"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

terça-feira, 8 de outubro de 2013

- David Hiebert, o "RUSSO"

Em histórias de nosso cotidiano apresentamos a vida de DAVID HIEBERT, O “RUSSO” DO BAIRRO DO GARCIA.
Texto Walter Hiebert
DAVID HIEBERT, O “RUSSO” Foto por volta de 1940 DO BAIRRO DO GARCIA.
Ele nasceu em 08.10.1918 em Pascha-Tschokmak, Crimeia, no então Império Russo, hoje uma região que faz parte da Ucrânia. Faleceu em 20 de agosto de 1970 em Blumenau.    A Crimeia é aquele pingente que fica na parte superior do Mar Negro. A sua família era membro de uma religião evangélica denominada Menonitas, iniciada por um padre católico chamado Menno Simon, nascido em Witmarsun, Holanda, antes de 1500. Ele foi contemporâneo de Martim Lutero.
Em novembro de 1929 eram aproximadamente 13.000 menonitas que estavam nos subúrbios de Moscou tentando a emigração da então União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), o “paraíso comunista”, pois tinha sido proibido que tivessem uma religião, além dos confiscos, roubos, prisões e assassinatos que foram vitimas as suas famílias. Queriam sair, não importava o destino.  Um deles era um menino de 11 anos, ele seria depois conhecido como o Russo do Garcia.
Daqueles 13.000 menonitas somente 3.885 conseguiram visto de saída e abrigo temporário na Alemanha, nos campos para refugiados de Möln, Prenzlau e Hamerstein. Entre eles estava a viúva Agatha Hiebert, nascida Böse, com seus quatro filhos menores. Um deles era o David Hiebert, o que viria a ser o “Russo” do Garcia. Ele tinha então 11 anos.
A família da Agatha primeiro ficou alguns dias em Hamerstein e depois em Möln até meados de 1930.
Dos 3.885 menonitas que saíram da URSS, apenas 1.200 vieram para o Brasil em 1930.
As primeiras 33 famílias desses menonitas saíram de Hamburgo em 16.01.1930 no Navio Monte Oliva tendo como destino o Rio e Janeiro. Da então capital federal pegaram outro navio até São Francisco – SC. Daquele porto até Jaraguá do Sul faziam o percurso de trem. Daquela cidade até Blumenau viajaram de ônibus. No trecho até Hamônia (hoje Ibirama) viajaram de trem.
De Hamônia até "Neu Breslau" (hoje Presidente Getúlio) o transporte foi a carroça para a bagagem, crianças e idosos, os adultos fizeram o percurso a pé.
A viúva Agatha Hiebert, mãe do menino então com 11 anos e que viria a ser conhecido por “Russo”, fez um percurso um pouco diferente com seus quatro filhos menores.
Eles embarcaram em Bremen no navio “Sierra Ventana” numa viagem que durou 18 dias até o Rio de Janeiro, tendo feito escalas em Lisboa e Ilha da Madeira.
No Rio de Janeiro ficaram retidos por dois meses na Ilha das Flores, pois naquele dias ocorria a revolução de 1930 de Getúlio Vargas.
Terminada a revolução embarcaram no navio Aspirante Nascimento que os levou até Itajaí – SC.
De Itajaí até Itoupava Seca viajamos pelo rio acima em diversas chalupas engatadas atrás dum vapor. De Itoupava Seca até Hamonia de trem. De Hamonia ao nosso destino que era a serra Stolz Plateau nos levaram de carroças. Lá na serra ficamos a primeiro tempo numas barracas improvisadas e construídas para abrigar de 10 a 20 famílias.” (Texto redigido por Jakob Hiebert, irmão do Russo em 25.08.1974, cujo original está preservado.)
