"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

- Jorge Dória

Apresentamos mais um texto de Flavio Monteiro de Mattos
Carioca de nascimento e BLUMENAUENSE POR OPÇÃO". Nos relatando sobre Jorge Dória.

O Último Ato de Um Grande Ator
Com a morte de Jorge Dória (12/12/1920 - 06/11/2013), o plantel de comediantes e humoristas brasileiros torna-se cada vez mais árido e suscetível que se descubram “talentos” tão risíveis que, comparados ao quilate da turma a qual o Jorge fez parte, não encontrariam oportunidades sequer para uma réles figuração.
Foto 1959: Anthero Frota de Mattos e Nagel Mello
Meu pai foi amigo do Jorge desde a época em que usava Pires Ferreira, seu sobrenome de batismo. Conheceram-se no Colégio Militar do Rio e por conta respectivos dotes artísticos, precoces e incomuns, se tornaram amigos de várias estrepolias e a mais “espetacular” protagonizada pela dupla foi a fuga do serviço, em pleno carnaval, dentro do caminhão que fornecia carnes e outros víveres. Segundo meu pai, esgueiraram-se para dentro do veículo, que rodou por algumas horas e quando finamente parou, e as portas da “liberdade” se abriram... Estavam no pátio do quartel do Exército, em Deodoro, que culminou com o convite para que se retirassem da instituição.
Quis a vida que os dois novamente e já adultos se reencontrassem e novamente sob os auspícios de um órgão federal chamado, na época, de Caixa de Amortização, que veio a ser o precursor do Banco Central. Além do Jorge (ainda Pires Ferreira), a Caixa era o porto seguro onde ancoravam projetos de futuros astros como meu próprio pai (primeiro seresteiro do Oswaldo Sargentelli do programa “Viva Meu Samba”, na rádio Mundial AM), Miltinho, (cantor, que ainda está vivo), Pato Preto (comediante, trabalhou na antiga TV Tupi, no programa Clube do Guri - http://pt.wikipedia.org/wiki/Clube_do_Guri).
Foto divulgação.
Nessa época, o Jorge Dória já caminhava rumos aos palcos, tendo feito alguns papéis em peças teatrais. Relatava meu pai que quando o Jorge colocava o paletó no encosto da cadeira e dizia que ia comprar cigarro, era a senha que estava ensaiando e não tinha hora para voltar.
Lá por volta de 1961 ou 62, não tenho certeza, o Jorge já Dória apareceu lá em casa, por volta da hora do jantar, animadíssimo porque fora confirmado no filme O Assalto ao Trem Pagador
Foto divulgação.
(http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Assalto_ao_Trem_Pagador), no qual faria o delegado encarregado de prender o bandido Tião Medonho. Além de querer partilhar a boa notícia, queria a ajuda do meu pai para compor a caracterização do personagem que fugisse ao estereótipo do delegado de polícia da época que, segundo ele, era obrigatoriamente magro, de cabelos pretos e bigodinhos finos. Meu pai, frequentador e fã de Blumenau, sugeriu-lhe que incorporasse um delegado da cidade, que conheceu através do cronista Nagel Mello e o Jorge Dória gostou tanto da sugestão que levou para as telas um delegado alto, louro e sem os bigodes que tanto execrava.
Ainda sobre o filme, durante a gravação foram inúmeras as vezes que o Jorge Dória surgiu lá em casa e nestas ocasiões trazia debaixo do braço os diálogos, distribuindo-os para meu pai, minha mãe e às vezes para mim, para que os ajudasse a decorar suas falas.
O sucesso do filme foi estrondoso e o Jorge Dória chegou a programar uma ida à Blumenau conosco, mas nunca aconteceu, já que se tornou merecidamente famoso.
Foto divulgação: Jorge Dória
Em 1974, estrelou a primeira versão tupiniquim da Gaiola das Loucas, talvez o seu maior sucesso no teatro. Perto do fim da temporada fui assisti-lo e meu pai sugeriu que o procurasse. Cheguei ao teatro mais cedo e pedi que o chamassem, mas temia que não se lembrasse de mim, como de fato aconteceu. Somente quando foi informado que o filho do Anthero o procurava é que apareceu e do hall do teatro, vestindo camiseta regata, cuecas samba canção, meias e sapatos sociais, perguntou, com seu jeito gaiato: - Por que não disse que é o Antherinho?
Engrenando na TV tornou-se o primeiro Lineu da Grande Família. Passamos a vê-lo nos programas de televisão, mas volta e meia meu pai comentava que tinham se encontrado.
Ainda nos encontramos por algumas vezes. Uma delas foi na fila do caixa de um supermercado, em Ipanema, e ao lhe apresentar minha filha Patrícia, achou-a muito parecida com minha mãe. A última foi no aeroporto Santos Dumont. Eu embarcava para São Paulo o dono da empresa para qual trabalhava e o Jorge Dória aguardava alguém vindo da mesma cidade. Quando me aproximei dele, foi logo dizendo que eu estava a cara do Antherinho (!) e meu deu dois beijos.
Tenho certeza que a partir de hoje, as noites celestiais serão muito mais animadas e divertidas.
Obrigado, Jorge Dória. Vamos sentir sua falta!
 Arquivo divulgação.

