"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

domingo, 2 de janeiro de 2011

- Ah! O Maravilhoso Verão

A escritora e Colunista Urda Alice Klueger, nos apresenta uma crônica escrita em fevereiro de 1996, sobre o "O Maravilhoso Verão" .
Urda Alice Klueger (Blumenau, fevereiro de 1952) é uma escritora e historiadora brasileira. Começou seus estudos na sua cidade natal, na Escola São José. Cursou o ginásio e o científico no Colégio Pedro II, também em Blumenau. Mais tarde, iniciou o curso de Economia (UNIPLAC), que não chegou a completar, na cidade de Lages. Finalmente, licenciou-se e especializou-se em História, pela FURB, em Blumenau. Lecionou como professora de História no ensino fundamental, em escola pública, nos anos de 2001 e 2002, e ensino médio em 2003. Atualmente, realiza pesquisa sobre os sambaquianos, antigos moradores de Santa Catarina, entre seis mil e dois mil anos atrás. A pesquisa iniciou-se em 1997 e resultou no livro O povo das conchas. Ela já gerou um trabalho de conclusão de curso, uma monografia de especialização, e está gerando um romance-histórico, e uma dissertação de Mestrado. É membro da Academia Catarinense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina, da União Brasileira de Escritores e da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil. Participou de várias antologias, foi colaboradora de várias revistas e jornais. Publicou cento e cinqüenta crônicas no jornal A Notícia, de Joinville, aproximadamente cento e trinta no jornal Expresso das Nove, de Açores, Portugal e também foi cronista do jornal Diário Catarinense, de Florianópolis. Fonte: Wikipedia
Escritora, historiadora e Doutoranda em Geografia pela UFPR
_________________________________________

Por Urda Alice Klueger
Eu nasci no verão, numa madrugada de carnaval, e a minha mãe me contou que, quando estava indo para a maternidade, a música que ouviu foi “Sassaricando”. Clicar para ver a letra e ouvir

Dá para aquilatar o astral do meu nascimento; estou sassaricando até hoje, e sempre tenho a impressão de que o fato de ter nascido no verão e no carnaval foi que fez de mim uma pessoa que curte o verão mais que as outras.
Daí, hoje, perguntei ao meu amigo Júnior se ele tinha uma sugestão para a minha crônica, e ele me deu a felicidade de sugerir que eu escrevesse sobre o verão. Pôxa, como não tinha pensado nisso antes? O verão é o tempo mais maravilhoso do ano, dá para escrever trocentas crônicas sobre ele, e fico aqui, agora, pensando, o que mais agradaria ao leitor.

Podemos falar dos adoráveis incômodos do verão: os carros cheios nas sextas-feiras à noite, os congestionamentos a caminho da praia, a água que está faltando quando se chega lá, as queimaduras de sábado, que impedem o Sol de domingo, todas essas adoráveis coisas que seriam horríveis em outra estação, mas que dão um charme todo especial ao verão.
Podemos falar, também, das delícias e da suavidade das ondas nos dias de sol, do encanto das noites quentes, da lindíssima cor bronzeada que a população exibe em Fevereiro, das batidinhas de morango, do reagge ouvido no carro horas de congestionamento – tudo, tudo há para se falar quando é verão, mas acho que é melhor contar uma histórinha.
Desde menina que freqüentava a Praia de Armação do Itapocoroy (Penha/SC) e conhecia todos os seus segredos. Um deles é um costão lindíssimo que liga o canto da Praia de Armação à Praia de Paciência, que atravessei a pé pela primeira vez lá pelos 14 anos, e que nunca mais deixei de atravessar. Leva-se bem umas duas horas para se fazer o trajeto, subindo e descendo pedras de todos os tamanhos, mas a natureza, lá, é tão majestosa, que vale a pena qualquer sacrifício para atravessar-se aquele pedaço de mundo ainda desconhecido dos turistas. Fiz a travessia muitas vezes, em todos os verões da minha juventude, e fui fazê-lo de novo, já perto dos 40 anos.

Foi num Ano Novo, creio que na entrada de 1990. Fomos acampar em Armação, e na manhã de Primeiro de Janeiro, resolvemos inaugurar o ano fazendo aquela travessia pelo costão.

Minha turma ia muito animada, e já tínhamos vencido mais ou menos a metade do caminho, quando aconteceu o inesperado: depois de mais de 20 anos de prática naquelas pedras, eu escorreguei e cai de cara no costão. Dizer que me machuquei é pouco: fiquei foi lanhada pelo corpo todo, e corte de pedra sangra que é uma barbaridade. Que fazer? Voltar ou ir para a frente dava na mesma, estávamos na metade do caminho, e não havia, por ali, nada nem ninguém que nos pudesse acudir, além de minha irmã e meus amigos, que não podiam fazer nada. Decidi ser forte, e, brincando, pedi-lhes:
- Quem se perder, siga o rastro de sangue, que vai achar o resto da turma!
Capengando, sangrando no rosto, no corpo, na perna, continuei fazendo a farra, quando aconteceu o inesperado: lá em cima, um passarinho que parecia um galinha resolveu se aliviar e, para usar uma palavra polida, deu-me um banho de cocô, abundante cocô líquido que me atingiu nos cabelos, nos óculos, no rosto, no corpo todo. Não tinha chorado ao cair, mas ai me deu vontade de chorar, só não adiantava fazê-lo. A solução foi entrar no mar e tomar um banho, o que até ajudou a diminuir os muitos sangramentos que as pedras tinham feitos dois ou três minutos antes. Dentro do mar, via minha turma morrendo de dar risada, e acabei rindo junto. Que forma de começar um ano! Como seria ele?
Na verdade, aquele ano foi muito bom, E, como esse incidentes aconteceram no verão, ficaram com um gosto bom de verão. Os cortes sararam em uma semana, mas a história ficou para ser contada muitas e muitas vezes. Não é qualquer um que, no verão, consegue cair num costão e tomar um banho de cocô de passarinho quase ao mesmo tempo. Tem-se que ter-se nascido no verão, ao som da música “Sassaricando”.
Que pena que o verão não seja o não todo! Já estou com saudades antecipadas dele!

Arquivo de Adalberto Day
Blumenau, 12 de Fevereiro de 1996
Urda Alice Klueger
Escritora, historiadora e doutoranda em Geografia pela UFPR

2 comentários:

Tonet disse...

carlos_tonet @adalbertoday Também andei por aqueles rochedos, pelo lado de Gravatá...

Professor Josimar disse...

É muito importante que se valorize os grandes cidadãos da nossa região, como é o caso da Urda. Valeu por mais este conhecimento adquirido por meio do seu blog. Abraço.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...