"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

terça-feira, 19 de março de 2013

- Casas Populares

Empresa Garcia em 1935 e suas primeiras casas populares rua da Glória.
A Empresa Industrial Garcia possuía casas populares para seus empregados. Eram  mais de duzentas e quarenta (240) casas alugadas a preço simbólico construídas de forma idênticas, pelos empregados da marcenaria da E.I.Garcia, com boa infraestrutura e saneamento básico, com coleta seletiva de lixo duas vezes por semana. Construídas com madeira de canela de diversas qualidades em sua estrutura principal, e nos assoalhos, no corpo da casa prevalecia madeira de lei, medindo, 8m por 8 m, em seu corpo principal (mesma metragem nos dois pavimentos), e mais um local de área de serviços, com 8m por 4m perfazendo um total aproximado de 160 m². Em seu corpo principal com dois pavimentos, existia o quarto do casal, duas pequenas salas, cozinha, varanda, e na parte de cima, conhecida como sótão, quatro quartos. 
Ficavam todas próximas a empresa que oscilavam em 50 m a 1,5 km  de distância, permitindo que se ouvisse a sirene tocar e despertar os funcionários.
1941 -Rua da Glória
1946 - Rua da Glória
Postal 1971 - Rua da Glória ¹
2010 - Rua da Glória
    As primeiras casas populares foram construídas a partir de 1920, todas sempre no mesmo estilo, uma ou outra diferente.
            No início do século XX foram construídos dois hotéis, um sobre a antiga praça Getúlio Vargas, e outro na rua Almirante Saldanha da Gama. 
 - Até 1922 tinham sido construídas 13 casas
 - Em 1933 este número chegou a 35 casas.
 - A partir de 1941 foram demolidas todas as antigas e construídas em um novo estilo, chegando em 1966 num total de mais de 240 casas que eram alugas aos funcionários a preços simbólicos. Nesse mesmo ano foram vendidas a preços razoáveis aos funcionários, que começam a pintá-las e reformá-las, como também começa os primeiros comércios.
Estas casas estavam distribuídas nas seguintes ruas::                                               Rua Amazonas;  Emílio Tallmann;  12 de Outubro; da Glória; Almirante Saldanha da Gama; Tibají ; Cambará; Beco do Luca; Belo Horizonte,Gaspar alto.                      
E na Vila Operária João Anastácio da Silva e transversais, ruas Riachuelo, Caeté, Taío, João Simas, João Deschamps, Botucatu, Tangará.
Hoje 2013 existem tão somente somente cinco.
Alguns exemplares:
Vila 1950
1950
1960 - Rua 12 de Outubro
2013 - Rua da Glória
  
Aspectos Históricos                    
Em 1860, com a chegada do imigrante alemão Johann Heinrich Grevsmuhl nascido em (12 de novembro de 1804 – provavelmente falecido nos primeiros meses de 1883, abordo de um navio que o conduzia para tratamento de saúde na Alemanha), o Vale do Garcia tomava novo impulso.
Não satisfeito com os trabalhos agrícolas, passara a explorar a madeira da região, constituindo uma serraria, e com o represamento do Ribeirão Garcia, pode instalar uma atafona movida a força da roda d' água, (energia elétrica veio em definitivo para o bairro somente  por volta de 1914) que ficava próximo as duas Empresas Garcia e Artex.
            Os compensadores progressos do empreendimento levaram-no a associar-se com dois vizinhos, que conheciam a técnica da tecelagem, para a organização de uma fábrica. Nascia naquela região, a semente da indústria têxtil por volta de 1868, solidificando-se mais tarde com o nome de Empresa Industrial Garcia.
Em decorrência desta atividade têxtil, a região passaria por uma série de transformações, sendo uma delas o surgimento do lavrador-operário. A divisão da propriedade e o esgotamento das mesmas, provocadas pela falta de espaço para a “Rotação das Terras, dificultavam a opção do plantio, que não dependia exclusivamente do agricultor”.
            Outro aspecto que merece destaque é o fato do imigrante alemão ao chegar à nova terra, trazer na sua bagagem cultural, usos e costumes de seu país de origem.
           
