"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

domingo, 27 de dezembro de 2009

- Formatura Acadêmicos de Direito – FURB 2009

Data: 20/dezembro/2009
Introdução:

Hoje abro o espaço e o coração para mostrar um relato escrito pelo meu amigo Carlos Alberto Salles de Oliveira, sobre o orgulho que demonstra pela formatura de seu filho Carlos Nelson Salles Oliveira.
Seu filho Carlos Nelson, nos faz lembrar nosso tempo de juventude, onde estudar em uma Universidade era quase que impossível.
Mas o exemplo veio de seu pai Dr. Nelson Salles de Oliveira que “Na década de 1960, cursou com muito zelo e dedicação, o curso de Direito na Universidade Pontifícia Católica do Paraná. (não existia até então universidade em Blumenau). Com abnegação e persistência, se deslocava de ônibus até Curitiba, cinco dias por mês, para estudar e prestar seus exames, pois continuava a exercer suas funções na Empresa Industrial Garcia. Recebia uma ajuda de cinco dias por mês para realizar seu sonho acadêmico, e viu seu esforço não só particular, mas de sua família recompensado, pois atingiu com sucesso seu objetivo de se formar em direito”. Foi o primeiro cidadão em nossa comunidade que se formou em Direito, e para nós era motivo de orgulho Trabalhou na E.I. Garcia, foi presidente e colaborador do Amazonas E.C., trabalhou em causas sociais, igrejas, Escolas, sindicatos,Justiça Eleitoral, Cooperativas de Consumo.
Em 1968 juntamente com José Pêra e outros abnegados, prepararam uma festa que jamais será esquecida, pelos Garcienses, quando do Centenário da Empresa Industrial Garcia.
Com a incorporação da Garcia à Artex,em 1974, Dr. Nelson trabalhou até 31 de maio de 1981, sempre exercendo funções de destaque na área Jurídica daquela empresa, e, deixou um legado de honradez de obstinação pelo trabalho e lazer, que devem servir de exemplos a todos nós. E é justamente por isso que abro este espaço.
Atenciosamente
Adalberto Day Cientista Social e pesquisador da história.
 “UM CONVITE EXTRAORDINARIAMENTE ... ESPECIAL”
Por Carlos A. Salles de Oliveira

Foto: 1
Recebi no princípio deste mês um Convite, muito bem encadernado, divinamente elaborado, belamente ilustrado. Ao analisá-lo minuciosamente me dei conta da enorme importância que este significava para mim, o incomensurável valor que acrescentava para a nossa família e o imenso orgulho e satisfação pessoal que se percebia, deste que na abertura do documento se apresentava e em nome de muitos convidava: Carlos Nelson Salles Oliveira e demais formandos do Curso de Direito da FURB 2009, sentir-se-ão honrados com a presença de Vossa Senhoria e Excelentíssima Família para as solenidades de sua formatura. Imediatamente lembrei de que este menino, agora adulto, deste pequeno sempre dizia:           “UM DIA SEREI ADVOGADO COMO MEU AVÔ”.

                                                                         Foto:2
Em Mensagem Inicial já pude perceber a profundidade de um raciocino inteligente e muito realista, como em sentenças que em alguns trechos diziam: Olhe para frente, muito já passou ... Continue caminhando pois a estrada só tem fim quando assim desejamos ... Continue sonhando, pois é de sonhos que vivemos ... Viva bem, plenamente e positivamente cada dia, pois assim saberás que estarás construindo para você, um futuro melhor ... e ame, ame muito, pois são as coisas feitas com amor que perduram na eternidade

Foto 3
 Após as Homenagens Administrativas e Homenagens Especiais, um momento de seriedade, de comprometimento, de promessa. O Juramento: “Juro, como Bacharel em Direito, no exercício das minhas funções e do meu ofício, respeitar os princípios sobre os quais se assentam as leis, guiar-me à luz da Ética , sempre em busca da Justiça, e dos Valores Humanos, valendo-me do Direito como instrumento máximo para assegurar aos homens os seus direitos fundamentais e intocáveis, sem distinção de qualquer natureza. E, acima de tudo, prometo defender a liberdade, pois sem ela não há direito que sobreviva, nem paz que se concretize”

