"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

- Pensando Nele

                            PENSANDO NELE
(Para meu bisavô Katzwinkel, que veio no século XIX de Kaunas, Lituânia, e para minha prima Ivone Narloch, nascida Katzwinkel).

Por Urda Alice Klueger 


                                   Se procurar nos velhos documentos da família vou encontrar, mas a verdade é que não sei de cor sequer o seu nome. Minha avó, que estava prestes a fazer 7 anos quando chegou aqui, casou-se com 26 por volta de 1908 ou 1909 – o que significa que eles vieram mais ou menos no ano de 1889... No tempo em que convivi com ela ouvi-a falar muitas vezes nele, mas ela dizia “Meu pai”, e então nunca soube o nome dele, mas ele é muito forte na minha vida.
                                   Estou na madrugada de Natal e penso nele, como pensei tanto hoje, e nos últimos dias, e nos últimos anos, pois quando era mais jovem não chegava a me aprofundar neste assunto. Esta é uma época em que ele fica mais forte dentro de mim, pois fez uma coisa, no seu primeiro Natal no Brasil, que só gente muito especial teria feito: para não deixar passar em branco o Natal das suas crianças, andou 30 quilômetros a pé de ida e 30 quilômetros de volta para, na manhã do dia festivo, suas crianças terem a surpresa de UM docinho de Natal cada uma, escondido sob o prato emborcado na mesa rústica de uma cabana de imigrante dentro da floresta ainda praticamente virgem.
                                   Quem era ele, como era? Penso no meu pai, nos meus tios – o que teriam herdado dele? Penso em mim: a oitava parte da minha genética vem dele, e fico a lembrar como o meu pai era em relação ao Natal, data mágica e sagrada dentro da magia, fazendo tudo o que estivesse ao seu alcance para que cada Natal fosse um sucesso dentro de cada um de nós. Penso em mim e em toda esta curtição do Natal que possuo decerto porque herdei, e que faz com que eu faça todos os ritos, todas as comidas, enfeite a casa, mesmo que seja para comemorar a data apenas com os meus animaizinhos, como já fiz algumas vezes, como fiz hoje.
                                   Com meus cachorros empanturrados de peru saí para a noite, para a beira do mar desta enseada aonde vivo, e me sentei um pouco na beira daquela água que fica magnífica assim de noite, com os diversos pontos de luzes no seu entorno, tanto cá pelo continente quando mais lá longe, na ilha... Fiquei admirando a beleza daquilo tudo e pensando nele, naquele meu bisavô que me passou esta curtição do Natal, e me indaguei coisas: será que algum dia ele pensou que a sua filha teria um filho que teria uma filha, isto é, eu, que em pleno século XXI estaria na beirada do mar a pensar nele e a querer saber mais sobre aquele homem quase estranho mas que vivia tão fortemente nela? Imagino que ele fosse um jovem quando atravessou o grande mar-oceano num navio à vela que saiu de Hamburgo, navegou até Lisboa e depois ficou três meses vendo só “céu e mar”, conforme minha avó Emma Katzwinkel Klueger contava tantas vezes, pois quando se aventurou assim sua criança mais velha ainda não completara sete anos... Imagino que depois daquela travessia é provável que nunca mais tenha visto o mar...
O que pensava ele, o que sonhava? A luta pela vida era difícil e perigosa, então – dentre outras coisas, com sua família, estava dentre o fogo cruzado do genocídio Xokleng que acontecia no Vale do Itajaí, coisa tão criminosa e abjeta que foi parar num julgamento na Corte de Haia, na Holanda – a situação era difícil e imagino que sonhava, sobretudo, com segurança, com muita comida para suas crianças, com uma casa mais confortável do que sua cabana de palmitos... É provável que muita gente tenha esquecido dele, depois da luta que foi sua vida, mas agora ele está tão vivo e tão forte aqui dentro de mim! 


