"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

- Jornal informativo do Pedro II

BLUMENAU, CIDADE QUE EU AMO

"NOSSO JORNAL", INFORMATIVO DOS ALUNOS DO PEDRO II  DE BLUMENAU (HÁ MAIS DE 60 ANOS)

Introdução
Mais uma bela colaboração de Carlos Braga Mueller/Jornalista e escritor, nos relata sobre O “Jornal Informativo dos Alunos do Pedro II” atual E.E.B. Pedro II. Lendo o texto, percebi o quanto Braga Mueller se orgulha de ter passado por este tão importante educandário, sua dedicação ao jornal, às disciplinas, professores, diretora. E o nível intelectual dos professores citados é de uma grandeza fenomenal, como também de ex-colegas como Dr. Mauricí Nascimento, que com sua dedicação conquistou a simpatia dos blumenauenses até os dias correntes.
Adalberto Day cientista social e pesquisador da história

Por Carlos Braga Mueller
  
Blumenau sempre destacou-se  pelo seu elevado nível cultural. E um exemplo dessa incessante trajetória pode ser aferida por um interessante periódico: "NOSSO JORNAL", órgão dos alunos do Curso Primário e Complementar do Grupo Escolar Modelo Pedro II de Blumenau, que começou a ser editado na década de 40 do século passado e cuja direção, reportagens e gerenciamento eram exercidos exclusivamente pelos alunos.
Claro que por trás desse aparato lá estava à diretora da escola, além dos professores e auxiliares.
Como ex-estudante do Pedro II, tenho vários exemplares publicados em 1949 e 1950.
Estampamos nesta matéria  parte da primeira página do NOSSO JORNAL de outubro de 1950, ano VII, nº 9.
No cabeçalho lá estão os nomes dos alunos responsáveis:
Diretor:Jan Rabe; Repórteres: Rui T. da Silva e Ingrid Hausmann; Gerente: Orlaf Otte.
Mal haviam passado os festejos do Centenário de Blumenau e por isso a página 3 foi reservada para alguns artigos sobre as festividades.
Mas para nós o principal assunto era a despedida da nossa diretora, e a edição deu ênfase ao adeus à Professora Iris Fádel, que estava se licenciando por um período de um ano.
Na capa, o aluno da 4a. série primária, Mauricí Nascimento, que depois seria um respeitado médico e inclusive Secretário de Educação do Município, escreveu  a principal matéria: "Mauricí à D. Iris".  No centro da página estava estampada a foto da Dona Íris e logo abaixo: "Minha Professora", primeira matéria que eu escrevi para um jornal, quando tinha 11 anos e frequentava o 1º PC (PC, pelo que me lembro,  era o Curso Primário Complementar, um ano de preparação que se fazia entre o término do primário e o início do ginásio).
Sim, porque se as notas da quarta série não atingissem um grau de excelência, o aluno era obrigado a fazer um ano de PC !
Afinal, quando se abriam as portas do ginásio,  todos recebiam uma carga extraordinária de ensinamentos. Eram quatro línguas: português, inglês, francês e latim (4 anos de latim, sem ser seminarista !), e mais Geografia, História, Ciências, Canto Orfeônico, Desenho, Trabalhos Manuais, Física, Química, e a temida (pelo menos para mim) Matemática.... 
Quadro de formatura tem como paraninfo o professor Orlando Ferreira de Merlo . 1945
alunas brincando de roda no pátio dos fundos do Pedro II. (ao fundo se vê a antiga Mafisa - prédio já demolido. No seu lugar está o IBES. Também se vê parte do telhado do antigo Ginásio da Sociedade Gynastica de Blumenau, que foi incorporado ao Pedro II quando esta sociedade foi desativada).
Em 1954,55/56/57/ usávamos estes aparelhos durante as aulas de ginastica. Prof. Arruda Salomé & Prof. Tico . 
O interior do Ginásio com os aparelhos de ginástica, herança da Sociedade Turnverein para o Pedro II. Os aparelhos de ginastica impressionavam a nós, alunos.