Os menonitas fundaram as colônias de Witmarsum, Waldheim e Gnadental na região denominada Krauel (o nome do Consul Geral da Alemanha no Brasil à época). Por último criaram uma vila na serra denominada "Stolz Plateau".
Os últimos menonitas chegaram na região em junho de 1934, eram 34 famílias que fugiram da Rússia para a China e de lá para o Brasil. A China foi somente uma rota de fuga para menonitas que se espalharam pelo mundo. Nas tentativas de fugas muitos menonitas foram capturados e assassinados pelos comunistas da URSS.
Desde o início da colonização na região do rio Krauel vários Menonitas se mudaram para cidades do Vale do Itajaí e outras da região sul do Brasil, tais como Curitiba, Palmeira e Bagé.
Em 1950, depois de 20 anos de muita luta e sacrifícios, os últimos Menonitas também abandonaram o "Krauel", deixando investimentos que até hoje existem, como, por exemplo, a sede da Prefeitura de Witmarsun, que era o antigo hospital dos menonitas, e várias escolas, sendo que um delas foi transformado em museu da imigração.
Existem cemitérios dos menonitas na região, com a identificação dos menonitas que faleceram no período 1930/50.
Depois de trabalhar na floresta virgem por alguns anos e ainda adolescente, o Russo do Garcia foi trabalhar na Haco da Vila Itoupava, depois foi tentar a sorte em Curitiba, onde trabalhou de jardineiro e padeiro, a seguir conseguiu emprego em Brusque, onde trabalhou na Carlos Renaux, para finalmente se fixar no Garcia, onde trabalhou na Empresa Industrial Garcia (EIG) até se aposentar em 1969.
EIG - Empresa Industrial Garcia
Paralelamente ao ofício de tecelão na EIG ele fez o Curso de Rádio Técnico por correspondência na National School, de Los Angeles, Califórnia, USA.
Começou o curso em 19.08.1949 e terminou em 15.05.1951, tendo pago US$ 150,00 pelo mesmo.
Rua 12 de Outubro
Sr. "Russo" e filho Adolfo em sua bancada na oficina na Rua 12 de Outubro,111 bairro da Glória.
Em 1970, Sr. Russo na oficina da casa na rua Ipiranga, 81. Neste mesmo ano faleceu no dia 20 de agosto de 1970.
Tais conhecimentos permitiram que abrisse uma oficina de consertos de rádios em sua própria residência, na então existente Rua 12 de outubro, nº 111, era a primeira rua a esquerda na rua da Glória. Essa atividade o tornou muito conhecido na região. Poucos sabiam o seu nome, todos o chamavam de Russo.
Seu expediente diário era das 5 até 13,30 horas na EIG e das 14,30 até 22 horas em sua oficina. Seus ajudantes na oficina eram as filhas e filhos.
Os consertos oferecidos não eram somente de rádios, mas também de gramofones (aqueles com manivela), radiolas, gravadores de fita (rolos enormes), relógios de pulso, despertadores, enceradeiras, e, na fase final de suas atividades, também televisores.
Oferecia também em sua casa a recarga de baterias, muito usadas por aqueles que residiam na Rua Progresso depois do cemitério, pois a partir daquele ponto não existia o fornecimento de energia elétrica.
Mas em 1962 uma nova atividade comercial mudou o foco de seu trabalho, era o surgimento de uma novidade tecnológica, era o tempo do rádio portátil.
Ele comprava lotes desses rádios em São Paulo e os revendia em Blumenau. As marcas mais comuns eram Sharp, Mitsubishi, Spica, Crown, Standard, National, Wilco e Holiday. O mais vendido era a marca Sharp. Ele era o único vendedor da grande novidade no Garcia.
