"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

domingo, 28 de novembro de 2010

- Pavilhão da FAMOSC

- Famosc
A imagem de 1968, mostra o antigo pavilhão A da Proeb. Na época era administrado pela Comissão Organizadora de Exposições de Blumenau mais conhecido como Famosc. A estrutura foi demolida em 2005. Atualmente no local está a Vila Germânica. (Imagem: Arquivo de Dalva e Adalberto Day)
Publicado no jornal de Santa Catarina, coluna Almanaque do Vale Sábado/domingo 27/novembro/2010
Observação: A sigla IP é da antiga  Impressora Paranaense
____________________________

A imagem de 1966, mostra o antigo pavilhão "A" da PROEB - na época Administrado pela COEB - Comissão Organizadora de Exposições de Blumenau mais conhecida como FAMOSC - Feira de Amostras de Santa Catarina, demolido em 2005 - Atual Centro de Exposições Parque Vila Germânica, cuja inauguração ocorreu em 05 de maio de 2006.
________________________________
Acervo Jadir Soares
Onde fica a PROEB? – Lá na FAMOSC... e assim que se indicava o local.
Rua Alberto Stein, 199 – bairro Velha -
Foi criado para abrigar feiras e eventos na região de Blumenau e era chamado inicialmente de FAMOSC (Feira de Amostras de Santa Catarina) A FAMOSC foi orgulho de Blumenau ou antigo denominado Pavilhão "A". Mas a feira de amostras foi abandonada, o Pavilhão "A" virou local de bailes e futebol de salão, Basquete, Vôlei . O turismo perdeu espaço nobre, mas os esportistas, sobretudo de final de expediente e de fim de semana, vibraram com o novo ginásio. Até que surgiu a Oktoberfest. A festa de outubro maior de Santa Catarina nasceu nele.
A 22a. edição da festa em 2005 foi a despedida de gala do velho pavilhão. Depois passou a denominar-se PROEB.
A partir de 2006 após uma grande reforma, o parque recebeu diversas melhorias em todos os seus setores e a PROEB passou a se chamar Parque Vila Germânica, possuindo restaurantes e inúmeras lojas de artigos típicos.
Arquivo Dalva e Adalberto Day

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

- Inauguração da Nova Torre da Igreja Matriz

Apresentamos hoje mais uma colaboração exclusiva de importância fundamental para nossa historiografia do renomado Niels Deeke - Memorialista em Blumenau
__________________________________