Ao lembrar destas matérias nos vem  à lembrança os nomes de alguns dos inesquecíveis professores:
Geografia tinha uma sala especial e a matéria era ministrada pelo Diretor do colégio, Rodolfo Gerlach; o Inglês era ensinado pela Misses Clemens, uma inglesa de verdade;
Desenho, em outra sala especial,  nos chegava pelas aulas do professor e pintor Emerich; Canto Orfeônico era dividido em duas partes: a teoria, as notas musicais (dó-ré-mi-fá-sol-lá-si) quem ensinava era o professor Orlando Ferreira de Merlo;  já o canto,  ao redor do piano de cauda no palco do Salão Nobre,  era com o professor Heinz Geyer ao teclado; os trabalhos manuais vinham dos ensinamentos do Wilson Alves Pessoa; Heriberto Mueller ensinava Latim  e as aulas de matemática eram fruto do temido professor Joaquim Floriani ! E quem descesse para o campinho, fazia física sob as ordens do Edgar Arruda Salomé. Mas o maior orgulho de todos nós, alunos, era a logomarca ostentada pelo Pedro II: Grupo Escolar Modelo Pedro II  !
Este rol de professores era aquele que atuava no início da década de 50, ou seja, há 60 anos !
Foto: MRoeck RöckAntigamente em Blumenau
Futebol de alunos no campo que ficava na parte baixa do Pedro II (Rua Pandiá Calógeras). Ao fundo está o Ginásio coberto da antiga Sociedade Gynastica. Era ali que eram dadas as aulas de educação física quando chovia.

Não se quer dizer que o ensino de hoje não é bom, mas que naquele tempo o Pedro II nos preparava para enfrentar o mundo, ah, isso ninguém pode contestar.
Quando o diploma do ginásio finalmente chegava às nossas mãos, nos sentíamos verdadeiros "doutores”! A formatura revestia-se de um cerimonial de alta classe: acontecia no Grande Auditório do Teatro Carlos Gomes, hoje batizado de Auditório Heinz Geyer, homenagem mais que justa ao nosso querido professor de música!

O PEDRO II E SUA HISTÓRIA - BREVE RESUMO
Foto: Paulo PorcherAntigamente em Blumenau
Fundos do Colégio (pátio) mostrando o prédio onde ficava (no térreo) o Salão Nobre. Na parte superior, com acesso pelo pátio central, ficava a Sala do Diretor e a Biblioteca (no início dos anos 50).

