"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

terça-feira, 28 de junho de 2016

- Técnica Enxaimel

A Técnica Construtiva Enxaimel

Um tema de muita importância para nossa compreensão e reflexão sobre a técnica “Enxaimel”, que nos apresenta Angelina Wittmann. Leiam no blog de Angelina Wittmann Arquiteta em Blumenau, pesquisadora. Nesta postagem a arquiteta que se dedica a pesquisas sobre nossa Blumenau e região nos apresenta uma abordagem sobre a Técnica Enxaimel desde os primórdios, suas primeiras construções no mundo chegando até Blumenau e região.

Leiam clicando em:  http://goo.gl/LzERyx

terça-feira, 7 de junho de 2016

- Mini reportagem quase sentimental

Em histórias de nosso cotidiano o Mestre Gervásio Tessaleno da Luz em uma crônica sobre "Cines" em Blumenau. 
Publicado: (Folha da Tarde, 26.10.1993).
Era um diário de uma página só em Blumenau, pertencia ao Rodolfo Buerguer. O redator-chefe, Carlos de Freitas. Com notas políticas e literárias.
Infelizmente, o jornal durou apenas dois meses, de outubro a novembro de 1993.
Antigo Cine Busch - foto 2006 Adalberto Day
Cine Busch 1976
Blumenau não é mais a mesma. Os cinemas morreram. Diriam: que é isso? Tem dois novos naquele shopping da rua Sete de Setembro. Nada a ver. Morreram de morte mandada (leia-se família Busch) os cines Busch 1 e 2.
O prédio em arte-decô é patrimônio histórico da cidade, cartão-postal da Alameda Rio Branco. Li no jornalão que o vice Vílson (de Souza) e o prefeito Renato (Vianna) bateram no peito e juraram impedir a demolição do edifício que daria lugar a mais um monstrinho para alimentar a selva de pedra que está virando Blumenau. Nada feito até a hora em que dedilhamos estas linhas um tanto rancorosas.
Cine Busch - e seu fundador Frederico Guilherme Busch

Pois bem, os cinemas Busch vêm da década de 1920, sangue genuíno da cidade. Com eles, a presença ímpar e insubstituível de seu gerente, por mais de 40 anos, Herbert Holetz. Homem sensível, inteligentíssimo, com uma biblioteca sobre a sétima arte de fazer inveja a países do dito Primeiro Mundo. Tomara que a Cultura Municipal (leia-se Sueli Maria Vanzuita Petry) atenda a um sonho do Holetz: um cantinho qualquer no Arquivo Histórico, onde ele possa depositar, tranquilo, o seu acervo cultural cinematográfico.
Pobre cidade esta. Vive empolgada com shoppings a mancheias. E deixa o melhor que possui fenecer. Mas a vida é assim. Os filmes ”noir” voltaram à moda. O episódio relatado acima soa à “noir”.
Sexta-feira, 22 de outubro, à noite, a cena mostrava-se deprimente. Os porta-cartazes de filmes vazios. Frente aos finados cinemas só a presença sonolenta dos motoristas de táxi, agora postados, com a mudança do trânsito, em frente a um banco que ocupou o lugar dos Correios e Telégrafos.
Tá bom. A tevê venceu. Antes dela, Blumenau possuía cinemas nos centro e nos bairros.
Eram o Busch, o Blumenau (depois Lojas Americanas, após a enchente de 1983), o Cine Carlitos 2 (o 1 era em Florianópolis, também já devidamente enterrado), e nos bairros: o Garcia (em frente à  rua Antônio Zendron), o Atlas, na Vila Nova, que virou minimercado, o Mogk, na Itoupava Norte, que se transformou em vídeo-locadora.
Cine Garcia - Foto Maria Ângela de Oliveira 

Gaspar já teve o seu cine, também Mogk. Atualmente, o local é uma loja de comércio. Roland, dizem. Mas há uma boa notícia: o Paca, ex-prefeito, promete num novo empreendimento, uma casa de espetáculos. Gaspar merece.
E Blumenau, rebatendo o teclado, não é a mesma sem os cinemas Busch. Reagir é preciso, parodiando o poeta d´além-mar Fernando Pessoa. Faltam pessoas para reagir. The end.

Texto de Gervásio Tessaleno da Luz  

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...