HD: 81
Discurso de HERCÍLIO DEEKE
Qualificação : Prefeito Municipal de Blumenau
Local : Banquete Oficial no Tabajara Tênis Clube, oferecido pelo Prefeito Hercílio Deeke
Data : 01/ 6/1963
Tema : Inauguração da Nova Torre da Igreja Matriz (1) (2) (3) (4)
Exmo. Sr. Dr. Evandro Lins e Silva -DD. Representante de S.Exª. o Sr. Presidente da República
Exmo. Sr. Representante de S. Exª. O Governador do Estado
Excelência reverendíssima dom Gregório Warmeling – DD. Bispo Diocesano
Exmo. Sr. Presidente da Assembléia Legislativa
Exmo. Sr. Comandante do 5º Distrito Naval
Exmos. Srs. Drs. Juízes de Direito desta Comarca
Exmo. Sr. Comandante do 23º Regimento de Infantaria.
O impacto que a Igreja Matriz causa ao visitante, já o sentimos quando conhecemos há aproximadamente dez anos, o projeto que hoje é realidade na sua grandeza arquitetônica e, acima de tudo, como obra de fé, esforço, de sacrifício e de trabalho.
Desde a sua fundação o nosso Município estava predestinado a projetar-se no cenário político, econômico, financeiro, social e religioso do Estado e do Brasil. E essa predestinação era gerada, além do amor à terra, ao culto e respeito à fé cristã que não esmoreceu através dos anos, ao contrário, tornou-se prodígio da tenacidade, do entusiasmo e da vitalidade necessária para a consecução do bem comum – suprema aspiração do blumenauense.
Blumenau é um Município produtor. Sempre o foi. A prova está nos dados estatísticos. Com o seu notável parque industrial, com o seu apreciado comércio, com a sua agricultura, com a sua pecuária, Blumenau contribui com uma renda anual à União, ao Estado e às Autarquias, algumas vezes superior ao seu próprio orçamento. O retorno, em forma de benefício, espontâneo ou por lei, é percentualmente pequeno, tendo-se em consideração à arrecadação havida.
E o blumenauense demonstra todo o seu arrojo, sua coragem, quando sofre a fúria do Rio Itajaí Açu, tão enganador na sua placidez. Apesar de sucessivamente flagelado, a têmpera em que foi forjado, o faz cada vez mais forte.
Muitas reivindicações foram feitas e muitas ainda serão. É um direito inconteste que Blumenau, considerado a “Capital Econômica de Santa Catarina”, possui.
Sua Exa. o Dr. Evandro Lins e Silva, tradicionalmente ligado ao Vale do Itajaí, por certo será o porta-voz das nossas reivindicações e, com o seu reconhecido prestígio junto ao Exmo. Sr. Presidente da República, haverá de exercer influência para decisão favorável.
Hoje, como ontem, Blumenau é uma cidade que cativa, que atrai não só pelas qualidades de sua gente, como por suas obras.
Festejamos, agora, o coroamento de um desses esforços, conduzindo, sabia e infatigavelmente pelo Vigário da Nossa Paróquia de São Paulo Apóstolo, que idealizou a atual Igreja Matriz, monumento a Deus que através dos séculos vindouros, fará lembrar a fé daqueles que o edificaram.
Em todo o Brasil estreitam-se as relações entre a Igreja e o Estado, no interligamento das coisas temporais e eternas, tudo para alcançar-se a perfeição do binômio – espírito e corpo.
Em Blumenau, este auxílio mútuo, esta compreensão transmitida desde a sua fundação pelo Reverendo Frei Jacobs, e que não findará com o Reverendo Frei Braz (5), torna mais cristã e ideologicamente sadia esta Comuna em que vivemos, sonhamos, trabalhamos e professamos a nossa fé.
A festa de hoje, portanto, é de fé. Fé que temos em um mundo melhor, pois este possui a forma que atribui a nossa esperança de hoje embasada, momentaneamente, na afirmação cristã de nossos desejos.
É todo o município que se reúne ao soar o chamamento dos sinos da Torre da Igreja Matriz, para prestar culto ao Divino Espírito Santo.
A Majestosa Torre, toda de Pedra, coroada de singela cruz, com o seu significado que tornou a “ Terra de Santa Cruz – abençoada por Deus” , haverá de ver passar e proteger os que, sob sua escadaria de granito indestrutível, como a crença que, geração por geração, atendendo o chamado, subirão os seus degraus em a maravilhosa Casa de Deus, para ali fazerem as suas preces.
O Município de Blumenau, a Paróquia de São Paulo Apóstolo, estão profundamente honrados e desvanecidos com a visita do senhor Representante de S. Exª. o Presidente da República, do senhor Representante de S. Exª. o Governador do Estado, de Sua Exª. Reverendíssimo Bispo Diocesano, demais autoridades e todos os convidados presentes. Às Exmas. e virtuosas esposas dos nossos convidados, que vieram prestigiar o magno acontecimento, externamos os nossos agradecimentos e votos sinceros de uma estada feliz em nosso Município.
Apresento a Vs. Exªs. em nome do Governo Municipal, no da Paróquia São Paulo Apóstolo e, principalmente, do povo de Blumenau, os nossos sinceros cumprimentos de boas-vindas, almejando que guardem a imagem de uma comunidade que aprimorou-se no tirocínio das virtudes democráticas e de uma decidida vocação de fé cristã que está na essência da nossa estrutura humana, geradora que é do nosso amor ao trabalho e ao progresso.
Y
Referenciais :
Discurso de HERCÍLIO DEEKE
Qualificação : Prefeito Municipal de Blumenau
Local : Banquete Oficial no Tabajara Tênis Clube, oferecido pel.o Prefeito Hercílio Deeke
Data : 01/ 6/1963
Tema : Inauguração da Nova Torre da Igreja Matriz São Paulo Apóstolo
Página colecionada por Niels Deeke, integrando o espicilégio de Discursos de Hercílio Deeke. Arquivo Particular de Niels Deeke.
Y
Notas ao HD 81- Escólios de Niels Deeke.
1) VIDE MENÇÃO AO ACONTECIMENTO DA INAUGURAÇÃO DA TORRE NA NOVA IGREJA MATRIZ DE BLUMENAU , in : Relatório dos Negócios Administrativos do Município de Blumenau- Referente ao ano de 1963- apresentado à Câmara Municipal pelo Prefeito Hercílio Deeke à p. 99. O Banquete Oficial no Tabajara Tênis Clube foi promovido pela Prefeitura Municipal de Blumenau .
2) IGREJA CATÓLICA – matriz. A primeira construção foi obra projetada pelo Engº Heinrich Krohberger. Em 20 de setembro de 1868 foram colocadas as pedras fundamentais da igreja católica, que seria inaugurada em 1875. Posteriormente a edificação foi dotada de nova torre, e finalmente demolida, em 1953, por Frei Braz Reuter para dar lugar a nova matriz. Em 1952 foi criada, por frei Braz Reuter, uma comissão encarregada de discutir a construção de uma nova igreja matriz em Blumenau, cuja composição foi a seguinte : João Durval Mueller, André Sada, Rômulo Silva, Acary Guimarães, Adolfo Wollstein, Rodolfo Radtke e João Mosimann. A pedra fundamental da nova Igreja Matriz, foi lançada em 24/5/1953 contendo a inscrição Änno Domini 1953¨ e a consagração da igreja, procedida pelo então Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro – Dom Jaime de Barros Câmara, deu-se em 25 de janeiro de 1958, cujo projeto foi de autoria dos alemães Dminikus Boehm e Gottfried Boehm, respectivamente pai e filho, tendo Gottfried Boehm vindo à Blumenau verificar o terreno em que pretendiam construir o novo templo. . A responsabilidade técnica pela execução da obra foi do eng° Franz Hrozek sem sido o construtor Augusto Koester, cidadão blumenauense..Os blocos de granito foram extraídos na Serra da Subida – atual município de Apiúna, no médio Vale do Itajaí, e lá trabalhados, antes e serem transportados, geralmente de trem, até Blumenau. A construção levou portanto 05 anos para ser concluída. A igreja possui pé direito ( altura do chão ao teto) de 15 metros, podendo acomodar em seus bancos de carvalho até 3.000 fiéis, sendo sua capacidade de 6.000 pessoas. A nova Torre da Igreja Matriz de São Paulo Apóstolo, mediante o decreto do Prefeito Hercílio Deeke, de nº 436 de 10/12/1962, recebeu o Crédito Especial de Cr$ 200.000,oo para atender a despesa com o auxílio a ser aplicado nas obras de construção da “Torre da Nova Igreja Matriz de Blumenau”- concedido à Paróquia São Paulo Apóstolo de Blumenau, pela Lei nº 1.120 de 13/11/1962. Em 24/5/1953 foi lançada a pedra fundamental da Nova Igreja Matriz de Blumenau, dia em que festejou-se os 75º aniversário da Paróquia de São Paulo de Blumenau. A nova Torre da Igreja Matriz teve sua Pedra Fundamental lançada em 15/11/1960, porém desde setembro houve o preparo do assentamento. A Torre, com 45 metros de altura ( cerca de 05 metros mais baixa do que constava no projeto original) e que ocupa 49,50 metros quadrados na sua base, foi inaugurada em 31/5/1963 – sendo a cerimônia religiosa presidida por Dom Gregório Warmeling. O projeto original contemplava a torre com cinco sinos, porém foram aplicados somente três sinos procedentes da Alemanha. O maior com 510 kg e 110 cm de diâmetro foi denominado Jesus. O segundo em tamanho e peso, tem 350 kg e 98 cm de diâmetro sendo denomina do Maria. O menor dos três tem 200 kg e 82 cm de diâmetro e tomou o nome de José. O topo da torre é alcançado por 158 degraus existentes no interior de uma das duas colunas. A escadaria tem seis metros de largura e com 44 degrauis em onze lances de quatro degraus.