Em julho de 1964 um rádio Sharp custava Cr$ 45.000,00, um Mitsubishi Cr$ 40.000,00 e um Crown Cr$ 34.000,00..
Um de seus clientes foi o Sr. Dieter Altemburg, que em 05.09.1963 comprou um rádio Sharp por Cr$ 31.000,00, tendo dado Cr$ 10.000,00 de entrada e o saldo em 3 (três) prestações de  R$ 7.000,00.
Alguns de seus clientes foram:
- Nazário Moritz, comprou um Sharp em 11.12.1962;
- Walter Schulz, comprou um Sharp em 26.01.1963;
- Nilton Aguiar, comprou um Sharp em 09.03.1963;
- Oswaldo Scheifer, comprou um Sharp em 27.03.1963;
- Orlando Oliveira, comprou um Sharp em 21.04.1963;
- Francisco Oliveira, comprou um Mitsubishi em 12.02.1963;
- Anselmo Oeschler, comprou um Mitsubishi em 12.02.1963;
- Onildo Oliveira, comprou um Mitsubishi em 22.04.1964;
- Silvio Oliveira, comprou um Sharp em 24.04.1964;
- Alfredo Iten, comprou um Mitsubichi em 22.04.1964;
- Irineu Moritz, comprou um Sharp em 05.05.1964;
- Hipólito da Silva, comprou um Wilco em 09.05.1964;
- Osmar Felski, comprou um Wilco em 14.12.1964;
- Rolf Elke, comprou um National em 03.02.1965;
- Nelson Salles de Oliveira Oliveira, comprou um National em 11.03.1965;
- Flávio Moritz, comprou um Sharp em 10.03.1965;
- Albrecht Papst, comprou um Crown em 06.12.1965;
- Nicolao Day, comprou um Sharp em 10.06.1966.
Além dos serviços em sua oficina, o Russo também fazia propaganda móvel com seu furgão Chevrolet 1950, tanto divulgando as festa da região, os bailes, as domingueiras, bem como propaganda comercial de lojas e campanhas políticas.
A partir de 1969 esses serviços passaram ser realizados com  seu Opala “0” Km amarelo, um dos primeiros de Blumenau. O revendedor da GM o procurou e pediu para que não fizesse tal tipo de trabalho com seu automóvel, pois isso prejudicaria a imagem do lançamento da GM na cidade.  Dada a insensatez do pedido o mesmo não foi atendido.   
Salão onde eram exibidos os filmes pelo Sr. Russo e filhos
A imagem é de 31 de outubro de 1961 - Enxurrada que destruiu todo salão e estádio do Amazonas
Observação:
Nessa tragédia ocorrida no dia 31 de outubro de 1961, tivemos o caso do Soldado Moacir Pinheiro (morador da rua Almirante Saldanha da Gama, bairro Glória)  que acabou caindo próximo a  passarela (pinguela) após tentar atravessa-la, devido a forte correnteza, da hoje rua Hermanan Huscher (Valparaiso) cujo nível da rua era inferior ao da pinguela. Era água pelo joelho, mas ele caiu e foi arrastado para uma cerca de arame próxima onde ficou preso junto ao entulho e veio a óbito para a atual rua que empresta seu nome, ( Rua Soldado Moacir Pinheiro) no bairro Garcia em sua homenagem.. 
Outro fato foi uma tentativa feita por um morador da rua Emilio Tallmann, de salvar três crianças que vinham pelo ribeirão abaixo nos destroços da casa em que moravam. Este senhor foi HELMUTH LEYENDECKER que se atirou nas águas barrentas e com muita correnteza. Seu ato de heroísmo não foi suficiente pra salvar as três crianças, pois a ponte com estrutura muita baixa não permitiu, elas foram encontradas mortas no estádio do Amazonas Esporte Clube de propriedade da E.I. Garcia.
Colaboração Valter Hiebert/Marcos Salles Leyendecker 
Era o Russo que por muitos anos passou os filmes no salão do Amazonas, evento que ocorria semanalmente e atraia centenas de pessoas, especialmente as crianças.