Foto 4
Com a apresentação do extenso Corpo Docente vieram as expressivas e muito bem elaboradas Mensagens, inicialmente A Deus: Que plantou em nós um sonho e hoje se materializa ... Ao criador do céu, da terra e tudo que há ... Que sempre esteve e estará a nos conduzir, nosso muito obrigado ; Aos Mestres: Caríssimo Mestre ... Ao longo destes 5 anos de nossa caminhada, você guiou nosso caminho ... E diante destes e de outros incontáveis benefícios recebidos ... Que rendemos a você nossas homenagens ... Certos que carregaremos para todo o sempre o que nos ensinou ; Aos Pais: ... saibam que por mais incerto que seja o nosso futuro, seremos sempre o ‘Ser Humano’ que ensinaram-nos a ser ... agradecemos com o ato simples da semente, dando hoje a certeza da colheita ; A Quem Amamos: coube com muita felicidade o “Soneto da Fidelidade” de Vinícius de Morais ; Aos Amigos: ... ser amigo não é coisa de um dia ... São atos, palavras, atitudes que se solidificam no tempo e não se apagam mais, que ficam para sempre como tudo que é feito com o coração aberto ; e com o sentimento da saudade, Aos Ausentes: Quando subir ao palco para receber meu diploma, sentir-te-ei ao meu lado, sorrindo feliz ... Um misto de alegria e saudade ... E, por todo tempo que ainda viver, perpetuará tua memória e hei de ser fiel aos teus princípios.
            
Foto 5
Completando este belíssimo e artístico Convite, a apresentação da Comissão de Formatura que, com responsabilidade e competência, este a presidiu e, a Mensagem Final com letras em ouro representando todo o seu valor, em resumo assim transmite: ... olhando a vida sob meus pés, vejo a vida correr ... E, assim, cada passo que der, tentarei fazer o melhor que puder ... E assim escutarei o tempo, que ensinará a tomar a decisão certa em cada momento ... E partirei em busca de muitos ideais ... Hoje sinto em mim a emoção da despedida ... Hoje é um ponto de chegada e, ao mesmo tempo, ponto de partida.


Foto 6
 Tão lindo quanto a obra de arte deste Convite foi as solenidades da formatura e, o brilhante baile que celebrou com imensa alegria, a glória de todos os heróicos Bacharéis em Direito desta elogiável turma da FURB de 2009


       
    Fotos: 7 e 8
Especialmente ao Bacharel Carlos Nelson Salles Oliveira desejo a inteligência, competência, honestidade, prudência, equilíbrio, dinamismo, perseverança, aperfeiçoamento, profissionalismo e muitos outros honrados predicados, princípios que sempre nortearam a vida humana e profissional do digníssimo Advogado, Avô e Amigo, já Ausente: NELSON SALLES DE OLIVEIRA.
CARLOS A. SALLES DE OLIVEIRA

sábado, 26 de dezembro de 2009

- Jornal de Wilhelmshaven



Novamente a participação em meu blog, do amigo Werner H. Tönjes, nos mostrando e traduzindo mais um de sesus  belos artigos enviados à jornais da Alemanha.

Tradução: Werner Henrique Tönjes

Wilhelmshaven, Alemanha 4a feira, dezembro de 2003.

Feliz Natal e bom Ano Novo ! da antiga colônia alemã de Blumenau. A torre e a igreja são projetos do arquiteto alemão Gottfried Böhm de Colônia. Esse é o centro da cidade e nós residimos 50 metros distante (no postal a segunda casa a direita)



Na fachada está escrito wilhelmshaven WHW-1924 -A.D.  data da vinda da família Tonjes para Blumenau 1924 e ANNO DOMINI, 1924 A.D.

Cedo começará o calor infernal. Apesar de somente 42 graus a sensação térmica é ultrapassada em alguns graus. Brasil é o destino de viajem de muitos europeus, preferencialmente no norte. Os descendentes de alemães concentram-se principalmente no sul e em São Paulo. Werner Tönjes,Blumenau,Brasil
Arquivo de Werner H. Tonjes/Adalberto Day

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

- Natal Alles Blau em Blumenau



Novamente podemos apreciar uma bela decoração nas principais ruas de Blumenau em 2009. A secretaria de Turismo/Prefeitura de Blumenau e CDL,vem se esforçando, para que a cada ano possamos evoluir e quem sabe em um futuro breve, chegarmos próximo as festividades natalinas da cidade de Gramado RS, que se inspirou em nossa cidade. Todos os órgãos gestores de nossa cidade se envolveram em um esforço grandioso de recuperação desde a tragédia de nov./2008, para que a economia possa girar.
Este ano já estivemos em Gramado, assistindo aos eventos natalinos, e posso dizer em breve seremos idênticos ou melhor que eles, “foi de nós que copiaram em 1986”.


