"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

terça-feira, 30 de outubro de 2012

- O Aeroporto que Gaspar...e Blumenau, um dia perderam!

O AEROPORTO QUE GASPAR ... E BLUMENAU,  UM DIA PERDERAM !...

Mais uma bela colaboração de Carlos Braga Mueller/Jornalista e escritor, onde relata sobre “O Aeroporto que Blumenau perdeu”.




Por Carlos Braga Mueller





UM SONHO: O AEROPORTO INTERNACIONAL DE  BLUMENAU

Em 1949 começou a ser construído o aeroporto de Itajaí, situado à beira da margem direita do Rio Itajaí Açú, tendo por limite, do outro lado, a Rua Blumenau. O aeroporto foi batizado de Salgado Filho, nome que hoje já identifica outro aeroporto, o de Porto Alegre.
Em setembro de 1952 foi inaugurada a Estação de Passageiros daquele aeroporto, nominada Presidente Vargas, cuja placa foi descerrada pelo então Prefeito de Blumenau, Hercílio Deeke.
              Antigo aeroporto de Itajaí, com duas pistas, em forma de cruz.
Era por ali que, já naqueles tempos, os blumenauenses embarcavam para suas viagens aéreas.
Para avaliar a importância que na época o transporte aéreo significava para nossa região, existem registros de que a construção do aeroporto de Itajaí foi em parte subsidiada pela Prefeitura de Blumenau. Em 27 de dezembro de 1949, o Prefeito blumenauense Frederico Guilherme Busch Jr. assinou a Lei n° 98, concedendo um auxilio de Cr$ 10.000,00 para a construção do "Campo de Pouso" em Itajaí.
                                   Aeroporto Salgado Filho em Itajaí  (Foto: autor desconhecido)
 Com o correr dos tempos o aeroporto de Itajaí foi ficando acanhado. Novos aviões precisavam de pistas maiores, embora ele tivesse duas pistas, em forma de cruz. Houve casos em que, ao decolar, cercas que delimitavam a cabeceira da pista foram arrancadas pelos pneus do trem de pouso da aeronave.
Primeiro voo da companhia aérea Varig a chegar em Itajaí em 1959. A Varig tinha voos para Porto Alegre e São Paulo (Foto : autor desconhecido)
Foi então que alguns homens públicos, juntamente com empresários da nossa região, começaram a pensar em um novo local para sediar um aeroporto que, além de grande, pudesse atender tranquilamente Blumenau e todo o Vale do Itajaí.
   
A AÇÃO DE UM HOMEM PÚBLICO 
Hercílio Deeke, eleito duas vezes Prefeito de Blumenau (1951/1956 e 1961/1966), eleito também deputado federal em 1955, licenciou-se do mandato para exercer as funções de Secretário Estadual da Fazenda de Santa Catarina (31/01/1956 a 30/06/1960).
 Seria o principal articulador da construção de um novo aeroporto para o Vale do Itajaí.
Depois de estudos, foi encontrado um terreno ideal para se construir um aeroporto de nível internacional:  na margem esquerda do Rio Itajaí Açu, correndo paralelo ao centro urbano de Gaspar.
Existia, porém, um obstáculo: como chegar ao futuro aeroporto, do outro lado do rio?
Graças aos esforços de Hercílio Deeke, o Governo Estadual construiu ali uma ponte, depois batizada "Ponte Hercílio Deeke", que lá está até hoje, servindo a comunidade gasparense.

O projeto era na verdade audacioso, e em Florianópolis Deeke  desenvolvia as tratativas e os estudos técnicos para a implantação do aeroporto em Gaspar, em uma área que possibilitaria a construção de uma pista de até 3.800 metros.
Enquanto isso, Dorval Pamplona, prefeito de Gaspar também se movimentava.
O "Projeto Gaspar" ia de vento em popa e o prefeito daquele município, em 29/04/1958, enviou correspondência ao Ministério da Aeronáutica pedindo que fosse efetuado o levantamento da área, visando à execução do futuro aeroporto e a assinatura do respectivo convênio.
 Em 14 de novembro de 1958, o prefeito Dorval Pamplona, assinou a Lei n° 141/58, "declarando de utilidade pública, para fins de aquisição amigável ou judicial, áreas de terras destinadas à construção  e ao aproveitamento do Aeroporto de Gaspar."
Neste documento estavam relacionados  27 terrenos, cujos proprietários foram indenizados pelo Governo do Estado e realocados em área próxima à margem do rio. 

E  O AEROPORTO  PERMANECEU EM ITAJAÍ 
Mas enquanto as forças políticas e da comunidade de Blumenau e Gaspar se movimentavam para a efetiva construção do aeroporto na margem esquerda do Rio Itajaí Açú, distante apenas 15 quilômetros de Blumenau, em Itajaí forças idênticas se articulavam para manter o aeroporto naquela cidade.
Um novo local foi mapeado, no então bairro, hoje município de Navegantes. Na verdade, houve apenas a sua transposição para o outro lado do rio. Espremida entre o mar e o Rio Itajaí-Açú, a área foi então, segundo alguns na "calada da noite", homologada pelo Ministério da Aeronáutica, definindo oficialmente o novo  aeroporto de Itajaí, na praia de Navegantes, em detrimento ao de Gaspar/Blumenau.
                  Aeroporto de Navegantes, espremido entre o mar e o rio.