Em decorrência de seus conhecimentos em eletrônica passou a prestar tais serviços também na EIG, onde também trabalhou no laboratório da fiação e finalmente na portaria.
Da esquerda pra a direita: Valter (falecido em 20/06/2016), Carlos, Anna Klassen Hiebert (nossa mãe falecida em 1973), Adolfo, David Hiebert (falecido em 1970), Irene Hiebert Kertischka (falecida em 2007), e Rosita Hiebert, falecida em 1961.
Casamento e proles:
Ele foi casado com Anna Klassen, também nascida na Ucraína, mas em outra região. Tiveram sete filhos, os primeiros 5 (cinco) nasceram na sua casa em parto realizado pela Schwester Martha, os dois últimos nasceram em maternidades de Blumenau.
Sua primeira filha era Rosita Hiebert, nasceu em 1942, trabalhava na EIG quando faleceu com 19 anos.
A segunda filha era Irene Hiebert, nascida em 1943, que casou com Harry Kertischka, também trabalhou na EIG, teve os filhos Andréia, Simone e Ricardo. Ela faleceu em 2007 em Blumenau.
O terceiro filho foi Valter Hiebert, nasceu em 1946 e falecido em 20 de junho de 2016, trabalhou na EIG de 1962 até 1965, depois foi Sargento do Exército até 1977, a seguir trabalhou no Banco Central do Brasil em Brasília de 1977 até 1994, aonde chegou a Consultor Chefe, na seqüência, em 1994, foi assessor do Ministro da SEPLAN, em 1995 foi nomeado Vice Presidente da Caixa Econômica Federal, em 1997 foi nomeado Vice Presidente da Companhia Brasileira de Securitização – Cibrasec, onde se aposentou em 2005. Paralelamente foi professor na PUC de Brasília por 15 anos e em cursos de pós-graduação da FGV em Brasília por 9 anos. Hoje está aposentado em Balneário Camboriú – SC.
O quarto filho foi Carlos Jorge Hiebert, nascido em 1948, trabalhou na EIG e hoje atua com construtor em Blumenau.
O quinto filho foi Adolfo Hiebert, nascido em 1954, começou a trabalhar na EIG em 1970 onde permanece até a presente data na agora denominada Coteminas. 
O sexto filho foi Ivo Hiebert, nascido em 1959, trabalha como Fiscal da Secretaria de Finanças de SC em Itajaí, onde reside.
O sétimo filho foi Alex Hiebert, nasceu em 1964, é engenheiro civil formado pela UFSC, atua e reside em Blumenau.
O Russo se aposentou na EIG em 1969, tinha então 50 anos,  planejara dedicar, a partir de então, todo o seu tempo nas atividades comercias e publicidade.
Contudo, poucos meses depois de aposentadoria foi vitima de um tumor no cérebro, mesmo com  cirurgia e radioterapia mostrou-se incurável.
 O Russo de muitos amigos, muito conhecido no bairro, admirado por  sua inteligência, integridade e honestidade terminou seus dias em 20.08.1970, no Hospital Santa Isabel de Blumenau. Ele tinha somente 51 anos de idade.
O saudoso “Russo” foi e será sempre motivo de muito orgulho e respeito de todos os seus descendentes.
DAVID HIEBERT, O RUSSO DO GARCIA, VEIO DE TÃO LONGE, ANDOU POR VÁRIAS CIDADES, MAS ESCOLHEU BLUMENAU PARA PARADEIRO DEFINITIVO. ELE ESTÁ SEPULTADO NO CEMITÉRIO DA RUA PROGRESSO, AO LADO DE SUA ESPOSA ANNA HIEBERT, NASCIDA KLASSEN.
TERMINO ESSE RELATO COM LÁGRIMAS EM MINHA FACE, POIS ESCREVI UM POUCO DO MUITO QUE SEI DE MEU MAIOR HERÓI, DE MEU ETERNO ÍDOLO.
HOMENAGEM DE VALTER HIEBERT, CUJOS FILHOS CHAMAM-SE TAMBÉM DAVID E ANNA
Texto Walter Hieber filho do “RUSSO”; arquivo família Hiebert e Adalberto Day 

