"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

terça-feira, 9 de julho de 2013

- "Uma vida dedicada à empresa".

Em Histórias de nosso cotidiano apresentamos o Sr.
Estanislau Sliwiensky  nascido em Erechim – RS em 14 de abril de 1921/ falecido 08 de agosto de 1988 – foi funcionário (montador mecânico) da Souza Cruz no Garcia em Blumenau e região. Foi a única empresa que trabalhou. Torcedor do Internacional de Porto Alegre - fanático, (em Blumenau do Palmeiras).
Lia todos os dias o Jornal Correio do Povo de POA e quando encerrou as atividades "aceitou" ler o Zero Hora (RS). Ouvia a Rádio Gaúcha e curtia a cerimonia de tomar seu chimarrão pela manhã e no final do dia. Assim que chegou a Blumenau, anos depois construiu sua casa na Rua Goiás (perto da Souza Cruz). Foi um técnico em manutenção tendo participado na construção de unidades da Cia Souza Cruz em Santa Catarina. Fumava bastante e ganhava da Cia pacotes de cigarros que os funcionários de carreira recebiam. 
Teve relacionamento pessoal com diretores nacionais e internacionais da Cia também por ser um tradicional colaborador. Texto enviado por José Geraldo Reis Pfau/Publicitário em Blumenau.
Transcrição do texto acima
Memória
Oficina da História
Ele começou a trabalhar com mecânica ainda criança e aprimorou  este gosto ao servir no exército, quando fez um curso.
Nesta época em 1946, a Segunda Guerra Mundial já havia terminado e Estanislau Sliwiensky estava à procura de emprego em Santa Cruz do Sul. Foi quando encontrou um conhecido que trabalhava na Antiga Companhia Brasileira de Fumo e Folha. O amigo faz o seguinte convite: “Venha trabalhar com a gente. Escreva uma carta para a CBFF”. Dito e feito. E assim Sliwiensky foi chamado, entrevistado e assim assumiu o seu oficio mecânico. Sliwiensky entrou no dia 04 de fevereiro de 1947 e foi transferido depois de quatro anos para Blumenau.
É que neste período a Unidade de Blumenau estava sendo deslocada do Bairro Itoupava Seca para o Bairro Garcia onde está até hoje.
Sliwiensky, que chegou a Chefe Geral das Oficinas da Unidade de Blumenau, onde se aposentou em 1975, montou com sua equipe toda estrutura da fábrica no Bairro Garcia.
Ele fala desse tempo: “Na avenida (rua Amazonas)   que hoje vai até a Souza Cruz, dois carros não se cruzavam de tão estreita. E na área onde é o  recebimento da Unidade, existia um morro, que foi removido por um trator”.
Sliwiensky trabalhou na montagem de linhas secadoras, caldeiras, tanques, prensas e instalações elétricas. O trabalho tinha que ser feito rapidamente, pois a nova Unidade estava para ser inaugurada.
Souza Cruz 1952 na construção - Imagem  Wilmar M.Filho
Souza Cruz 1955 - Imagem:Abelardo Luiz dos Santos
Cia. Souza Cruz - Garcia- Blumenau 1962
Ele recorda que as atividades duraram um ano, sendo que as duas caldeiras a óleo vieram transportadas de São Paulo por caminhão. “Durante mais de um mês tivemos que trabalhar com os pés na lama, durante todo o tempo a atividade era intensa, com trabalho no Natal e Ano Novo”, lembra Sliwiensky.
Apesar de algumas dificuldades de peças que tiveram que ser fabricadas localmente, tudo acabou no prazo certo e a safra de 1954 já foi recebida na nova Unidade. Graças ao esforço de Sliwiensky e a dedicação de sua equipe, como ele gosta de destacar: “Sempre tive uma equipe de Elite”. A determinação de todos compensou. A Unidade que processava 18,000 fardos
De fumo de 75 Kilos, na Itoupava Seca, passou no Bairro Garcia para 45.000 fardos no ano seguinte. Sliwiensky ajudou na implantação das Unidades de Tubarão, Brusque e Rio Negro.
Gaúcho de Erechim, hoje com 67 anos (1988) mesmo ano em que veio a falecer em 08/08/1988, Sliwiensky gosta de passear pela cidade onde mora, Blumenau, onde reencontrar velhos amigos, ler jornal e tomar chimarrão. Casado com Cecilia, ele tem três filhos, Elaine, Miriam e Gilberto, e sete netos. Com seu trabalho e empenho, Sliwiensky impulsionou a História da Empresa.
Informativo Souza Cruz nº 08 – agosto de 1988: Departamento de Fumo.
Arquivo José Geraldo Reis Pfau/Adalberto Day