Torre
As pedras de " Pórfiro Rosado " ( ditas granito rosa) com que foi edificada a Torre e a Catedral São Paulo Apóstolo, além do muro na rua Padre Jacobs,  em Blumenau, vieram sim de ¨ TREM ¨ , provindas da lavra de cantaria no Morro da Subida entre Apiúna e Lontras no Vale do Itajaí onde foram talhados os blocos nas medidas previamente definidas.
Lavrar um bloco de granito porfírico demanda muito maior trabalho do que uma execução em granito comum- claro ou escuro- tais como os usuais paralelepípedos de pavimentação de ruas, em razão da massa daqueles conter grande quantidade de cristais que, ao ser talhada a pedra, não racha, facilmente, em sentido retilíneo. As superfícies obtidas no primeiro ¨talhe¨ ( Corte à ponteira por rachadura) requerem exaustivo picoteamento milimétrico em virtude de apresentarem-se muito ásperas e com saliências disformes, o que não  acontece com o granito comum.
Niels
======
 Em 19/4/2.000, com a elevação de Blumenau a sede episcopal diocesana, e sua instalação em 24/6/2000, a igreja Matriz São Paulo Apóstolo passou a denominar-se “Catedral São Paulo Apóstolo”. Tanto a Igreja com a torre foram projetadas pelo arquiteto alemão Dominikus Böhm, com a participação do filho deste : Gottfried Böhm.
3) IGREJA MATRIZ SÃO PAULO APÓSTOLO : Em Blumenau. A 16 de março de 1963 Hercílio Deeke dirigiu carta ao Presidente da República Dr. João Belchior Marques Goulart, apresentando o vigário da Paróquia de Blumenau- Frei Braz Reuter OFM que ia tratar da liberação na alfândega de Vitória- no Estado do Espírito Santo, da aparelhagem constante de três sinos em conjunto com o relógio, a ser instalado na torre de 45 metros de altura da Igreja matriz – centro da cidade, acoplados a três motores e um mecanismo automático com ligação elétrica ao relógio público, para acionar a sincronização deste com os três sinos. Vide arquivo de Niels Deeke – cópia da carta assinada H.D. Em 12.3.1956, de F’polis Hercílio Deeke passava o seguinte telegrama : “F’polis- 12.3.1956- Frei Braz Reuter- Vigário da Paróquia Blumenau- Estarei Sexta feira et Sábado Blumenau para informar sobre situação Processo Vitrais Pt. Saudações Hercílio Deeke- Secretário da Fazenda”. A escadaria da Igreja matriz possui 158 degraus em pedra lavrada. A torre possui 45 metros de altura, e, a sua construção, levou três anos para ser concluída. Igreja Católica - matriz. A primeira construção foi obra de Heinrich Krohberger. Posteriormente a edificação foi dotada de nova torre, e finalmente demolida por Frei Braz Reuter no fim da década de 1950 para dar lugar a nova matriz. Referir a longa fila de alunos que no ano de 1948 ou 1949, foi coercitivamente organizada pela Diretoria do Colégio Santo Antônio, quando mesmo os que professavam a religião protestante foram “obrigados - scilicet compelidos ” a beijar o “anel amarelo” do bispo. Noutra oportunidade D. Jaime de Barros Câmara, ainda Bispo, antes de ser Cardeal visitou o colégio e nisso novamente houve o beija anel de bispo, porém, nesta oportunidade, aos protestantes foi facultada a prática do ato, sendo-lhes exigido o aperto de mão. A nova Torre da Igreja matriz de São Paulo Apóstolo, mediante o decreto do Prefeito Hercílio Deeke, de nº 436 de 10/12/1962, recebeu o Crédito Especial de Cr$ 200.000,oo para atender a despesa com o auxílio a ser aplicado nas obras de construção da “Torre da Nova Igreja Matriz de Blumenau”- concedido à Paróquia ~São Paulo Apóstolo de Blumenau, pela Lei nº 1.120 de 13/11/1962.
O relógio que constou na torre do antigo prédio da Igreja Matriz de Blumenau, teve ativado o funcionamento de seu mecanismo somente em 1930.
4) OS TRÊS SINOS DA TORRE DA IGREJA MATRIZ SÃO PAULO APÓSTOLO
Transcrição da cópia assinada, em duas páginas, do ofício nº 322, do prefeito Hercílio Deeke, dirigido em 16.03.1963 ao Presidente da República- Dr. João Goulart..- doc. in arquivo particular de H.D. –Tabularium N.D.
“Escudo Armorial do Município de Blumenau- Prefeitura Municipal de Blumenau- Ofício 322-
“Blumenau, 16 de março de 1963- Ao Exmo. Sr. Dr. João Belchior Marques Goulart. DD. Presidente da República. Palácio do Planalto. Brasília D.F. —“Senhor Presidente : Tomo a liberdade de, com este, apresentar a Vossa Excelência o Vigário da Paróquia de Blumenau, Frei Braz Reuter – O.F.M., que vai à sua presença a fim de tratar de um assunto, que de perto, também diz respeito aos interesses desta cidade. Trata-se da liberação, com isenção de direitos alfandegários e mais taxas e despesas correlatas à importação de um conjunto mecânico, composto de três motores e um automático de ligação elétrica ao relógio público, para acionar, em sincronização com este, os TRÊS SINOS DA TORRE DA IGREJA MATRIZ ( o grifo em maiúsculo é de Niels Deeke) desta cidade, cuja aparelhagem ainda se acha retida na Alfândega de Vitória, no Estado do Espírito Santo. Esta aparelhagem é indispensável para fazer funcionar o badalar dos três sinos em conjunto com o relógio, instalado tudo na majestosa torre de 45 metros, recém- construída ao lado da nova Igreja Matriz, no centro da cidade, dando a Blumenau, juntamente com a suntuosa Igreja matriz, que é no seu estilo moderno e impressionante, construída toda ela em pedra bruta, um monumento arquitetônico de alto valor artístico, único em seu gênero no Brasil, chamando a atenção de todos quantos passam por nossa cidade, mesmo os forasteiros vindos de outros países, deixando-os todos, profundamente impressionados e maravilhados. Ante a situação que ficou criada com a retenção dessa aparelhagem na Alfândega do porto de Vitória, permito-me apelar, em nome do Governo do Município de Blumenau e da população desta cidade, a Vossa Excelência, no sentido de atender o pedido do Vigário Frei Braz Reuter, emissário não só da Paróquia Católica de Blumenau, como de todos os blumenauenses, sem distinção de crença religiosa, para que aludida aparelhagem seja prontamente liberada, uma vez que a construção da torre se acha concluída e sua inauguração marcada para os primeiros dias do próximo mês de junho, ato solene este que será grandemente prejudicado e seu brilho sumamente empanado, se, nessa ocasião, não pudesse ser posto em funcionamento, e para ser ouvido em todos os recantos da cidade, o festivo carrilhão dos tradicionais sinos da Igreja Matriz de Blumenau com o som das badaladas acionadas pelo mecanismo dos relógios da nova torre de granito. Na certeza de que Vossa Excelência não deixará sem solução o citado problema desta cidade que tanto o admira pela firmeza com que vem dirigindo os negócios deste País, levo-lhe o profundo respeito de meus munícipes, já sabedores de que com os novos rumos tomados pelo Governo não tardará aportar-se à realização de um Brasil grande e respeitado. Atenciosos cumprimentos – HERCÍLIO DEEKE- Prefeito Municipal.”
CONGREGAÇÃO MARIANA DA IMACULADA CONCEIÇÃO E SÃO PAULO APÓSTOLO DE BLUMENAU”, foi instituição legalmente constituída em 31/12/1938, com seus estatutos registrados no Livro de Pessoa Jurídica. Em conformidade com os artigos XII da Lei 1493 de 13/12/1951 e IV da Lei 2266 de 12/7/1954- não se qualificando nas restrições contidas no artigo V da citada Lei 1493 de 1951. A Diretoria da Congregação em exercício em 16/8/1962 era constituída pelos seguintes membros : Diretor: Frei Efrém ( Johann Mrosek) . Presidente : Antônio J. Ribeiro. Secretário : Felix Christiano Theiss. Tesoureiro : Osny Soares.- Tudo cf. atestado passado pelo Prefeito Hercílio Deeke em 16/8/1962. Em 25/01/1963 a diretoria da C.M.I.C.S.P.A. estava constituída pelos seguintes membros : Diretor: Frei Efrém Mrosek.OFM. Presidente: Antônio J. Ribeiro. Secretário : Félix Christiano Theiss. Tesoureiro: Osni Soares.
AÇÃO SOCIAL DA PARÓQUIA DE SÃO PAULO APÓSTOLO- “ASP” entidade mantida pela SOCIEDADE SÃO VICENTE DE PAULO.- com sede na cidade de Blumenau, tinha, em 15 de maio de 1963, como diretores, os seguintes membros : Presidente : João Durval Mueller. Secretário : Alberto Mueller. Tesoureiro: Carlos Maria Flesch. ( Vide atestado in arquivo HD. constante do “Tabularium de Niels Deeke”. A “ Ação Social da Paróquia de São Paulo Apóstolo- ASP” – foi declarada de Utilidade Pública, através da Lei Municipal nº 1.142 de 19/02/1963 sancionada pelo Prefeito Hercílio Deeke. Em 31/01/1963 a diretoria da Ação Social ASP- era constituída pelos seguintes membros : Diretor : Frei Efrém Mrosek- ºF.M. Presidente : Genésio Caminha. Secretário : Ivone Schnaider. Tesoureiro : Eugênio Santos Dalcenter.
5) REVERENDO FREI BRAZ : Frei Braz Reuter deixou Blumenau em 22/01/l965, quando foi transferido, inesperada e imediatamente para uma paróquia do Estado de São Paulo, após 13 anos de vicariato na Paróquia São Paulo Apóstolo em Blumenau. Através da Lei nº 1.172 de 11/7/1963, sancionada pelo Prefeito Hercílio Deeke, foi concedido o título de cidadão blumenauense ao revdo. Frei Braz Reuter O F.M. A cerimônia da entrega do Título de Cidadão Blumenauense ao Frei Braz Reuter deu-se a 30/11/1963 em solenidade realizada no Teatro Carlos Gomes.
Observação: O senhor RUFINO TOMASI, foi um dos responsáveis para que tudo isso se tornasse possível. Ajudou a construir os blocos de granito, desde os mais simples até os mais difíceis.
Texto enviado pelo nosso Grande Amigo Niels Deeke, Memorialista em Blumenau/SC
Arquivo de Adalberto Day

