"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

terça-feira, 17 de maio de 2016

- José Bonifácio da Cunha

Em história de nosso cotidiano: personagem importante na história de Blumenau.
JOSÉ BONIFÁCIO DA CUNHA. VOCÊ SABE QUEM FOI?



Por Carlos Braga Mueller/Jornalista e escritor em Blumenau (foto). 

********************

Quem passa pela Alameda Rio Branco, em Blumenau, vai vislumbrar uma rua transversal, próximo ao Clube Grêmio Esportivo Olímpico. Não tem mais que 100 metros, é pequena para homenagear quem tanto representou para o município em determinada época de nossa história. É a Rua Bonifácio da Cunha.
Nome: José Bonifácio da Cunha

Mandato: 1890 – 1891 e 1899 – 1903
Motivo: 1892 – eleito Superintendente 1º/04 a 7/04/1892 e 1898 - 1903

Mas afinal,  quem foi Bonifácio da Cunha ?
Primeiro, queremos lembrar que seu nome completo era José Bonifácio da Cunha.
Logo após a Proclamação da República, em 1889, foi o primeiro Intendente de Blumenau (1890/1891).  Depois assumiu a Superintendência do Município (janeiro a abril de 1892).
Mais tarde, elegeu-se Superintendente de Blumenau e governou o município de 1899 a 1902.  Além disso, foi Deputado Estadual em diversas legislaturas, numa época em que se podia ser Superintendente (cargo hoje equivalente a Prefeito) e Deputado ao mesmo tempo.
Nascido em Santo Amaro da Purificação, na Bahia, e formado pela Faculdade de Medicina de Salvador, Bonifácio Cunha fez parte da expedição Madeira-Mamoré. Pelos assinalados serviços prestados na missão  o Governo lhe conferiu a Ordem de Cristo. Adoeceu nessa comissão e em busca de clima mais ameno veio para Blumenau em 1885. A princípio não se envolveu em questões políticas. Dedicava-se inteiramente à medicina, conseguindo em pouco tempo a simpatia da população. Era músico e tocava contrabaixo em orquestras locais. Aprendeu logo o alemão.  Casou com uma jovem de sobrenome alemão.
Mas tão logo foi proclamada a República, Bonifácio e o também baiano Vitorino de Paula Ramos, Comissário de Terras, apareceram no cenário político como extremados republicanos.
As Câmaras  Municipais, que até então governavam os municípios, foram dissolvidas e em seu lugar criadas as Intendências. Coube a Bonifácio da Cunha ser nomeado Intendente e ocupar em seguida  a Presidência do Conselho de Intendência de Blumenau.
Um dos seus primeiros atos foi mudar o nome de algumas ruas. A do Itajaí passou a chamar-se 15 de Novembro. A do Imperador (Kaiserstrasse)  tomou o nome de 7 de Janeiro (hoje Alameda Rio Branco); a Alameda Wendeburg passou a ser 15 de Dezembro e a Rua do Hospital (hoje Rua Itajaí) mudou para 13 de Maio. Neste período enfrentou severa oposição de monarquistas, entre os quais se destacaram o naturalista Fritz Müller e o Padre José Maria Jacobs.
Contar a história de José Bonifácio da Cunha ocuparia um livro de mais de cem páginas.
Segundo o saudoso historiador José Ferreira da Silva, Bonifácio da Cunha foi uma das figuras mais expressivas  da história de Blumenau.
Como Deputado Estadual integrou,  na Assembleia Legislativa,  a Constituinte de 1894, que outorgou ao Estado sua primeira Constituição.
No seu segundo mandato de Superintendente viu os fogos e rojões anunciarem o início do Século 20,  e também promoveu as comemorações do cinquentenário do Município de Blumenau em 1900.
É, pois, com muito respeito que podemos afirmar: José Bonifácio da Cunha foi um exemplar governante de Blumenau; um baiano que abriu seu coração para a cidade que, com muito amor, adotou como sua.
Texto e pesquisas de Carlos Braga Mueller/Jornalista e escritor em Blumenau.
Todos os prefeitos de Blumenau:

segunda-feira, 9 de maio de 2016

- “DAS FRAUENSCHIFF”

“DAS FRAUENSCHIFF”
                                                   a Mário Hennings in memoriam

Por Cezar Zillig/Neurologista em Blumenau Cezar Zillig é médico, neurocirurgião de formação, atuando em Blumenau desde 1978.

É um episódio que se refere à curiosa página da história da colonização de Blumenau. Repasso como ouvi, não boto minha mão no fogo por ela, mas por ser picante e burlesco vale o relato: segundo o mesmo, ainda em seus primórdios, a colônia teria se ressentido da falta de mulheres; os homens, com seu espírito aventureiro, estavam sobrando; teriam acorrido em maior número para enfrentar os desafios do novo mundo, atendendo ao velho sonho de “fazer a América”, ou seja, enriquecer. Para resolver a incomoda premência, a Diretoria da Colônia promoveu uma campanha de arregimentação feminina em diversas regiões da Alemanha. Sabe-se lá o que foi prometido. Pois bem, estes clamores encontraram grande receptividade, inclusive num certo bairro portuário de Hamburgo onde um bom número de destemidas damas se apresentou para vir preencher as lacunas aqui no empreendimento do Dr. Blumenau. O navio que trouxe a preciosa carga passou a ser conhecido como “das Frauenschiff” (Navio das mulheres) e era aguardado com muita expectativa.
Vapor Progresso - AHJFS
Aguardado em termos, pois a impaciente tribo dos solteirões se mandou Itajaí abaixo muito antes da chegada do galante buque. Subiram a bordo, enquanto o navio estava ancorado na antiga barra do Itajaí, ante as praias de Cabeçudas e Atalaia. Antes mesmo da chegada do prático já tinham feito um sorteio para ver quem ficava com quem. Vieram trinta damas, menos do que o necessário para estabelecer o equilíbrio. Embora democrática, a partilha deixou alguma insatisfação: alguns velhos ficaram com mocinhas e alguns jovens com balzaquianas.
Vapor Blumenau - AHJFS
Consta que a feliz volta, em primitivas canoas correnteza a cima, durou três dias. Mesmo as senhoras com currículos pouco abonadores, acabaram se entrosando no puritano núcleo de emigrantes. Afinal, a turma  estava – literalmente - na mão e não era lá muito exigente. Comenta-se que este capítulo tem sido um tanto racalcado para o fundo da consciência coletiva blumenauense pois as damas do Frauenschiff acabaram por se tornar pilares de famílias respeitáveis.

(Artigo publicado no Jornal de Santa Catarina em 30 de outubro de 2006)

OBS. Este episódio estaria relatado num livro chamado  "O VALE DO ITAJAI" de Zeda Perfeito da Silva publicado por volta de 1950. Tem no acervo do Arquivo Histórico.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...