No dia 17 de fevereiro de 1889, os moradores luteranos de Blumenau inconformados com a intransigência religiosa do Padre Jacobs, que dirigia o colégio católico São Paulo (depois Santo Antônio, hoje Bom Jesus), resolveram fundar um colégio que não discriminasse os ensinamentos de Martinho Lutero, e assim surgiu o colégio que ficou conhecido como "Neue Deutsche Schule", ou ESCOLA NOVA ALEMÃ, berço do Pedro II de Blumenau.
Em novembro de 1938, com a campanha de nacionalização promovida pela ditadura Vargas, todas as entidades que carregavam nomes alemães tiveram que mudá-los, abrasileirando-os. No caso da Neu Deutsche Schule, em 05/11/1938 ela passou a chamar-se Sociedade Escolar Pedro II.
Continuou a ser, através dos tempos, um modelo de ensino.
Somente em 12 de agosto de 1942 a Sociedade Escolar Pedro II foi integrada à Rede Pública do Estado de Santa Catarina, com o nome de GRUPO ESCOLAR MODELO PEDRO II.
Em 25/05/1976 foi transformado em Conjunto Educacional Pedro II.
Foto: Dieter Altenburg Antigamente em Blumenau
O prédio visto de quem subia o morro vindo do campo de futebol e do ginásio coberto.
O tratamento carinhoso que lhe é dedicado, e até site existe com esta vinheta, é PEDRO II. Só.  E precisa mais ? 
_____________________________________
Adendo de Urda A. Kluger
Fui aluna do Pedro II durante sete anos - lá fiz o Ginásio e o Científico. Era um grande colégio, com laboratórios, prédios novos (na região da Alameda (isto foi de 1966 a 1972), maravilhosos professores catedráticos, e tudo o mais que se possa imaginar de um grande colégio. Devo ao Pedro II grande parte da minha formação. Naquele tempo em que eu estudava lá, também lá estudava uma mocinha que se elegeu miss Blumenau, chamada Vera Fischer. A diferença é que eu estudava no Ginásio e ela fazia o Clássico. De miss Blumenau ela passou a miss Brasil, e foi um imenso acontecimento em Blumenau a chegada dela à nossa cidade depois da eleição para miss Brasil. Foi recebida triunfalmente no centro da cidade, e no dia seguinte foi recebida no nosso colégio. Lembro como ela chegou em carro aberto, acompanhada pelo nosso diretor, o professor Joaquim Floriani, e de como ela era bonita! Usava um vestidinho mini de veludo vermelho, uma longa echarpe de lã branca em torno do pescoço e, nos lábios, uma coisa que nunca víramos, e que mais tarde se tornaria popular, o "brilho". Nosso diretor impava de orgulho, de braço dado com uma miss Brasil de verdade, coisa que naquele tempo tinha muita importância. Foi feriado no colégio, e todos nós nos aglomerávamos na Rua Pandiá Calógeras para ver aquela coisa magnífica!
O professor Joaquim Floriani era alguém muito especial, duro na manutenção da disciplina daqueles mais ou menos 5.000 alunos, orgulhoso da nossa fanfarra que era a melhor da cidade a desfilar no 7 de setembro, cioso do que o colégio apresentaria em tal desfile, mas muitas vezes tendo atos de brandura nos quais a gente nem acreditava muito, como um dia em que faltou um professor na nossa sala, e ele levou para lá um toca discos com discos de iê-iê-iê e disse para que nos aproveitássemos a folga dançando. Muitos anos depois, na altura da virada do século, uma noite, na FURB, soube do falecimento dele. Sem titubear, fui ao velório, imaginando onde caberiam os 5.000 ex-alunos do Pedro II que imaginei que apareceriam lá - e, pasma, dei-me conta de que a única ex-aluna que fora até lá tinha sido eu. Não sei como as pessoas esquecem o passado tão facilmente.
Como gostaria, agora, de lembrar, um por um, dos maravilhosos professores que tínhamos então! Sei que minha memória me trairá, mas vou tentar lembrar ao menos de alguns:
- prof. João Joaquim Fronza, de História, que além de ensinar História, ficava fazendo sugestões sobre leituras de Literatura, e eu não perdi nenhuma sugestão daquelas. Lembro como li, aos 15 anos, "Os sertões", de Euclides da Cunha, por sugestão dele. Era uma grande professor, que infelizmente tinha as mãos atadas naqueles anos de ditadura, e pouco podia expressar do seu íntimo;
- professora Tereza Paiva Ribeiro, também de História, que alavancou de vez este gosto que tomou conta da minha vida;
- professor Onésio Girardi, de Geografia, que não via por que não ^pôr em prática, já naquela altura, a interdisciplinaridade, e estava sempre nos enchendo de novidades;
- professor Alfredo Petters, de Matemática, com quem eu aprendia Matemática com o prazer de quem faz um piquenique;
- professora Lori Petersen, de Ciências, que nos levava para o laboratório, nos fazia aprender sobre células com o olho nos microscópios , espiando células de cebola, além de um dia ter levado todo um grupo de formandos, de ônibus, até Foz do Iguaçu, pelas ínvias estradas sem asfalto daqueles tempos. Tal viagem, na altura, tinha mais ou menos as dificuldades de se ir a Marte hoje. E ela era uma mocinha, pouquinho mais velha que nós. Não dá para esquecer, também, como a professora Lori Pettersen, um dia, dissecou um sapo com a nossa turma;
- professor Alceu Natal Longo,  de Biologia, que nos introduziu no mundo da Ecologia, e que tanto saber deixou na minha vida;
- professor Evaldo Trierweiler, de português, que era como que um guru para mim, e sem o qual eu não teria aprendido gramática.
Que me perdoem os que não estou citando aqui e que muito ajudaram na formação da minha personalidade e da minha vida.
Estudávamos para valer, e eu tinha dois amigos inseparáveis: o Piá (Osvaldino Quirino Filho) e o Jairo Rosa, ambos um pouco mais jovens do que eu - e, incrivelmente, com pouco mais de 50 anos, os dois morreram. É coisa que quase não dá para acreditar.
Eu era boa aluna, dessas que estava sempre em primeiro lugar na sala (normalmente, no terceiro trimestre eu já tinha 30 pontos na maioria das matérias, quando se precisava de somente 28 pontos para passar - mas nunca deixei de ir uma aulinha que fosse, até o final do ano), mas havia um outro aluno, que sempre estava em outra sala, que era como eu. Seu nome era Arleto Alves, e nós dois éramos os dois melhores alunos do colégio. Escrevo tais coisas, agora, tentando saber o que aconteceu com aquele menino, que rumo ele tomou na vida, pois depois que acabou nosso tempo de Pedro II, nunca mais soube dele. Deve ter tido uma vida brilhante - seu apego à escola já dizia tal coisa. Certa vez, creio que já no terceiro Científico, o Arleto Alves e eu acabamos sendo colocados na mesma sala. Foi a maior competição que se possa imaginar, cada um de nós querendo ser melhor que o outro - no finalzinho do ano somamos todas as nossas notas, pontinho por pontinho, e eu tinha conseguido um pontinho a mais que o Arleto. Grandes vitórias da adolescência!
Já me estendi muito - penso que algum dia devo escrever um livro contando as venturas dos tempos de Pedro II. Encerro contando que, muitos anos depois, quando eu já era historiadora e me aposentara como bancária, fui pedir emprego no Colégio Pedro II, e trabalhei lá por dois anos e meio. Fui uma das experiências mais maravilhosas da minha vida - chegava, estacionava meu carro no lugar onde meus antigos professores estacionavam as suas lambretas, e convivia com minhas turminhas inesquecíveis, cumprindo o meu papel de professora de História, que era o papel de inquietar. Até hoje encontro tais aluninhos por todos os lados, muitos já formados, já casados, já pais - e então penso na maravilha que foi e é ter um Pedro II na vida!
 Urda Alice Klueger
Escritora, historiadora e doutoranda em Geografia pela UFPR