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

- Grande Hotel

A imagem de 1976 mostra o Grande Hotel Blumenau e, à direita, a Praça Hercílio Luz. O edifício foi inaugurado em 16 de dezembro de 1962, ocupando o local do antigo Hotel Holetz, demolido em 1959. Na época, o hotel era uma das edificações mais fotografadas pelos turistas. (Imagem: arquivo pessoal de Giovani Luebke e Adalberto Day)
Publicada no jornal de Santa Catarina, dia 18/novembro/2010. Coluna Almanaque do Vale.
O Hotel Holetz foi inaugurado em 01/09/1902 , na esquina da atual Alameda Rio Branco
A imagem da década de 50, do século passado , mostra edifícios que se destacavam na Rua XV de Novembro, em Blumenau. Um deles é o Hotel Holetz (E) logo após a ponte, construído em 1902 e demolido a partir março de 1959, cujas linhas arquitetônicas se constituíram durante toda sua existência num dos mais belos cartões postais da cidade.
História:
Moritz Holetz
Patriarca da família Holetz que se radicou no Brasil, Moritz Holetz nasceu em Marklissa Bei Goerltz, Alemanha, em 1830. Filho de Wilhelm Holetz e Henriette Weise, Moritz, cujo nome em português equivale a "Maurício", chegou a Blumenau em 1854, sendo um dos pioneiros da promissora colônia alemã que começava a se formar no jovem Brasil Império. Trabalhou ativamente no desenvolvimento da colônia Alemã, amparando e orientando os recém-chegados e fornecendo-lhes refeições, além de trabalhar como açougueiro. Em 1857, no dia 6 de setembro, casou-se com uma jovem alemã de vinte e quatro anos - três a menos que ele - de nome Caroline Ida Wagenknecht, que viera de Tromlitz e era filha de Henrich Wagenknecht. Moraram em uma casa construída na esquina da atual rua 15 de Novembro com a alameda Rio Branco, em Blumenau, onde hoje se encontra o Grande Hotel Blumenau.
Arquivo de  Dalva e Adalberto Day

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

- A Hora do chocolate quente

A imagem mostra à hora da merenda, ou o tradicional recreio. Era fornecido um chocolate quente, em uma caneca, no inicio da década de 60, no antigo Grupo Escolar São José, no Bairro Glória, em Blumenau. A menina de franjinha no balcão é Eliane Day, minha prima.

O Grupo Escolar São José foi fundado em 14 de fevereiro de 1929, com o nome de Escola Paroquial São José, hoje E.E.B. Celso Ramos.

- O Distrito do Garcia se orgulha de fazer parte desta história deste tão importante educandário. Principalmente o bairro Glória está feliz em poder compartilhar desta história de glórias. Poderíamos aqui nominar milhares de cidadãos e cidadãs que através deste educandário puderam conduzir uma vida mais digna de satisfação profissional e familiar.
Localiza-se no bairro da Glória e tem como diretor geral o professor João Albino Gonçalves e como seus assessores a professora Valéria Rulensky e o professor Renato Tottene. Atende cerca de 1500 alunos.

Nessa época eu e meus amigos também participávamos deste chocolate quente, porém eu poucas vezes tomei, por não gostar muito de leite, a não ser seus derivados, como queijo.
Na hora do recreio, após fazer o lanche, preparado pela minha mãe Augusta (Pão, manteiga, Salame e Queijo), embrulhados em um guardanapo de tecidos adquirido na Empresa Industrial Garcia, brincávamos de Pião, Kilica (bola de gude), Bibloquê (Bilboquê).
Arquivo de Eliane e Adalberto Day

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

- A Tecelagem União

A imagem, da década de 50, mostra a antiga Tecelagem União, fundada em 1943 por um tecelão chamado Christiano Theiss e sua esposa, dona Hilda. Com a fabricação de tecidos de algodão e felpudos e, juntamente com duas lojas próprias, gerou centenas de empregos até encerrar suas atividades em 1972. Localizava-se na Rua Amazonas, nº 1531.
(Arquivo Adalberto Day/Félix Theiss)

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

- Antiga Igreja Matriz São Paulo Apóstolo

A imagem de 1876 mostra a inauguração da Igreja Matriz São Paulo Apóstolo, de Blumenau. No alto das escadarias está o padre Jose Maria Jacobs. A foto está presente no arquivo histórico da cidade de Braunschweig, na Alemanha. (Imagem: arquivo pessoal de Carl Heinz Rothbarth e Adalberto Day)

Publicado no Jornal de Santa Catarina - 09/11/2010 - ALMANAQUE DO VALE - Da editoria de Geral
__________________________________

