“A Educação é a base de tudo, e a Cultura a base da Educação”

Seja bem-vindo (a) e faça uma boa pesquisa.

terça-feira, 15 de março de 2022

- "Uma Andorinha"

UMA ANDORINHA QUE HÁ 70 ANOS TRANSPORTAVA  AS PESSOAS ENTRE BLUMENAU, JARAGUÁ DO SUL E JOINVILLE 

 Reminiscências de Carlos Braga Mueller

Douglas Santolin de Oliveira descreve a foto, de 1950: “Meu pai, o de chapéu, com o cobrador Hilário, faziam a linha Schroeder, Jaraguá e Joinville. O nome da empresa era Transportadora Andorinha Ltda. O ônibus está estacionado em frente à casa onde morávamos, no Bracinho, em Schroeder. A empresa (já extinta) era de propriedade dos Baer, de Jaraguá do Sul, com a sede onde hoje é o Posto Marechal (atual Ipiranga).https://almanaqueocp.wordpress.com/ 

Corria o ano de 1950.

Em Jaraguá do Sul havia uma loja, o Bazar Elite, que pertencia aos meus avós paternos, Karl Heirich Müller e Maria Graf Müller.

Eu morava em Blumenau e estudava no Colégio Pedro II. 

Nos anos 1950, um dos ônibus Ford que faziam o trajeto entre Jaraguá do Sul e Blumenau transportando passageiros. À época, uma “longa” viagem por estrada ruim em chão de terra (hoje a SC-108), com parada quase que obrigatória no limite dos municípios de Massaranduba e Blumenau, onde havia um comércio de secos e molhados e que também servia refeições. Um negócio desativado pouco depois da chegada do asfalto, que agilizou a viagem de ida e volta. (Fonte: Antigamente em Jaraguá do Sul/foto postada por Osvaldo Si)  FONTE: https://almanaqueocp.wordpress.com/

Nas férias ia para Jaraguá e era uma verdadeira e alegre maratona percorrer as dependências da loja, onde se encontrava quase tudo, desde material escolar até aviamentos, inclusive livros infantis.

Para visitar meus avós, eu nos meus 12, 13 anos, embarcava em um ônibus que fazia diariamente a linha Blumenau, Jaraguá, Joinville, pertencente à Transportadora Andorinha, da família Baer e que tinha sede na cidade de Jaraguá do Sul.

Tudo isso me veio à lembrança quando tomei conhecimento de que está sendo recuperada pela Prefeitura de Blumenau a antiga estrada colonial que liga a Vila Itoupava com o município de Jaraguá, passando pela Itoupava Rega. 

Desde então, e até agora, é bem verdade que a tradicional ligação com os jaraguaenses é feita passando por Pomerode, acessando a partir dali, a Serra de Jaraguá.

E é no alto da serra que desemboca a antiga estrada colonial que vem da Itoupava Rega.

Pois bem, a Andorinha, nos anos 50 do século passado, fazia dois trajetos ligando Blumenau a Joinville, passando por Jaraguá.

Um desses trajetos era feito por Pomerode; o outro pela Itoupava Rega. 

Ambas eram estradas de barro, tornando a viagem demorada; tanto assim que o ônibus que seguia via Pomerode parava nesse município num bar/salão situado ao lado do Zoológico, para que os passageiros pudessem fazer um lanche. O tempo passou mas nunca me esqueci do saboroso sanduíche de queijo e mortadela que era servido no local.

Já o trajeto que passava pela Itoupava Rega também reclamava uma parada, e então os passageiros conheciam a casa de comércio de secos e molhados da família Zimdars, que também servia refeições. Um casarão estilo colonial que chamava a atenção pela sua imponência, qual castelo iluminando um território pouco habitado, onde todas as casas eram de agricultores ou criadores de gado.

As recordações também me trazem à lembrança o ônibus da marca Ford da Transportadora Andorinha, que era conduzido sempre pelo mesmo motorista. O ônibus saía de Blumenau bem cedo e a tarde retornava.

Ao relatar estas viagens parece que estou percorrendo de novo aquelas antigas estradas de macadame onde imperava a poeira, nos dias quentes, ou a lama quando chovia, testemunhas de tantas histórias, a maioria delas esquecida, infelizmente.

Carlos Braga Mueller/Jornalista e escritor e memorialista em Blumenau 

5 comentários:

Leal disse...

Recebi e agradeço.

Parabéns, ao Carlos Braga Mueller.

JJLeal

Theodor disse...

Oi Adalberto !!

Olha que bela narrativa e lembrança saudosista do Carlos Braga Müller !
Não conhecia esta pequena empresa rodoviária !!

No fundo haviam uma série de empresas explorando diferentes rotas e destinos até quase tudo se tornar Catarinense !!

Legal amigo !! E como vocês estão ?!

Grande abraço,
Theodor.

Wieland Lickfeld disse...

Uma excelente tarde aos amigos Adalberto e Braga Mueller! Não devo ter viajado com a Andorinha, mas sou muito grato a vocês porque o nostálgico relato me fez recordar de viagens parecidas em minha infância. Nas décadas de 1960 e 1970 íamos com nosso pai a Pomerode com a Volkmann, e a estrada para lá ainda era de terra. O destino era a casa de um tio, irmão do meu pai, em Testo Alto, nos pés do Morro do Schmidt. Ao Alto Vale viajávamos com a Rex. A ligação de Rio do Sul com Agrolândia, passando por Agronômica e Trombudo Central ainda era de terra e a rota era atendida pelo Expresso Trombudense. Nesta época estavam trabalhando no asfaltamento da BR-470 acima de Rio do Sul. Lá visitávamos uma tia, irmã da minha mãe. Que lembranças maravilhosas me vêm à mente, graças à postagem de vocês. Muito obrigado e um grande abraço!

Zuqui disse...

Meu caro Adalberto!!

Que linda história, resgata exatamente o que viviam estes guerreiros que com o tempo construíram estás novas estradas, sendo como pagadores de impostos ou idealizadores. Todavia, a importância de sempre divulgar e extremamente importante para nova geração entender as dificuldades da época (embora eu não tenha vivido e ou passado por lá nesta ocasião). Parabéns por mais uma linda história.

Sueli Petry disse...

PARABÉNS texto muito bom.. esta mossa Blumenau com suas historias!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...