Frei João Maria

                                   Então fiquei lá na praia, nesta noite, olhando no entorno e pensando nele, e estar ali, com aquela água linda e aqueles colares de luzes me dava a sensação de estar dentro de um presépio, daqueles que o Frei João Maria o.f.m. fazia na igreja de Nossa Senhora da Glória, na Garcia, em Blumenau, quando eu era pequena, e então ficou mais forte a sensação de que ele estava ali comigo, quiçá em mim, pois se vim dele...
                                   Só queria contar que tenho pensado muito nele, naquele meu bisavô Katzwinkel que um dia veio lá do Mar  Báltico, da cidade de Kaunas, na Lituânia. Como ele é forte em mim!
                                   Enseada de Brito, 25 de Dezembro de 2016.

                                   Urda Alice Klueger

                                   Escritora, historiadora e doutora em Geografia.   

9 comentários:

E. disse...

Acredito que seriam Johann Katzwinkel e Marianne Katzwinkel os pais de sua avó, citada no artigo.
Abraço!

Urda disse...

Oi, Adalberto, que coisa linda, que coisa linda!!! Saudades do Frei João Maria!!! Será que tu não pedias para a Dalva compartilhar no meu facebook? É que não sei passar daqui para lá...
Obrigadão!
Urda.

Urda disse...

Que lindo!! Sim, uma velha prima Katzwinkel que esteve aqui depois do Natal já havia me informado exatamente isso!
Abração,
Urda.

Nillton Sergio Zuqui disse...

Meu caro Adalberto,
Sem dúvidas que a saudade não tem idade, pois se fizermos contas deste relato em questão chegaremos aos três dígitos com facilidade. Adimirador destas histórias fico me perguntando, porque tão poucas lembranças temos de tempos outros? Certamente por não termos na época tempo pra diálogos, e muito pouco se escrevia ou até mesmo se registrava. Muito lindo o relato, parabéns.

Valdir disse...

Alo minha jovem Urda, muito bonita tuas lembranças e como deves ser feliz por poder pensar em teus entes queridos ,pois as famílias existia vários de educação, os pobres e os ricos de bons Colégios, e as famílias conversavam mais com seus filhos eu por exemplo nunca ouvi falar em meus antepassados só até os avos paterno e materno, nem sequer sei seus nomes, não sei nem as nacionalidades deles se são Portugueses ou Espanhol mas fico com os dois e vivo feliz . . Abraços
Valdir Salvador

Juliano Carvalho Bueno disse...

Vivendo e aprendendo...Só leitura boa. Bom dia Adalberto!!!

sergio luiz buchmann disse...

Boa tarde Professor Adalberto e Urda Alice Klueger escritora de tão brilhante texto. Ele bisavô Katzwinkel,um desbravador herói entgre tantos que muitos de nós temos em nossas lembranças. Ele 1 Homem digno e de caráter que nem ao passar o séculos ainda é lembrado por seus magníficos feitos, principalmente por ser um humano que nunca esquecia dos seus,sempre pensando o melhor. Fico a Imaginar naquela época Ele bisavô Katzwinkel fazer a a caminha longa de ida e volta num total de 60 km pensando nos seus e numa Data tão significativa. É meu queridos Professor Adalberto e Urda Alice Klueger o mundo esta precisando de muitos bisavô Katzwinkel,e pensar nos outros,e não só no ser e ter. Grande abraço!!!

Marilda disse...

Adalberto Day... Lembro me quanto me ajudou num trabalho de pesquisa sobre a primeira usina hidrelétrica de SC... Sua disponibilidade, seu empenho sem interesse, apenas doação... Contribuiu e muito com seu conhecimento na conclusão de um trabalho de pós graduação. Vou sempre me recordar com carinho... Obrigada!!
Marilda Spengler/ Gaspar - Professora de História

Ana disse...

Delicioso de ler! Tô me batendo pra tentar achar um poema que escrevi sobre esse tema dos antepassados.
Ana Maria Bacca

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...