História:
A nova Igreja foi Construída com pedras de granito vermelho, a majestosa catedral apresenta um novo conceito arquitetônico para igrejas católicas. Projetada por Gotfried Boehm, a construção da nova igreja foi executada pelo Frei Brás Reuter, que colhia donativos da comunidade para dar continuidade às obras. Com a construção da nova igreja, a popular torre em forma de cruz foi substituída pela torre dos sinos e relógios. A torre de pedra tem 45 metros de altura e abriga 3 sinos e relógios. Novos sinos foram então adquiridos, mas só puderam ser instalados em 1963, após o término das obras da nova torre.
A imagem (E) é do início do século 20. A (D) Igreja em 1876, e casa paroquial . Foto acervo da família Day
Algumas datas importantes:
- 19 de Janeiro de 1953: O arquiteto alemão Gottfried Boehm vem a Blumenau para analisar o terreno onde seria erguida a nova Igreja Matriz São Paulo.
- 12 de Abril de 1953: O Frei Brás Reuter apresenta aos católicos de Blumenau uma mensagem como esclarecimentos sobre o projeto da nova Igreja Matriz São Paulo Apóstolo. O objetivo é eliminar eventuais divergências em relação ao projeto.
- 24 de Maio de 1953: É lançada a pedra fundamental da nova matriz.
- 17 de Outubro de 1956 : Com uma benção simples do padre provincial Frei Heliodoro Mueller, a parte do novo templo que já estava pronto é inaugurada e nela é realizada a primeira comunhão de um grupo de jovens fiéis. A antiga Igreja Matriz começa a ser demolida.
- 25 de Janeiro de 1958: A nova Igreja Matriz São Paulo Apóstolo é consagrada, em festejos que duram três dias (24 a 26 de Janeiro), em cerimônia presidida pelo cardeal-arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Jaime de Barros Câmara.
- 28 de Março de 1961 : Começa a construção da escadaria da Igreja, em granito maciço, com 6 metros de largura e 44 degraus. A inauguração é feita no dia 20 de maio do mesmo ano.
- 6 de Janeiro de 1963 : É colocada a última pedra na torre.
- 14 de Fevereiro de 1963 : A cruz é colocada no topo da nova torre da Igreja Matriz.
- 01 de Junho de 1963 : A torre da Igreja Matriz é inaugurada, com festejos que duram dois dias e uma cerimônia religiosa presidida pelo bispo diocesano, Dom Gregório Wameling.
Torre
As pedras de " Pórfiro Rosado " ( ditas granito rosa) com que foi edificada a Torre e a Catedral São Paulo Apóstolo, além do muro na rua Padre Jacobs,  em Blumenau, vieram sim de ¨ TREM ¨ , provindas da lavra de cantaria no Morro da Subida entre Apiúna e Lontras no Vale do Itajaí onde foram talhados os blocos nas medidas previamente definidas.
Lavrar um bloco de granito porfírico demanda muito maior trabalho do que uma execução em granito comum- claro ou escuro- tais como os usuais paralelepípedos de pavimentação de ruas, em razão da massa daqueles conter grande quantidade de cristais que, ao ser talhada a pedra, não racha, facilmente, em sentido retilíneo. As superfícies obtidas no primeiro ¨talhe¨ ( Corte à ponteira por rachadura) requerem exaustivo picoteamento milimétrico em virtude de apresentarem-se muito ásperas e com saliências disformes, o que não  acontece com o granito comum.
Niels
======
Observação: O senhor RUFINO TOMASI, foi um dos responsáveis para que tudo isso se tornasse possível. Ajudou a construir os blocos de granito, desde os mais simples até os mais difíceis.
- 2 de Junho de 1963 : São dadas por encerradas as obras de construção da Igreja Matriz de Blumenau.
- 19 de Abril de 2000 : É criada a Diocese de Blumenau, que viria a ser instalada em 24 de Junho do mesmo ano. Com isso, a Igreja Matriz São Paulo Apóstolo passa a se chamar Catedral São Paulo Apóstolo.
Diocese de Blumenau (SC) foi criada em 19 de abril de 2000 pela constituição Venerábiles Fratres do papa João Paulo II. que também nomeou a Dom Angélico Sândalo Bernardino (até então bispo auxiliar de São Paulo) como seu primeiro bispo diocesano. Foi oficialmente instalada em 24 de junho de 2000 na presença de Dom Paulo Evaristo Cardeal Arns, O.F.M.de vários bispos, padres e uma multidão de fiéis.
______________________________

 Foi no dia 04 de abril de 2009, que  Dom José Negri,tomou posse a partir das 10 horas como novo bispo de Blumenau ,  na Catedral São Paulo Apóstolo . Desejamos sucesso ao novo bispo, e que consiga conduzir a Igreja católica em Blumenau e região,sem discórdias , faça sempre uso do bom senso e da conciliação junto à comunidade. Temos a certeza que novos horizontes serão traçados....Parabéns pela nomeação. A comunidade de Blumenau está radiante, e o recebe de braços abertos.
Dom José Negri anunciou dia 29 outubro de 2014 que não é mais o titular da Diocese de Blumenau. (A transferência para Santo Amaro (SP) foi comunicada ao religioso dia 11 de outubro, mas mantida em sigilo pontifício e confirmada pelo Vaticano apenas ontem de manhã (29/10)14). Dom José fica em Blumenau até o fim do ano, mas já não pode ser chamado de bispo. Seu cargo agora é de administrador apostólico, que tem restrições na comparação com a função de bispo. 
Foto batida por Jaime Batista da Silva 
Dom João Francisco Salm
Bispo substituto: Neste domingo 25 Janeiro de 2015 , na Catedral, foi apresentado o novo Administrador Apostólico da ‪#Diocese de ‪#Blumenau. Ele é Dom João Francisco Salm, Bispo de ‪#Tubarão. Ele vai substituir o bispo Dom José Negri até que o ‪#PAPA anuncie o novo BISPO da Diocese de Blumenau que tem previsão para daqui 3 a 6 meses. 
*************
Dom Rafael
O novo Bispo de Blumenau foi anunciado dia 24 de junho/2015, será Dom Rafael Biernaski . Nomeado pelo Papa Francisco . Dom Rafael é natural de Curitiba e deve assunir em setembro de 2015Mons. Rafael Biernaski nasceu em 1 de Novembro de 1955, em Curitiba, na Arquidiocese de mesmo nome, no Estado do Paraná. O Bispo assumiu dia 29 de Agosto de 2015
Arquivo de Adalberto Day

terça-feira, 9 de novembro de 2010

- Nova Rússia


Documentário revela novos aspectos da história de Blumenau
Assista o documentário Só clicar
Danubia - Adalberto - Dalva - André
Fico muito feliz de participar deste documentário de uma das mais significativas e belas regiões de nossa cidade, a "Nova Rússia" no bairro Progresso,  do André que foi um dos meus alunos, -  aplicado, educado e estudioso, como também da Danubia.
Adalberto Day/cientista social e pesquisador da história
______________________________
Aconteceu no di (10/11/10) ás 20 horas, no auditório da Fundação Cultural de Blumenau que fomos assistir o documentário. Trabalho muito bem elaborado pelos organizadores do projeto, com a presença do nosso grande amigo secretário da Educação Osmar Matiola. Todas as escolas da rede estadual e municipal de Blumenau vão receber o documentário "Nova Rússia – a história de Blumenau passa por aqui". O material foi produzido pela jornalista Danubia de Souza, com direção de André Santos, através do Fundo Municipal de Apoio à Cultura.
O curta revela uma nova e fascinante história sobre a cidade, antes mesmo da chegada de Dr. Blumenau. E mostra ainda como foi o período de exploração de metais preciosos na Nova Rússia. "As pesquisas mostram que por volta de 1830, um inglês percorreu a região ä procura de ouro. E, assim como ele, muitos imigrantes passaram por aqui antes do fundador da cidade", explica a jornalista.

