"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

quarta-feira, 2 de junho de 2010

- Treinamento de costureiras

A imagem de 1973 mostra a senhora Maria Guerreiro ensinando a costurar no Centro de Treinamento da Artex. Nas décadas de 1970 e 1980 a Artex possuía um moderno centro de treinamento. No local hoje funciona a Casa Brasil. (Foto: Arquivo da família de Maria Guerreiro/Noemir Félix P. Silva e Adalberto Day)
Publicado no Jornal de Santa Catarina – 01/06/2010 coluna ALMANAQUE DO VALE do jornalista Sérgio Antonello
As duas pessoas que aparecem ao fundo da sala de treinamento, que na época se localizava ainda na Empresa Industrial Garcia, são: a (E) Professor Antenor Matilde Leme e a (D) o então Gerente Aires Vicentni.
__________________________________
- Época em que as industrias de Blumenau, investiam pesado na mão de obra qualificada. Isso já ocorria nas Empresas Hering e Garcia nas décadas de 50, 60 do século passado. Ambas possuíam Centro de treinamentos que qualificavam profissionais para o mercado de trabalho.
Complexo Artex e Garcia em 1974 quando da fusão
Parte do complexo onde se localizava: o Ambulatório, Auditórios,Biblioteca, Assistência Social, Recrutamento e Seleção e Centro de Treinamento, em 1973 na Artex
Entrada Acesso ao Centro de Treinamento ,Sala de exposições, palestras, hoje Casa Brasil
Flagrante da sala de audiovisuais, retroprojetores, e integração. Nesta sala durante muitos anos pude fazer a parte de integração de novos empregados, explicando sobre normas e disciplinas da Empresa. Na imagem aparece palestrando Martinho Francisco da Silva.
Arquivo de Adalberto Day

4 comentários:

NOEMIR disse...

BOA TARDE SEU ADALBERTO
SÓ O SR. MESMO PARA NOS TRAZER MOMENTOS DE ALEGRIA.
DOMINGO EU PERDI UMA GRANDE AMIGA, QUE APESAR DA IDADE, 80 ANOS, POSSO AFIRMAR QUE FOI MINHA GRANDE AMIGA. NÃO SEI SE O SR. CONHECEU D. LURDES BELZ, ESPOSA DO SR. HARY BELZ, MORADORES DAQUI DA EMILIO TALLMANN.ELES MORAM NA CASA QUE ERA DO MENINO SANTO.NOS ULTIMOS MESES EU ESTAVA AJUDANDO A CUIDAR DELA QUE ESTAVA LUTANDO CONTRA O CANCER.
EM MEIO A TANTA TRISTEZA , SEMPRE TEM UM ALGUEM PARA FAZER COM QUE NOSSO DIA SEJA UM POUCO MELHOR, MAIS UMA VEZ MUITO OBRIGADA. ESTA VAI TBM PARA VÓ LICA., (D. MARIA)
BEIJOS NO CORAÇÃO.FIQUEM COM DEUS.

Miriam disse...

misume @adalbertoday Lindo resgate. Eram tempos em que trabalhar em uma empresa destas equivalia ao anseio de passar num concurso público, hoje.
Miriam S. Mesquita

hiebert.valter@gmail.com disse...

Boa tarde Adalberto,

na primeira foto me parece que aos fundos aparece o Aires Vicentine, à época instrutor na EIG. Não mercordo do nome do outro instrutor que aparece na esquerda de mesma foto. Na foto da EIG/Artex pode-se ver que as casas que ficavam junto do ribeirão da Rua 12 de Outubro já tinham sido demolidas, restando umas poucas no início da extinta rua.
Sobre o treinamento na EIG me recordo que em fevereiro de 1963 participei de uma turma de 30 menores que foram treinados ao serem admitidos. Estudamos e fomos avaliados sobre o que se fazia em cada setor da fábrica. Tínhamos aulas de esporte ministradas pelo professor Husadel no campo do Amazonas, onde ele incentivava os que tinham alguma potencialidade para continuar praticando atletismo após o período de treinamento. Minha ligação com fiação e tecelagem acabou em pouco tempo, foi em 1965, mas n unca esqueci muitas coisas ensinadas naquele treinamento inicial, nomes como "carda", "massaroqueira","fiandeira", "penteadeira", tear "jacard", o processo da fundição onde se produziam teares, a marcenaria do Sr. Orlando Oliveira, onde se produziam as embalagens, a Sala secreta do Sr. Felipe, onde as chapas dos teares eram perfuradas, o trabalho dos urdidores, onde trabalhava meu amigo Gilberto Oeschler, a sala do Pano, a Tinturaria onde trabalhava o Sr. Hubes, a turma do Escritório Técnico, Central e Trabalhista. O pessoal da saúde, com o Sr. Newton, Drs. Caetano e Dóbis.
Quem entrava sabia a função de cada componenete daquela industria pioneira, das qual as pessoas não se sentiam meros contratados, mas sócios de uma entidades que lhes proporcinava renda, moradia, saúde, esporte, capacitação profissio, bem estar e tudo aquilo que uma sociedade pode e deve oferecer.
Em 1965, somente na EIG, éramos aproximadamente 2.300 funcionários registrados com todos os direitos assegurados.
Em 2010,decorridos 45 anos, somando com a Artex, o número de empregados continua a mesma.

Francisco disse...

Adalberto

Deixaste eu emocionado hoje. O centro de treinamento que aparece com Dona Maria Guerreiro, Professor Matilde Leme e o Sr Aires Vicentini (Gerente) era da empresa Garcia. Eu já trabalhava ali com eles no treinamento de tecelões e encarregados para tecelagem.
Francisco Martinho da Silva

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...