algumas singularidades, parece que a nossa infância tem algumas brincadeiras em comum; tempos em que as crianças brincavam verdadeiramente.
abraço

Anônimo disse...

MAIS UM DESTES TEXTOS QUE NOS FAZEM VOLTAR NO TEMPO. TEMPOS BEM DIVERTIDOS. POUCA COISA ERA SEMPRE MUITA COISA,MUITA ALEGRIA. E CADA QUAL EM SUA CIDADE TEM UMA HISTÓRIA PARECIDA. OS DIVERTIMENTOS ERAM OS MESMOS.VALEU MESMO. ABRAÇOS GASPARENSES.
ARLETE TRENTINI DOS SANTOS.

Maria Lígia disse...

Gostaria de parabenizar Adalberto pela excelência do seu blog e sua garra, bem como Flavio que de um papo via mail faz uma crônica. Muito bem bolado !

Maria Júlia Luz Fischer disse...

Também fazia parte desta "turminha"
tão alegre e divertida que tantas
lembranças nos trazem a memória.
Parabéns Flávio por trazer estas
recordações a nossa vida de uma
maneira gostosa de se ler.
Maria Júlia Luz Fischer

Valdir Salvador disse...

Alo amigos, Flavio , Ligia e Adalberto e Familia, e todos os leitores, que bom que felicidade estarmos todos novamente juntos, eu por esta reportagem pouco tenho a dizer, pois nos desta faixa de idade, digo tempos atras e bem passado pois ja estou com os meus Setenta anos bem vivido,escrevi Tetenta que assim muitos não sabem ler e se eu tivesse colocado em numeros (70) muitos iam me gozar que estou velho numeros todos sabem ver, deixa pra la, rapazes eu vou falar pouco so vou dizer que nosso tempo de vida não tinhamos inveja pois todos nos embora em bairro ou cidades diferentes viviamos mas ou menos igual, eramos felizes e não sabiamos. gente um forte abraço a todos. Valdir Salvador

Gii disse...

Paii!! Mais um belo texto, parabéns!!! Enquanto lia imagina as travessuras q vcs aprontavam!! Parabéns de novo!! Te amo! ❤️

Patricia disse...

Pai, texto muito gostoso de se ler... Parabéns!!! queria eu poder ter vivido essas travessuras rsrsrs. Bjsss Patty

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...