7 comentários:

Edemar disse...

Meu amigo Grande Historiador Adalberto
Fico muito contente em receber o relato e historia deste cidadão, pois o conhecia
Pessoalmente , muito obrigado que Deus te muita força.
Abraços
Edemar Faht
Faht Export

Henry disse...

Adalberto
Conheci ele de vista, fui varias vezes na Sousa Cruz.

Atenciosamente,
Henry Georg Spring

Anônimo disse...

Muito bom Beto.
Uma história de dedicação a empresa Souza Cruz,gaúcho, leitor do Correio do Povo, com seu chimarrão diário e torcedor do Internacional. Era meu sogro e um grande cidadão. Muito obrigado.
José Geraldo Reis Pfau

Rodrigo Sliwienski disse...

Adalberto,

Me chamo Rodrigo Sliwienski. Filho de Gilberto Luiz Sliwienski e neto do Estanislau. Acho que único neto a carregar o sobrenome deste GRANDE HOMEM. Também torcedor do Internacional de POA.

Hoje moro em Cuiabá, Mato Grosso. Completo 34 anos em setembro e tenho uma filha linda que tem 10 anos e também carrega o sobrenome Sliwienski.

Gostaria de agradecer por escrever parte da história da minha família que eu não conhecia.

Me emocionei muito ao saber mais sobre meu avô. Ouço as histórias que meu pai me conta e todas me deixam muito orgulhoso.

OBRIGADO mesmo.

Rodrigo Sliwienski
djpiruka@hotmail.com

Alice Póvoas Sliwienski disse...

Olá Adalberto, sou irmã do Rodrigo, neta também do Estanislau.
Sempre escuto histórias sobre meu avô, histórias que meu pai e minha avó Cecilia contam, e essa foi mais uma e a uma das mais emocionantes!
Obrigada pela homenagem feita a este grande homem que eu, infelizmente, não tive a oportunidade de conhecer pois nasci dois anos após à sua morte!


Abraços, Alice Póvoas Sliwienski

Luiz Henrique Reis Pfau disse...

Uma justa homenagem para um verdadeiro cidadâo.
Um apaixonado torcedor do Internacional que por aqui também dedicava sua torcida para o saudoso Palmeiras.
Conheci muito bem o Sr. Estanislau que com seu jeito calmo e de muita reflexão era um exemplo por seu comportamento.

Um abraço Adalberto e meus cumprimentos pelo bom trtabalho desenvolvido mantendo a história de nossa cidade.


Luiz Henrique Reis Pfau
luizh@terra.com.br

GILBERTO LUIZ SLIWIENSKI disse...

Sou Gilberto Luiz Sliwienski, filho de Estanislau e pai de Rodrigo e Alice, que ja comentaram o seu artigo. Agradeço de coração á lembrança/homenagem feita a ele. Acrescento uma das paixões dele, que era a pescaria de traíra......ele era um apaixonado pela pesca desse peixe, descobria "pesqueiros" em todo canto de Blumenau e fora de Blumenau. Na ânsia de conhecer cada novo pesqueiro descoberto, ele sempre procurava alguem para compartilhar o achado, muitas vezes a "vítima" era eu, ou um dos genros dele o José Geraldo Reis Pfau ou então o Laudelino Marcos Silva....em aglumas dessas pescarias vivemos situaçõa realmente hilárias.......um abraço e obrigado pela lembrança

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...