"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

- O Cinema em BLUMENAU – Parte XV

Mais uma participação exclusiva e especial do renomado escritor, jornalista e colunista, Carlos Braga Mueller, que hoje nos relata a programação Impressa, distribuídas nos cinemas de Blumenau, vale a pena a leitura.
PROGRAMAÇÃO IMPRESSA, DISTRIBUIDA NOS CINEMAS DE BLUMENAU.
Hoje em dia se alguém receber na porta do cinema um folder de publicidade, provavelmente vai ler e depois jogar fora.
Antigamente, havia um cuidado especial em se guardar estes papéis, e prova disso foram duas revistas que ficaram na história do cinema em Blumenau.
Uma delas chamava-se “REVISTA DO CINE BLUMENAU”; a outra foi a “REVISTA PROGRESSO”, ambas distribuídas de graça aos freqüentadores do Cine Blumenau (a primeira) e dos Cines Blumenau e Busch (a segunda).
A “Revista do Cine Blumenau” foi editada de 1953 a 1961. Já a “Revista Progresso” surgiu para substituí-la, em 1961, circulando até mais ou menos 1967.
Além dos filmes que seriam exibidos em seguida, as revistas traziam publicidade local. Eram anunciantes as lojas CASA PEITER, HERMES MACEDO S.A., PROSDÓCIMO, CASA WILLY SIEVERT, PONTINHO, SUALIVRARIA (assim mesmo, junto), CIA.MERCANTIL VICTOR PROBST, LOJAS ZADROZNY, para citar as mais tradicionais, além da fábrica do PUDIM MEDEIROS..
A moda de se difundir a programação dos cinemas desta forma vinha dos grandes centros.
Por aquela época os circuitos cinematográficos do Rio e São Paulo distribuíam nos seus cinemas os informativos com as novidades dos filmes que seriam exibidos em seguida.
As mulheres tiravam do guarda-roupa os melhores vestidos; os homens usavam terno e gravata, e assim todos iam aos cinemas, elegantemente vestidos. Em Florianópolis, homem só entrava no Cine São José de gravata. E não adiantava insistir com o porteiro.
Ficaram famosos no Rio os programas impressos dos Cines Metro Passeio, Tijucas e Copacabana, bem como os da rede de cinemas de Luiz Severiano Ribeiro Jr.
A HISTÓRIA DAS DUAS REVISTAS
Segundo o historiador José Ferreira da Silva, no seu trabalho “A Imprensa em Blumenau” (Edição do Governo do Estado de Santa Catarina/1977), foi assim que surgiram a “Revista do Cine Blumenau” e a “Revista Progresso”:
“A direção da principal casa de projeções cinematográficas de Blumenau começou a publicar em janeiro de 1953, uma pequena revista, distribuída gratuitamente aos seus freqüentadores. Tinha, geralmente, 16 páginas, em sua maioria com propaganda das casas comerciais e produtos industriais, uma ou outra curiosidade, problemas de palavras cruzadas e, sobretudo, indicações e resumos dos enredos das próximas apresentações. O formato era de 16x22 cm. Algum tempo depois, tendo a empresa assumido também a direção de outro cinema local, a revista passou a intitular-se “Revista Interna de Publicidade dos Cinemas Blumenau e Busch”, guardando as mesmas características e formato. A redação estava a cargo de Telvio Maestrini, que também era o responsável. Era impressa na Gráfica Tupi. Depois de uma interrupção na publicação, a revista voltou a circular em junho de 1961, com outra denominação: “Revista Progresso”, igualmente para distribuição interna e gratuita nos 2 cinemas citados.”
Ferreira ainda esclarece que era impressa agora na Tipografia Centenário, sem alteração no formato. E queixa-se de que “não consta, entretanto, nome do redator nem do responsável. Apenas figura a indicação de serem diversos os colaboradores, com assuntos transcritos de jornais e revistas”.
Pesquisando estas informações, acabamos encontrando o responsável pela REVISTA PROGRESSO, um amigo de longa data, Sr. Ercy Couto que na época era funcionário da Gráfica e Tipografia Centenário, de propriedade do Sr. Nicolau Elói dos Santos. A Centenário ficava na Rua 15 de Novembro, bem em frente do Cine Blumenau.
Conversando com o Ercy, ficamos sabendo que ele era o “faz tudo” da revista. Ia atrás dos anúncios, fazia a composição tipográfica e até elaborava e criava as “palavras cruzadas”. Os leitores que enviassem as respostas corretas participavam de sorteios de ingressos para os cinemas. Além de a composição ser feita na gráfica, a mão, com tipos móveis, Ercy catava nos cinemas os “clichês” com fotos dos filmes. Tudo pronto entregava os exemplares para serem distribuídos.
Hoje em dia, conseguir um exemplar destas revistas não é fácil. Ercy me emprestou algumas, de onde reproduzimos o material que ilustra este trabalho.
Texto Carlos Braga Mueller/Jornalista e escritor/ Arquivo: Adalberto Day .

2 comentários:

Valdir Appel disse...

Muito bom Braga. Conheci e frequentei os cinemas da rede Luiz Severiano Ribeiro e frequentava principalmente o da Tijuca.Era um templo maravilhoso da setima arte, hoje uma loja de departamento qualquer, em frente a estação de metrô. Ironia: o Metro transformado em metrô.
Adoraria ver e tocar estes folders.
Parabéns a você e ao Beto pelos belos posts.

Laguardia disse...

Off Topic

Ola

Em conjunto com o Blog o Mundo by Thaís, estamos lançando uma campanha de protesto virtual para o período de 07 a 20 de setembro.

Gostaríamos muito de contar com a sua participação e a dos seguidores de seu blog.

Esta é uma campanha de todos os brasileiros patriotas e não de um ou outro blog.

A campanha é de todos nós que queremos um país melhor para nossos filhos e netos.

Detalhes em http://omundobythais.blogspot.com/ ou http://brasillivreedemocrata.blogspot.com/

Divulgue esta idéia.

O Brasil mais do que nunca precisa de você!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...