Hoje, o aeroporto ostenta o nome de Ministro Victor Konder, porque foi no mandato deste ilustre catarinense como Ministro da Viação e Obras Públicas que foi implantada a aviação comercial no Brasil.
Para não construí-lo em Gaspar foram arrolados vários problemas, muitos morros ao redor, excesso de neblina causada pelo rio, e por aí afora ....
Ato consumado, ficamos a ver navios (no verdadeiro sentido da palavra) e só restava arquivar o nosso projeto e lamentar a decisão do Governo Federal. 

Em 1970 o Aeroporto Salgado Filho de Itajaí foi finalmente desativado e o local ocupado pela CELESC.
Uma das últimas personalidades a utilizá-lo foi a Miss Brasil 1969,  blumenauense Vera Fischer que, depois da vitória, foi ali recepcionada com palmas e foguetes.
A partir de então, para chegar até Navegantes os passageiros deviam fazer a travessia em balsas. Ou então acessar o novo aeroporto pela BR-101, seguindo depois por estrada de barro até Navegantes, o que só seria melhorado muitos anos depois inclusive com a construção da BR-470, pela qual os blumenauenses seguem agora direto para Navegantes.
Hoje, sob a administração da INFRAÉRO, já existe projeto para a construção de uma nova pista em Navegantes. O aeroporto ficou pequeno para receber aeronaves mais possantes.
Se ele estivesse situado em Gaspar, a pista poderia se estender até 3.800 metros!
E nós teríamos um aeroporto internacional  aqui pertinho!
  
Registro: para a elaboração deste trabalho foram fundamentais as lembranças e "Memorabilia" do Memorialista blumenauense Niels Deeke, ao qual agradecemos pela colaboração (Carlos Braga Mueller).  

11 comentários:

Djalma(Anapolis) disse...

Beto, bela postagem, mas estive verificando e há de se relatar o seguinte. Naquela época e dali pra frente veja o seguinte... Irineu Bornhausen Foi vereador e prefeito de Itajaí, governador de Santa Catarina de 31 de janeiro de 1951 a 31 de janeiro de 1956 e senador de 1959 a 1967. Mera coincidência? Perdemos uma grande alavancagem econômica pra região.

Jimmy Fischer disse...

Muito interessante!

Mauro disse...

Beto
Bela matéria, pena que ficou na saudade....
Mauro Bremer

Paulo R. Bornhofen disse...

Bateu na trave!

Abraços,

Paulo R. Bornhofen

Cao Zone disse...

Prezados/as, e Blumenau ficou a ver navios... Quer dizer... Sem ver aviões. Abraços. Cao

Valdir Salvador disse...

Foi lamentavel,mas tudo bem eu sou uma pessoa de sorte, pois tenho uma foto do primeiro avião a aterrizar em Blumenau, um lindo teco-te co, foi na rua coronel, federssen, a data agora não lembro, pois estou longe da prova. abraços a todos. Valdir Salvador.

Marilena disse...

Adalberto
Parabéns pelo seu trabalho de pesquisa e por disponibilisa-lo para todos que se interessam pela história de Blumenau e de Santa Catarina. De certa forma resgatamos um pouco da nossa história também dos nossos antepassados queridos imigrantes.
Sr. Alberto como pesquisador talvez possa me ajudar , gostaria de saber como era feito o registro dos óbitos/nascimentos dos imigrantes da colônia blumenau, principalmente os que ficavam instalados provisóriamente nos barracões a espera da distribuição dos lotes de terra distribuidos pela região do vale do itajai, saberia onde posso pesquisar ? Será que faziam registros naquela época dos primeiros imigrantes? Meus antepassados chegaram em 1875 em Julho (Rio de Janeiro), passaram por Itajai em Agosto instalaram-se na Colônia Dr.Blumenau.
Qualquer informação será bem vinda, grata desde já e parabéns mais uma vez pelo belissimo trabalho.

Att.
Pacher, Marilena.

Osmar Hinkeldey disse...

Olá Adalberto

Hoje preciso me deslocar 60 km (Blumenau a Navegantes) para embarcar em um avião com destino a Porto Alegre.
De fato, foi lamentável para Blumenau este projeto não ter ido adiante.
Abraço

Wieland Lickfeld disse...

Muito obrigado, Braga Mueller e Adalberto, por compartilhar estas interessantes informações sobre o aeroporto que quase tivemos. Fatos passados em que não fomos bem sucedidos também fazem parte da história e não deve ser esquecidos. Grande abraço!

M. R. Schauffert disse...

Srº Adalberto, parabens pelo ótimo texto. O Terreno onde foi construido o primeiro aeroporto em itajai, na Barra do Rio, foi doado pelo meu Bisavô, Sr Germano Schauffert. Temos ainda documento que comprova a cessão de uso para a Varig, e meus tios-avós e parentes residiram muito tempo naquele local. É muito bom ver parte de nossa história resgatada.
Mais uma vez, parabens.

Thiago disse...

Seria errado agradecer os militares do período autoritário pela construção da BR-470?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...