Texto Carlos Braga Mueller/jornalista/escritor em Blumenau.
Arquivo Carlos Braga Mueller/Colaboração e envio das fotos do Antigamente em Blumenau Facebook, José Geraldo reis Pfau, publicitário em Blumenau    

13 comentários:

Anônimo disse...

Ф . In Arquivo de Hercílio Deeke consta a Cópia da “Ata da continuação da Assembléia Geral Extraordinária” convocada para 08 de junho de 1942, pela “Sociedade Escolar Pedro II” – na qual, entre outros assuntos, foi deliberada a doação, por unanimidade de votos, sem encargos ou condição alguma, ao Estado, dos bens componentes do patrimônio da mencionada sociedade. Presentes diversos sócios entre os quais Hercílio Deeke, Curt Hering, Max Tavares D’Amaral Foram objeto da doação, cf. entendimentos havidos com o Interventor Federal no Estado o Dr. Nereu Ramos : O patrimônio, da Escola Pedro II, constando dois terrenos sitos na cidade de Bl’au, respectivamente à rua Bom Retiro e à Alameda Rio Branco, com os prédios neles encravados, bem como o material escolar existente na mencionada Escola Pedro II. Pelo segundo ponto a ordem dia, tratou-se de dissolver a sociedade, proposta que foi aprovada por unanimidade de votos.
Ф Em 1952, junto à Escola Normal e Ginásio Estadual Pedro II, funcionava o “Clube de Sociologia Fernando de Azevedo”, do qual era presidente em 06/8/1952 o Sr. João Gregório Pereira Gomes.
Aditado por Kerusco.bnu@.......



Renate S. Odebrecht disse...

Segundo as pesquisas feitas por meu marido, Rolf Odebrecht, a Neue Deutsche Schule foi uma escola criada expressamente como interconfessional, embora dirigida durante 17 anos pelo Prof. Pastor Hermann Faulhaber, que se destacou sobremaneira na vida cultural de Blumenau.

EDEMAR ANNUSECK disse...

Caro amigo Adalberto, nosso Charles Mueller logo, logo pega uma vaga na Academia Brasileira de Letras. Ele tem trazido fatos super interessantes como o do Colégio Pedro II. Tb passei por lá fazendo o ginásio. E gostaria de acrescentar que além de Joaquim Floriani, Misses Clemens, Professor Rodolfo Gerlach que era o Diretor em 1960 lembro-me dos professores Vitor Gerlach, Nicolau, Zulma Althoff (hoje senhora Altair Pimpão) que foi minha professora de Canto Orfeônico, Wilson Alves Pessoa (Tico), não me recordo do nome da professora de francês e do professor de Latim que vinha ao colégio de lambreta.
Parabéns pela matéria brilhante.
Edemar Annuseck
São Paulo - SP

Braz disse...

Adalberto e Braga Mueller
O Pedro II é a única escola que conheço que se transformou numa estrela de primeira grandeza num asteroide sem a mínima importância. Meu irmão mais velho, hoje com 74 anos, formou-se no curso Clássico do Pedro II, cujos professores eram notáveis pelo saber e pela forma como sabiam manter a disciplina nas salas de aula. Concorria em igualdade de condições com o Colégio Santo Antônio, onde estudei, com bolsas de estudos, que me eram concedidas sempre com grande prazer por Frei Odorico , sempre com a interveniência do amabilíssimo Frei Fulgêncio. Minha professora de Português, à época, era a jovem Marina Wolstein, irmã do famoso Professor Rivadavia. Em certa ocasião, como castigo por algo que não lembro, me foi dada a tarefa de escrever 100 vezes o Hino Nacional. Fi-lo com letras tão miudinhas, mas tão miudinhas, e apenas 10 vezes,, e ganhei os parabéns por ter cumprido a tarefa. Faleceu poucos anos depois vítima de câncer.
Braz dos Santos.