16 comentários:

Ivo Hiebert disse...

Recordar também é viver. Bela homenagem prestada pelo Irmão Valter ao nosso pai David Hiebert, "o Russo" que hoje faria 95 anos.
Quem mora ou morou no Garcia ou Progresso vai se identificar com algum fato narrado, como os rádios portáteis que nas décadas passadas eram maravilhas. Ou das baterias de carro utilizadas como fonte de energia lá no progresso. O resgate da colonização no Brasil também faz parte do enredo. Vale a pena ler.

Djalma( Anapolis) disse...

Belissima homenagem. Conheci o " Sr Russo" muito pouco. Minha memória me trai, principalmente na sua fisionomia, mas fui muitas vezes la na sua casa. Das meninas não me lembro, mas dos rapazes lembro muito bem. Quando a gente lê, se depara com alguma biografia de alguem, viajamos e nos deparamos com as dificuldades existentes numa época não tão muito distante e que trouxeram ao nosso convivio inumeras vezes, pessoas tão dignas como esta familia. Parabens pelo relato Walter.E históricamente, descobri hoje de onde vem a nossa cidade no estado, Witmarsum. Parabens outra vez.

EA disse...

''Queriam sair, não importava o destino''. Se comunismo fosse bom haveria fuga dos países capitalistas para os comunistas, e o que a história mostra é exatamente o inverso. Tanto esforço para escapar e agora os descendentes nas mãos do governo crypto-comunista do PT, prestes a iniciar o golpe final em 2014.

Valter Hiebert - hiebert.valter@gmail.com disse...

Obrigado Adalberto por divulgar a história de vida de nossa pai. Além de historiador vc demonstrou ser também um ótimo jornalista pela forma que compôs toda a edição. Para a tua história é somente mais um capítulo dos muitos que voce já escreveu para resgatar e perpetuar a história de nossa bairro e cidade. Agredeço em nome de toda a família.

Engenheiro Alex Engenheiro Alex disse...

uma homenagem inesquecível,
Parabéns !

Edite - oliveira.edite@bol.com.br disse...

Homenagem mais que merecida ao Sr. David Hiebert, mais conhecido como Sr. Russo!!!! Parabéns tbem aos filhos, Ivo Hiebert, engenheiro Alex, Valter Hiebert, Carlos Jorge Hiebert e Adolfo Hiebert, que com certeza devem estar mto orgulhosos desta homenagem feita ao seu querido PAI. E a vc tbem Adalberto Day pela postagem!!!!

Edemar disse...

Alo grande historiador Mr. Adalberto
Esta historia do Sr. DAVID HIEBERT fiquei muito contente em relembrar nossos bons tempos
De infância e adolescência.
Tive uma grata surpresa alguns dias atrás recebi um E-MAIL do meu companheiro de escola
Walter Hiebert o qual respondi e não recebi nenhuma resposta, você poderia me passar.
O telefone para que eu possa entra em contato com o mesmo.
Abraços
Edemar Faht

Mara Fernades Hiebert disse...

Parabéns pela linda e emocionante homenagem!Eu sei o quanto foi difício para você Valter Hiebert vencer a emoção para relatar a história de vida de seu pai.Realmente comovente!
Agradecimentos e parabéns também ao Adalberto Day, pelo seu lindo trabalho no blog, resgatando tantas histórias com lindas imagens!

JOSÉ CARLOS DE OLIVEIRA disse...

Parabéns a todos da família Hiebert pelo aniversário do saudoso pai, o Sr. Russo. Belas lembranças do tempo de infância quando jogávamos bola na rua, em frente à sus casa. O Ade, o Gilmar, o Bube, O Célio, o próprio Beto Day que morava pertinho, eu e tantos outros. Nunca vou esquecer dos jogos de futebol que ouvíamos através do auto-falante que o Seu Russo pendurava no pé de goiaba que tinha no seu terreiro. As copas do mundo de 62 e 66.
Deus certamente está acolhendo o Seu Russo por tudo de bom que ele fez.
Um abraço do Zé Carlos


Ernani disse...