            Dentro desta visão, o constante processo de desenvolvimento econômico, e consequentemente populacional, começa a abranger o Garcia. A industrialização abria espaços para novos empregos e muitos migrantes vindos de outras cidades buscam o "ELDORADO" de uma vida melhor. O espaço ocupado por estas pessoas: urbano e rural; providos ou não de recursos; e o próprio descaso dos órgãos municipais aos longos dos anos, passava a gerar problemas sociais devido à falta de infraestrutura da cidade para acompanhar o desenvolvimento crescente das últimas décadas.
1961- EI Garcia e Casas populares
Casas Populares 1961 Ruas Glória - Almirante Saldanha da Gama - 12 de Outubro e Cambará.
A Pioneira
A primeira indústria que se instalou no bairro e mais antiga de Blumenau, foi a Ex-Empresa Industrial Garcia em 1868, na Rua Amazonas nº 4906 - fundada por Johann Heinrich Grevsmuhl (que possuía em suas terras que depois foram vendidas para Garcia e Artex, uma roça de aipim com um moinho para fubá e engenho de serra) August Sandner, Johann Gauche,( Confirmado no Documentário da CIA. Hering por ocasião de seu centenário  em 1980) associaram-se com um tecelão, conhecido como Lipmann (já possuía teares desde 1865) que ajudou a montar alguns teares e deram impulso na primeira indústria têxtil de Blumenau, com o nome de “Johann Henirich Grevsmuhl & Cia.” Este era o nome da pequenina tecelagem -. A partir de então, a tecelagem passa às mãos de Gustav Hermann Roeder hábil tecelão ajudou a montar a empresa, mas ficou somente até 1878 quando retornou para Alemanha.
. Em 1883 passou a denominar-seTecelagem de Tecidos Roeder”,. Em  1906 “Probst & Sachtleben”.
Em 1913 a Empresa foi transformada em Sociedade Anônima, adotando a denominação “Empresa Industrial Garcia  & Probst”. Fabrica de Fiação e Tecelagem – Tinturaria – Fundição – Serraria – Olaria - -Oficina Mecânica – Marcenaria - Ferraria.
A empresa colocou o nome de Garcia em homenagem a primeira família a residir no bairro conhecido como gente do Garcia. A ex E.I.Garcia já foi também conhecida  pela fabricação de maquinário agrícola e de sinos para Igrejas. Otto Huber técnico austríaco trouxe idéias não só para a tecelagem, mas também foi responsável pela implantação do prédio com três pavimentos.
Em janeiro de 1918  verificou-se a nova alteração no nome da firma  com a retirada do seu maior acionista JÚLIO PROBST. Na constituição da nova sociedade, verificou-se a entrada de capitais de Curitiba Grupo Hauer (permanecendo até o final da Empresa), passando definitivamente a denominar-se “Empresa Industrial Garcia S/A”.
 Em 15 de fevereiro 1974, a E.I.Garcia, incorporou-se a Fábrica de Artefatos Têxteis  - Artex. A incorporação teve cunho político através do governo federal, que investia nas duas empresas, a Artex dirigida pela família Zadrozny e a Garcia controlada por dirigentes do Estado do Paraná, grupo Hauer, que controlava a empresa que pertencia a um grupo canadense. O processo de incorporação teve início no dia 15 de fevereiro de 1973.
___________________
¹ Esta foto foi um cartão postal e mostra que as casas eram um orgulho para a cidade e para os blumenauenses. Entendemos que para ser vendida como postal, principalmente para turistas, tinha seu valor muito significativo. A Empresa Garcia, procurava dar boas condições aos seus colaboradores através da moradia, e assistência social, ambulatorial.
 Arquivo de Dalva e Adalberto Day 

14 comentários:

Anônimo disse...

Prezado Adalberto,

Nasci e me criei nestas casas populares. Nasci na Rua da Glória nº 130 e mais tarde nos mudamos para o número 100. Vizinhança maravilhosa. Brincadeiras a rodo, espaço para bater uma bolinha. Tempos mágicos e felizes.
Abraços,
Adilson Siegel
Ticanca

Adrian Marchi disse...

Amigo Adalberto e suas maravilhosas histórias de nossa cidade!

Parabéns amigo!

Muita saúde sempre para continuar nos brindando com tamanha riqueza!

Abraços

José Carlos de Oliveira disse...

Amigo Beto,
Você novamente trazendo saudosas recordações de um passado muito feliz. Da nossa Rua 12 de Outubro onde jogávamos bola em plena rua, com os chinelos marcando as goleiras. Da nossa antiga Rua da Glória onde caminhavamos em direção à Escola São José, chutando o pó que se acumulava ma beirada da rua. Gostosa melancolia. Parabéns mais uma vêz pelo trabalho, lembrando esse tempo de paz e tranquilidade que vivemos.
Um abraço do Zé Carlos

Valter Hiebert disse...