Em primeiro plano (Foto) o Secretário de Educação Osmar Matiola e na tela Adalberto Day
O projeto conta com a participação do cientista social e pesquisador Adalberto Day, do biólogo e mestre em ecologia Lauro Bacca, dos historiadores Martin Stabel Garrote e Urda Alice Klueger, além dos moradores e ex-moradores da Nova Rússia. Um dos entrevistados, inclusive, provavelmente é um dos últimos sobreviventes da mineração.
"Queremos que esse material sirva de referência para os educadores trabalharem com seus alunos, tendo em vista há poucas referências bibliográficas sobre este tema", salienta a produtora do projeto.
A comunidade atendeu ao chamado e compareceu em expressivo número, e após a apresentação, os idealizadores foram aplaudidos . Também foi servido um delicioso coquetel.
Acesse também:
http://adalbertoday.blogspot.com/2010/03/uma-mina-de-prata.html
Estamos à disposição para mais informações.
Att,
Liliane Machado
Assessora de Imprensa
(47) 8465-0676
Mais informações:
Danubia de Souza
(47) 8403-8363
___________
Arquivo de Dalva e Adalberto Day

- Do "12" ao Amazonas

A esquerda "12" e direita Estádio do Amazonas sendo aterrado
Quando garoto, a alegria tomava conta de nossa gente, nos idos anos de 1960 em diante. Estudar, se divertir e com uma boa educação sendo preparado para o futuro, sem vícios, sem drogas, bons exemplos fizeram parte de nossa vivencia, tanto as meninas como os meninos.
Nós os meninos, a alegria era geral, jogar bola no "12" ou Morro e no Amazonas. Também íamos no pasto do Sr. Rulenski e no pasto do senhor Souza, no Brasileirinho. Ir assistir um filme no Cine Garcia, no salão do Amazonas, banhar-se no Tapume do Garcia.
Mas meu relato hoje é sobre o "12" e o Amazonas. 
Obs.:  O "12" existiu devido a retirada do barro para a aterrar a antiga Praça Getúlio Vargas em 1954. 
O Cantinho da Saudade
O campo do “12” ou Morro Foto Sábado à tarde, domingo pela manhã sol ou chuva, “vamos ao majestoso¹”  estádio dos eucaliptos o clube “12”, para mais um jogo.Geralmente tínhamos que erguer novas traves, pois o Sr. Hipólito tinha recolhido para queimar em seu fogão a lenha. O pequeno campo do “12” ou Morro se localizava na rua Almirante Saldanha da Gama bairro Glória, próximo às empresas Garcia e Artex em Blumenau.  Tinha este nome de Doze , devido aos moradores da rua 12 de Outubro, hoje Praça Getúlio Vargas e Terminal Garcia.
Muitos craques se revelaram nesse pequeno campo, e foram jogar em equipes como Amazonas, Palmeiras, Olímpico e tantos outros. Suas dimensões não ultrapassavam 60x30, mais barro que grama, e foi palco de diversos jogos valendo uma “garrafa de capilé” (troféu da época). Quem teve oportunidade de conhecer esse pequeno espaço de propriedade da Empresa Industrial Garcia, com funcionamento, a partir de 1954 até 1979, jamais esquecerá, pois irá recordar de um gol (“eu fiz alguns de cabeça²”), de machucar o pé ou o dedo no solo irregular, (era comum o atleta atuar descalço). O Nino Valênçio, disse que fez cinco só em um jogo, será? Depois se tornou um dos melhores goleiros da história do Amazonas. Nesse dia o Ziza foi o goleiro, o Dinho, Luizinho, Cau, Egon, Dico, Aurélio, Fininho, Walfrido, Jonas Husadel,Ride, Valter Hiebert , Celesio Berns,Valmor, Edson e o Dedé também jogaram. Essa era a velha guarda, na nova geração até seu final, atuaram os Oliveiras, que só eles davam um time, os Vieira, Massaneiros, Malheiros, Silvas e Fontanelas, os Siegels (Nenê,Ticanca e Bigo), os Cavacos, Oechsler, Day, Moritz, os Galassini (Zinho e Tide) os Izidoros, os Zuchi, Huzadel, os Souza , os Schnaider, e tantos outros. Até você que está lendo este artigo agora, deve ter feito um gol, ou então sabe de um amigo ou parente que diz ter feito pelo menos um. Embora ninguém acredite até o Álvaro Luiz dos Santos (Toureiro) diz ter marcado um. Antes do jogo, o aquecimento era o famoso controle, só valia gol de cabeça. O Silvio Roberto de Oliveira , O Nilton das Silva eram bons também na cabeça e controle.
¹ majestoso, só os eucaliptos.
² de cabeça, Beto Day