5 comentários:

Urda disse...

Que surpresa, Adalberto, encontrar aqui um amigo pessoal de Jorge Dória! Ele entrou na minha vida um pouco mais tarde, através do Lineu da Grande Família, em pleno período traumático da Ditadura, fazendo todos nós rirmos de uma classe média que ainda não mudou nada (talvez piorou!). Lembro de episódios inteiros da Grande Família de então tanto ela me marcou!
Deixo aqui, consignadas, as saudades, desde já, desse grande ator.
Urda Alice Klueger

VÂNGELA =) disse...

Bom humorista todos nós sabemos! Mas que humildade hein?! Bela história! Vai deixar saudades e boas lembranças.

Osmar Hinkeldey disse...

Bom dia

Bela reportagem.
Considero Jorge Dória um grande ator. Lamentamos o seu passamento e a falta que haverá na TV e no teatro.
abraço

Gervásio Tessaleno Luz disse...

gervasiotessaleno@hotmail.com

Gervásio disse...

Caro Adalberto: Realmente, postei um comentário sobre a crônica do Dória, que infelizmente foi pro beleléu. Vou repeti-la na esperança de que o Flávio a receba:
"Minhas irmãs, Júlia e Lígia, me mandaram tuas crônicas. Li até agora a do Jorge Dória. Gostava dele de carteirinha. Assisti ao Assalto ao trem pagador e desconfio ter conhecido o tal delegado loiro de Blumenau, no qual ele se inspirou para o papel no filme do Reginaldo Farias. Também o vi vivendo o Renato em A gaiola das loucas, ao lado do Carvalhinho, no Teatro Álvaro de Carvalho, em Floripa. Só desconhecia sua participação na Grande Família. Lineu só conheço a performance do Nanini.
Vivi no Rio de Janeiro, tua terra, no início dos anos 60. Bossa Nova e outras bossas. Ao pisar nas areias de Copacabana e Ipanema, virei carioca de pronto. Afinal "ser carioca é um estado de espírito". Atribuem a frase ao Vinícius, Millôr e Nelson Rodrigues. Não importa o autor. Ela é de uma verdade verdadeira.
Soube pelas manas, mais Carminha Vianna, que pousavas na Alameda Rio Branco, tempo de férias. Lamento não me recordar de ti.
Completo este ano 50 anos de jornalismo. O meu gênero (acho que o domino)
é a crônica, doce crônica (título do meu segundo livro). Aposentei-me como professor de Português, mas a caninha de todo santo dia é escrever.
Vou devorar os outros escritos teus e comentá-los sob a santa proteção do Adalberto Day. Toma um abraço, como diria o meu cronista preferido e inspirador Antônio Maria, compositor também de primeira água. Gerva, aquele que nem sempre enerva.
Gervásio Tessaleno Luz

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...