Parabéns Adalberto,

obrigado por mais uma belíssima postagem. Somente quem alí nasceu e cresceu sabe da importância sentimental que essas imagens e o texto representam.
Asfotos de 1935 e 1946 mostram bem as diferenças entre as primeiras casas e aws novas da rua da Glória que voce relata.
A primeira foto também mostra o quanto o ribeirão ainda serpenteava por toda a região da foto. Primeiro ele foi totalmente retificado e depois canalizado em etapas que levaram anos. Esses trabalhos permitiram a ampliação da EIG e o surgimento da rua Doze. Permita-me uma pergunta: aquelas casas no iníco da rua Belo Horizonte também pertenciam à EIG? Recordo-me das famílias Cavaco, Wirth, Walter Krueger e outras mais que alí residiam.

Cao Zone disse...

Prezados/as, me criei envolto nos lençóis, fronhas e edredons feitos com tecidos Garcia. Depois de grande descobri o tal do algodão egípsio, 400/600 fios. Abraçaços do Cao

"Brasil x Argentina. Um jogão de bola... Mesmo fora do campo". Esse e outros textos você encontra em:

http://caozone.zip.net/

Vivien disse...

Sr. Adalberto,
Espero que o senhor já esteja totalmente recuperado
da enfermidade que passou.
Eu morei numa casa igual a estas, de madeira muito forte,
construída pelo meu avô aqui na Água Verde.
Era uma casa bastante grande com sótão.
Bons tempos aqueles!
Tenha uma ótima semana!
Paz!
Vivi.

Curt Heise disse...

Caro Adalberto: como blumenauense - nascido no ano de 1928 - conhecia as atividades da E.I.Garcia. mas notei a falat de menção de diversos nomes os quais são dos meus parcos conhecimentos:Snrs. Ernesto Stodieck que dirigiu a firma por muitos anos e uma figura lendária de nome Schieferdecker (do Grupo Mormano de S,Paulo)e que fazia parte daquele grupo Hauer do Paraná.E, também o snr. Rolf Elke - senão me engano - cunhado do Snr. Stodieck. Me lembro também do snr. Pera - motorista da E.I.Garcia. Estou certo? Curt - ecur@uol.com.br

Pfau disse...

Vejam, a foto é de um "cartão postal" de Blumenau. Eram vendidos em bancas de revistas e lojas de souvenires.
José Geraldo Reis Pfau

Nilton S. Zuqui disse...

Nasci e me criei no garcia,você Adalberto,bem sabe que meu Finado Pai morou durante muito tempo nesta casa(Empresa GarciA).Lembro muito bem que,cada vez em que iamos na casa de minha Avó(Paterna)era inevitavel acompanhar as peladas de futebol no nosso querido campo do 12(doze)quem ali viveu, lembra muito bem do que estou falando.Lembro também da Loja Prosdosimo,naquela região,é claro que quando iamos ao campo do 12,só ficavamos maravilhados com grandes Jogadores da época.Eu até me arrisco a dizer que muitos dali jogaram no Palmeiras,Amazonas e tantos outros.Que bom relembrar estes tempos,parabens meu Prezado Amigo.

Osmar disse...

Grande Beto
Ao ver esta fotografia,uma dorida saudade tomou conta de mim.
Na minha meninice, quantas vezes percorri esta rua,carregando meus sonhos,vendo estas casas onde muitos coleguinhas de escola moravam.
Como é importante,este teu fantástico trabalho de resgate e preservação destes registros, que contam a história da nossa boa gente blumenauense de antanho.
Infelizmente, a vida é tão somente um sopro de Deus, que nos sorvemos depressa demais e quando vamos fazer as contas,ela já passou.
Hoje só nos resta, revendo estas tuas boas imagens, reviver na lembrança os felizes momentos vividos.
Obrigado e um grande abraço,meu preclaro Beto!
Osmar Laschewitz

Jair Bernardes disse...

E pensar q uma das minhas tias morava em uma delas.... belas lembranças Day. Obrigado . Abr.

neu disse...

Bons tempos aqueles, que os empregados moravam proximo da fabrica e iam trabalhar a pé ou de bike. Depois vieram os sindicatos e proibiram essa vilas de operarios e hoje vemos a balburdia que é o transito com trabalhadores circulando de um bairro para outro, para chegar ao local de trabalho.

Henry disse...

Esta foto das casas de funcionários de E.I.G. nos remete a nossa juventude, era o caminho da roça, passava-se todo dia para ir estudar ou ir a casa Tomio de Dona Joana fazer as compras para a Mãe, guando não comprados na Cooper E.I.G. com Sr. Reinaldo Olegário/Vitorio ou o meu primo Valmir Scheurich o famoso (lipa), a primeira casa do meu pai foi neste estilo, o que facilitou a compra por parte da E.I.G. que na época estava construindo varias na Garcia,depois alugava para funcionários, por preços irrisórios.
Henry G,Spring

Anônimo disse...

postagem linda!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...