Amazonas Esporte Clube
O Amazonas EC, foi fundado em 19 de setembro de 1919 mas que de fato era muito mais antigo porque existia desde 1911, muito conhecido pelo nome de "Jogadores do Garcia".
O clube Alvi – Celeste - ou anilado como era conhecido o Amazonas, fundado por empregados da Empresa Industrial Garcia , já praticavam o futebol desde o inicio do século XX, era o time proletário do bairro Garcia, teve como primeiro estádio por alguns meses, onde hoje é o batalhão do exercito. Depois se transferiu para as proximidades da Rua Ipiranga (conhecida como Rua Mirador), por quase cinco anos, posteriormente por alguns meses, na rua Progresso próximo a Artex, onde existia um bar conhecido como Bar do Iko, e, finalmente, em 1926, mudou-se para o definitivo local, próximo a Empresa Garcia, até ser aterrado pela Artex, em 1974.
O nome da praça de esportes Amazonense, se chamava Estádio da Empresa Industrial Garcia, o mais belo de Santa Catarina até então.
Relembro com muita tristeza a enxurrada de 31 de outubro de 1961, que destruiu totalmente toda praça esportiva, inclusive o salão, e ali foram encontradas três vitimas fatais presas ao alambrado. O reduto Amazonense ficou em ruínas, tal a violência da água que transbordou do curso normal do ribeirão Garcia, para causar destruição geral e deixar um rastro de calamidade. O gramado praticamente sumiu, tal o acumulo de areia, pedras, lama, árvores, móveis, balcão frigorífico, material esportivo, troféus, tudo ficou inutilizado.
Neste período de recuperação do estádio, que se tornou mais bonito, sediando até competições dos primeiros jogos abertos em Blumenau em 1962, o Amazonas treinava num estádio construído provisoriamente próximo de onde hoje é a praça Getulio Vargas Nos jogos oficiais, o mando de campo era no estádio do Palmeiras E.C, O Estádio foi reinaugurado em 23 de setembro de 1962, com a realização de um jogo amistoso entre o Amazonas e o Marcilo Dias, com a praça esportiva completamente tomada pelos torcedores, mas o placar foi desastroso para o Azulão que após fazer um bom primeiro tempo, perde por 6x2 na fase derradeira. Mas nada que ofuscasse o brilho das festividades, em seu magnífico estádio.
Quantos jogos memoráveis, que os torcedores Amazonenses presenciaram durante muito tempo. Ver os gols do grande Nena Poli, Leopoldo Cirilo, as defesas de Rudolf Rosumek , do Antonio Tillmann, do Nino do Ziza, Valdir, Deusdith, Gaspar, a zaga firme Oscarito, Tenório,Osny, Cilinho Corsini, Eloy, Vilmar Heiden (que jogou na meia esquerda,ponta), Elizeu,Nicassio muita classe e o Malheirinho talentoso, os chutes fortes do Chico Siegel, Ivo Mass, Tarcisio Torres, e os pênaltis cobrados pelo Gepe ...que categoria! O Arlindo Eing, Rizada, enfim, tantos que fizeram a glória do Amazonas. "Dizem os mais idosos, que jogou por aqui algumas partidas, o jogador Patesko, jogador do Botafogo do R.J., que também jogou na Seleção Brasileira”.
Como esquecer os gols de bicicleta do Filipinho, e aquele gol de calcanhar que o Dico fez contra o Palmeiras, as arrancadas fulminantes do Meyer, que quase sempre se transformava em gols, o Celinho, Duflis artilheiros natos, Nilson (Bigo) – maior artilheiro da história do clube) era zagueiro, fazia tantos gols que foi jogar de centro avante assim como tantos outros artilheiros que passaram pelo Amazonas.
O principio do fim Foi em 26 de maio de 1974, um domingo bonito com sol, mas sombrio pela circunstância, que o Amazonas se despediu para sempre do seu magnífico estádio, uma baixada que foi impiedosamente aterrada, pela Artex, em trabalhos de terraplanagem executado por duas possantes maquinas da Construtora Triângulo, o Amazonas vence o Tupi de Gaspar por 3x1, com 2 gols de Bigo e um de Tarcisio Torres, pelo campeonato Taça Governador Colombo Machado Salles.
Os últimos jogadores a pisar o gramado do majestoso estádio da Empresa Industrial Garcia, foram: Gaspar, Girão, Eloi,(depois Luiz), Nena e Adir, Nelsinho e Cavaco, Werninha (depois Poroca),Nilson (Bigo), Tarcisio e Ademir.
As comemorações juninas e natalinas, como também dia do trabalhador, dia da criança, patrocinadas pela diretoria do Amazonas e da Empresa, estando à frente da organização, o inesquecível Jose Pera, e em novembro de 1968, as comemorações do Centenário da Empresa Industrial Garcia S/A, foram acontecimentos que marcaram época.
Autor -Adalberto Day – Cientista Social  e Pesquisador  da História.
Arquivo de Giovani Luebke/Adalberto Day

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

- Johann Heinrich Grevsmuhl

Em 1860, com a chegada do imigrante alemão Johann Heinrich Grevsmuhl (foto) nascido em (12 de novembro de 1804 – provavelmente falecido nos primeiros meses de 1883, abordo de um navio que o conduzia para tratamento de saúde na Alemanha), o Vale do Garcia tomava novo impulso.
Não satisfeito com os trabalhos agrícolas, passara a explorar a madeira da região. Os compensadores progressos do empreendimento levaram-no a associar-se com dois vizinhos, August Sandner, Johann Gauche que conheciam a técnica da tecelagem, para a organização de uma fábrica e associaram-se com um tecelão, conhecido como Lipmann (já possuía  teares desde 1865) que ajudou a montar alguns teares e deram impulso na primeira indústria têxtil de Blumenau, com o nome de “Johann Henirich Grevsmuhl & Cia.” Este era o nome da pequenina tecelagem - Nascia naquela região, a semente da industria têxtil por volta de 1868, solidificando-se mais tarde com o nome de Empresa Industrial Garcia
 Em decorrência desta atividade têxtil, a região passaria por uma série de transformações, sendo uma delas o surgimento do lavrador-operário. A divisão da propriedade e o esgotamento das mesmas, provocadas pela falta de espaço para a “Rotação das Terras, dificultavam a opção do plantio, que não dependia exclusivamente do agricultor”.Na procura de terras para seus filhos e quando estas não eram suficientes, ocorria a divisão e subdivisão da propriedade. Esta prática de subdivisão das terras e o processo de industrialização desenvolvido na região do Garcia. Propiciou o surgimento do lavrador-operário já citado. Este, impossibilitado pela divisão e enfraquecimento da terra, e de viver de sua única fonte geradora de economia, busca na indústria ou na empresa artesanal uma renda alternativa, permanecendo em suas terras e cultivando-as nas horas que sobram, então se procurou adaptar-se ao trabalho na indústria e progredir dentro da mesma, para atingir um futuro melhor. As habilidades principalmente nos trabalhos artesanais, aprendidos em casa desde cedo, tornaram-no responsáveis e produtivos.
Empresa Industrial Garcia em 1967
Dentro desta visão, o constante processo de desenvolvimento econômico, e conseqüentemente populacional, começa a abranger o Garcia. A industrialização abria espaços para novos empregos e muitos migrantes vindos de outras cidades buscam o "ELDORADO" de uma vida melhor. Eram promovidas pela Empresa Garcia todos os anos festas juninas, magnificamente dirigidas pelos funcionários e apoio da Empresa, minhas recordações são as mais diversas, fogueiras, pipocas, corujas, brincadeiras, pescarias, roda da fortuna e tantas outras atrações, era emocionante. A festa do centenário da Empresa Garcia em 1968 foi emocionante, com shows de artistas de TV de todo o Brasil, tais como Golias, Ivon Cury e outros. O dia do trabalhador não era diferente, festa com teatros e desfiles pelas ruas Gloria e Amazonas, festas representativas de índios, sorteios da tão sonhada bicicleta e outras premiações, culminando com um jogo do time anilado ou Alve-celeste o Grande Amazonas. Sempre à frente desses trabalhos lá estava o Sr. Jose Pêra que era motorista dos diretores e treinador do Amazonas. Não há quem tenha participado ou ouvido falar sobre essas comemorações, que emocionavam toda a comunidade do Garcia, tem a convicção que como participante e atuante dessas festividades, é um cantinho de saudades que nos parece cada vês mais forte e evidente em nossa memória. Ali nessa região Sul a colonização foi pioneira e os responsáveis do empreendimento denominaram o nome da principal Rua de Die Kolonie (a colônia).