Antonio Aires-toninhoreplicas@yahoo.com.br disse...

Maravilha,meu amigo e irmão...
Como sempre digo:somos herdeiros de fatos fantásticos,e ao ouvirmos as vozes do passado,os revivemos no presente...
Antonio Aires

Sylvio disse...

Muito legal ver as fotos antigas do Pedro II, onde eu também tive o prazer de estudar. Adalberto, porque as fotos antigas parecem de uma realidade mais bonita? Abraços, Sylvio Zimmermann.

Antunes Severo disse...

Brilhante, caro Adalberto.
Parabéns ao Braga Mueller também.
Bom 2013!
Antunes Severo

Braga Mueller disse...

Prezada Urda,

Que bom que a minha matéria reacendeu em ti a lembrança dos professores do Pedro II de uma determinada época, aquela em que você estudou ali, e confirma: o Pedro II possuia excelentes mestres !
Quero penitenciar-me por uma falha que cometi ao não citar o professor de Português dos meus tempos, o inesquecível Joaquim de Salles, que me incentivou, de todas as formas, a dedicar-me à sua matéria e principalmente às redações.
Como se vê, confrontando a minha relação e a tua, o quadro dos professores no teu tempo já era outro, mesmo assim persistia a qualidade, uma espécie de marca registrada perene do educandário, motivo de orgulho para todos nós, alunos, o que confere lugar de honra para o ensino público em nossa região.
É importante assinalar que a maioria dos blumenauenses, de uma maneira ou de outra, possui algum vínculo com a história do Pedro II.
Aproveito também para agradecer o complemento que foi enviado pela Sra. Renate Odebrecht, em Comentários, nos lembrando que, segundo pesquisa de seu marido Rolf, "a Neue Deutsche Schule foi uma escola criada expressamente como interconfessional". Com esta assertiva, confirma-se que a partir de então Evangélicos de Confissão Luterana e Católicos tinham tratamento idêntico nas salas de aula.
A todos que nos acompanharam através deste blog no decorrer de 2012, o meu muito obrigado e os votos de um Feliz 2013.
Carlos Braga Mueller

Jean disse...

Jean Sontag
Adalberto e Braga Mueller Ótima lembrança, escola que fez parte da minha educação. Encontrei a foto Ana Lucia, que é minha atual aluna de piano!

Osmar Hinkeldey disse...

Boa tarde Adalberto

Muito boa esta matéria sobre o Pedro II.
Também tenho boas lembranças deste Colégio, porque lá fiz o Ginásio e o Científico.
Gostei muito também do adendo da Urda que muito me lembrou o meu tempo, em especial o Prof. Fronza, meu professor de Geografia, que tinha uma memória fantástica: certa vez recitou em sala de aula o poema I-Juca-Pirama de Gonçalves Dias, de cor !!!
Abraço

Santos disse...

Adalberto e Braga Mueller
Meu grande amigo Beto. Obrigado por mais essa historia maravilhosa de marcos e pessoas tão conhecidas nossas. Conheci a maior parte desses professores do Pedro II. Um deles, Ewaldo Trierweiler, foi meu vizinho aqui por muitos anos e nos dávamos muito. Tanto com ele como com sua esposa. Foi vitima - como muitos - da famigerada ditadura e chegou a ser preso por haver feito certo comentário em aula. Na época, havia o tal serviço secreto do exercito que se infiltrava entre os estudantes e foi o que aconteceu com ele. Como era uma pessoa muito benquista na sociedade, houve um movimento popular de protesto contra a medida e acabaram soltando o professor. Muitos desses acontecimentos durante a ditadura permanecem em minha memória. Linda a historia da Urda de seu tempo de estudante. Obrigado mais uma vez por essa passagem. Um grande abraço e uma boa nova semana.
E.A. Santos

Anônimo disse...

O guga (gustavo kuerten),tambem estudou ali na 8 serie

Valdir Appel disse...

Braga e Beto, não tem algo mais delicioso do que estes mergulhos no passado.
Como os meus filhos ~irão descrever o seu tempo de colégio no futuro, eu não sei, provavelmente só vão lembrar dos vários celulares: do tijolão ao Tablet, e da falta de tempo para curtir algo que não cheire a tecnologia. Abraço e parabéns por mais este post.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...