Parabéns !!! Ao homenageado e todos seus descendentes. Parabéns também ao Valter que fez o relato. Como diz um conhecido meu: "Para aquele que não sabe de onde veio, qualquer caminho serve! ". Coincidência ou não, esta semana o bisneto dele, o Guilherme, levou um radinho destes que o Seu David vendia para mostrar na escola em sala de aula (a capa enveludada ainda está em perfeitas condições e o rádio funciona). Parabéns ! Abraços ! Ernâni da Andréa.

Adolfo disse...

Agradecemos pela homenagem prestada ao nosso pai, o RUSSO que arrumava Rádio.
Ass. menino da foto…

David Augusto Hiebert disse...

Infelizmente não tive a oportunidade de conhecer o meu avô paterno, cresci ouvindo o meu pai contar diversas histórias desse guerreiro, tenho muito orgulho de ter recebido o seu nome. Parabéns pelo relato pai.

Antunes Severo disse...

Bela e corajosa história, amigo.
Vamos repercutir a matéria.
Abraço fraterno,
AS

Carlos A. Salles de Oliveira disse...

Adalberto

Tenho duas nítidas lembranças do Sr. Hiebert sendo, a mais importante para mim e que acredito também ser para muitas crianças daqueles bons tempos, é referente às sessões semanais de cinema, que acontecia no salão do Amazonas Esporte Clube – uma delícia inesquecível! A outra é, logicamente, referente à sua atividade como técnico em eletrônica, prestando serviços da melhor qualidade nesta área tão complexa, até para os dias de hoje. Tudo que existia, todos os tipos de aparelhos que a ele era solicitado o concerto, o “Seu Russo” sempre, com muita competência, resolvia!

Formou e criou uma bela família, cujo relacionamento no seio da comunidade a qual todos pertencem, sempre foi excelente, com demonstração permanente, com todos, de muito respeito e grande amizade. Agora, com os novos conhecimentos sobre a incrível trajetória deste menino de 11 anos ao homem, comprovadamente, íntegro e competente, aumentou ainda mais a enorme admiração que sempre tive pelo nosso especial amigo, Sr. David Hiebert.

Parabéns ao Valter pela fiel e bela narrativa dessa magnífica história de vida, como também a todos os demais filhos e familiares pelo grande pai e avô, do qual, com muito orgulho sabemos pertencer a nossa comunidade.

A você Adalberto e todos os envolvidos na elaboração e publicação desta matéria, o meu especial cumprimento e agradecimento por mais este importante registro da história.



CarlosASallesOliveira



+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Gilmar Oechsler disse...

Li a história do meu ex vizinho Sr. Hiebert, o russo, e não poderia ter deixado de me emocionar. A medida que fui lendo, fui recordando os momentos maravilhosos que ele me proporcionou com uma camioneta antiga, levando-me a praia com seus filhos, e a generosa D. Anna, que me dava a melhor sobremesa de vinho com sagú, quando eu brincava com o Adi.
Certa vez, ele sintonizou através do seu estúdio, uma emissora de rádio, e me fêz transmitir através de ondas de rádio, mensagens aos moradores da nossa saudosa rua 12 de outubro. Era um gênio, para a época.
Beto Day, só voce para nos trazer essas recordações maravilhosas.
Obrigado a você e a família do Sr. David, meus vizinhos da 12.

Wieland Lickfeld disse...

Muito importante esta contribuição do amigo Walter Hiebert, Adalberto. Ao homenagear o pai, nos brinda também com riquíssimas informações sobre a história dos menonitas. Parabéns!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...