Rua Amazonas 1962
Para os moradores, era o local da “Gente do Garcia”. Como portal de entrada do bairro e de acesso a toda região do Vale do Garcia, a Rua Amazonas, com mais de 5 Km detém hoje um vasto e variado comércio e industrias. Foi conhecido primeiro por estrada geral do Garcia até 1919 e depois a ser a Rua Amazonas dos nossos dias correntes, que juntamente com a Alameda Rio Branco, foram as primeiras ruas da cidade a receberem asfalto. Em torno dela a vida socioeconômica do bairro cresceu. A venda dos Hinkeldey onde os agricultores faziam suas compras, trocas, o escambo:, a churrascaria Tiefensee, iniciada por George Frederico Tiefensee... e o Clube Amazonas que nas tardes de domingo fazia o bairro se enfeitar de azul e branco para vê-lo jogar em seu magnífico estádio da “Empresa”, o time era formado tão somente pelos funcionários da Empresa Industrial Garcia”. o Salão da família Hinkeldey, quantos relatos de felicidades e divertimentos, resultando muitas vezes em matrimônios duradouros, e depois nesse mesmo local transformou-se em Cine, “Cine Garcia” dirigido pelo Sr. Reynaldo Olegário, que proporcionava momentos de lazer maior a toda comunidade do Vale do Garcia.Vários empregados da Empresa Industrial Garcia, tinham outras atividades dentro da comunidade, um deles o Sr. Reynaldo Olegário Gerente da Cooperativa de Consumo dos empregados da Empresa Industrial Garcia, era proprietário do Cine Garcia. Outros participavam dos Clubes de Caça e Tiro Jordão e Centenário, alem de serem sócios do Amazonas E.C., aliás, o Amazonas até o início da década de 1970, era o clube de Blumenau com maior numero de associados, em torno de 3500.
Outros colaboravam não só financeiramente na construção da Igreja Nossa Senhora da Glória e da antiga Escola São José hoje Colégio Celso Ramos, como também na própria construção, os empregados logo após o expediente, almoçavam e iam trabalhar na construção.Também alguns empregados participavam de peças teatrais coordenados por eles mesmos. Algumas empregadas eram depois do expediente costureiras em sua própria casa. Era costume em quase todas as casas populares da Empresa Garcia, o cultivo de alimentos, os canteiros como era chamado como também os famosos “galinheiros” todo mundo tinha um, onde existiam galinhas poedeiras e criação própria dessas aves. Era uma verdadeira aldeia formada pelos trabalhadores da Empresa industrial Garcia, que em sua maioria viviam em harmonia. Os moradores primeiros e até os que se seguiram até os anos de 1960, se reportavam ao indicarem onde se dirigiam, diziam vou até “Blumenau”, principalmente quem residia no final do Garcia, Glória e Progresso, talvez influencia de ali ter sido a colonização primeira a se estabelecer.
Fonte: Acervo particular da Família de Adalberto Day

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

- Mulheres que governaram o Brasil

Mais uma participação exclusiva e especial do renomado escritor, jornalista e colunista, Carlos Braga Mueller, que hoje nos relata sobre, mulheres que governaram e irão governar nosso Brasil. Em Blumenau como em todo país, as expectativas e esperanças pra melhores dias são imensas. Independente de partidos, ou ideologias, "queremos o melhor para o Brasil".





Por Carlos Braga Mueller





ESTE BRASIL QUE EU AMO ! E ALGUMAS MULHERES QUE JÁ O GOVERNARAM.
Amanhece e começa um novo dia.
1º de novembro de 2010.
Os brasileiros têm uma mulher na Presidência.
Dilma Vana Rousseff (nascida em Belo Horizonte, 14 de dezembro de 1947) é uma economista, política,e presidente eleita do Brasil, filiada ao Partido dos Trabalhadores
Ela ainda não tomou posse, mas precisa ?
É a primeira representante do sexo feminino a assumir este cargo na República: a quarta mulher a governar o Brasil.
Antes dela, tivemos D. Maria I de Portugal, também conhecida como a Louca, que foi Rainha do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve.
Depois, tivemos a Imperatriz Dona Leopoldina, cuja atuação ao lado do marido, Pedro I, foi decisiva para que ele proclamasse a nossa independência. Em 13 de agosto de 1822, o Imperador viajou para São Paulo, onde iria acertar arestas políticas. Deixou a esposa como Chefe do Conselho de Estado e Princesa Regente Interina do Brasil.
Foi dela a correspondência que Pedro I recebeu naquele 7 de setembro, às margens do Ipiranga, contendo graves denúncias sobre o abuso que Portugal cometia contra os brasileiros.E mais: a Imperatriz lhe comunicava que já havia promulgado a independência. Foi o quanto bastou: o imperador não se conteve e bradou "Independência ou Morte".
Finalmente, a Princesa Isabel, filha de Pedro II, exercia com dignidade a regência do Império sempre que o pai se ausentava. De acordo com a Constituição Brasileira de 1824, Isabel ocupou também o cargo de 1a. Senadora do Brasil, a que tinha direito como herdeira do trono brasileiro.
Ao assinar a "Lei Áurea", libertando dos grilhões todos os escravos do Brasil, apressou a proclamação da República, contribuindo para que D.Pedro II fosse destituído do cargo de Imperador e toda a Família Real tivesse que deixar o país.
Ou seja: as mulheres, durante o Império, deixaram marcas profundas de seus breves, mas decisivos, comandos.
Com a República vieram tempos machistas e só agora, mais de 100 anos depois de Deodoro erguer sua espada e dar as boas vindas ao sistema republicano, é que o Brasil vê, entre incrédulo e orgulhoso, uma mulher chegar ao poder máximo da Nação.
Cabe, pois, à primeira mulher republicana no comando da Nação deixar um legado que acompanhe a tradição de suas antecessoras.
Dilma a presidenta/Eleita 2011/2014
Dilma Reeleita presidente 2015/2018
Afastada por impedimento pelo congresso federal e Senadores em 12/05/16. Afastada definitivamente do cargo de presidente em 31 de agosto de 2016 .
Assumindo interinamente por até 180 dias o Vice-presidente Michel Temer. Temer assume como presidente em 31 de agosto de 2016.
Eleições 2010
Esta eleição trouxe também uma característica sociológica que há muito os cidadãos do Brasil, de norte a sul, de leste a oeste discutem: um sul independente, algo nada palatável porque o país é um território sagrado, constitucionalmente indivisível. Só que aos olhos dos mais afoitos, a divisão está caracterizada quando se constata o resultado das eleições: o norte não vota com o sul, e vice-versa.
Eleições 2014
Uma eleição marcada com muitos episódios, morte em desastre aéreo   e que faleceu o candidato Eduardo Campos (O candidato a presidente do PSB, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morreu na manhã desta quarta-feira (13 Agosto/2014) após a queda do jato particular em que viajava em um bairro residencial em Santos, no litoral paulista. Campos tinha 49 anos. Eleição acirrada que Dilma venceu Aécio Neves com mais de 51% dos votos validos. 
Seria profundamente desagradável que tal embate voltasse às manchetes.
Cabe, pois, à nova presidente do Brasil a tarefa de unir esta gente toda, sem traumas, sem que sulistas enxerguem inimigos nos nordestinos, ou vice versa.
O presidente Lula tem sido um estrategista político de primeira, comprovado pelas ações desenvolvidas em seus dois mandatos. Como Dilma orgulha-se em tê-lo por mestre, imagina-se que ela também vá dar uma demonstração de união nacional, tão logo tome posse.
Uma demonstração forte neste sentido certamente fará a diferença nos novos tempos que se apresentam para a nação brasileira.
Texto Carlos Braga Mueller
Arquivo de Adalberto Day

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...