O Natal na minha Infância.
Meus avós, pais todos cultivam essa tradição que representa o nascimento de Jesus. A cidade se enfeitava, os presépios eram sempre as atrações principais, acompanhada do “bom velhinho”.
- Mas as festas natalinas começavam mais cedo, no dia 6 de dezembro, onde a figura de Bispo Nicolau, que viveu e pontificou na cidade de Myra, na Turquia, no século quatro. São Nicolau era rico, mas costumava ajudar pessoas pobres, que estivesse em dificuldades financeiras, colocando sacos de moedas, nas chaminés das casas. Uma vez ao atirar pela chaminé, essas moedas teriam entrando em uma meia, daí o termo “pé de Meia”. E foi assim que aprendi com minha avó Ana e meus pais, que a figura do Papai Noel teria se inspirado no Bispo Nicolau.


- No dia 24 de dezembro véspera de Natal, já cedo íamos ao mato cortar uma arvore (ou na casa do Senhor Djalma e Ingeborg (Inha) Fontanella da Silva, ou ainda na Frau Bachmann, mãe do meu amigo Walfrido – da antiga Rua 12 de outubro) para depois durante a tarde enfeita-la com bolas coloridas e como não havia luzes “piscas-piscas” eram colocados velinhas também coloridas para iluminar o pinheiro. Muita alegria e confraternização entre os moradores das Ruas próximas onde morávamos: Almirante Saldanha da Gama, da Glória, 12 de outubro, Belo Horizonte, Progresso, e Vila. Mas um natal desses não foi tão bonito, pois uma velinha de cera ao cair nas vestes de nossa vizinha e colega Sandra, pegou fogo em suas vestes e lhe causou graves queimaduras em seu pequeno corpo, já que era uma garotinha de uns 10 anos. Era um dia especial, se colocava a arvore somente no dia 24, devido ao calor sempre predominante, a ramas murchavam facilmente.
- Em nossas ruas do bairro Garcia e Glória, eram colocados enfeites coloridos em toda extensão das vias públicas, da Rua Amazonas e Rua da Glória. Também havia sempre um presépio em forma de personagens de tamanho natural, colocado na antiga Praça Getulio Vargas, no início do Progresso, Glória e final do Garcia. E as músicas natalinas que ouvíamos bem cedo provenientes dos auto-falantes da casa Nº. 111 da Rua 12 de Outubro, residência do Senhor David Hiebert, mais conhecido como Russo, (hoje praça Getulio Vargas).


LOJAS HM - Hermes Macedo -década 70
- Essa era a década principalmente dos anos de 1960, esperávamos ansiosos os presentes, que naquela época era raro, era costume os pais dar o mesmo presente, durante alguns dias, e depois os guardava para o ano seguinte. Da mesma forma as bonecas eram recolhidos alguns dias antes do Natal, e as mães as vestiam com roupinhas novas, para dar novamente as filhas na noite véspera do Natal. Os carrinhos eram todos de madeira, mas a bola para jogar o ano inteiro no clube doze (no Morro) há essa não podia faltar, e não era recolhida, ganhava todos os anos.

- E o presépio lindo que data de 1950, era da minha avó Ana, guardamos em nossa residência desde 1976 quando nos casamos e “tomamos posse desta tão linda ornamentação”. A confraternização era linda entre os moradores, em nossa aldeia social, morávamos nas casas pertencentes a E.I.Garcia. Não Faltavam os lindos cantos natalinos, pura nostalgia e que cultivamos nos dias de hoje mantendo a tradição.


História
Há 16 séculos na Turquia, havia um menino rico que não suportava ver a miséria existente. Então decidiu distribuir brinquedos, alimentos, roupas.
O Papai Noel foi inspirado no Bispo Nicolau, que viveu e pontificou na cidade de Myra, na Turquia, no século 4. São Nicolau era rico, mas costumava a ajudar pessoas pobres, que estivesse em dificuldades financeiras, colocando sacos de moedas, nas chaminés das casas. Uma vez ao atirar pela chaminé, essas moedas teriam entrando em uma meia, daí o termo “pé de Meia”.


Quando cresceu se tornou bispo “São Nicolau” (dia de São Nicolau comemorado em 06 de dezembro) e continuou com sua generosidade. Foi através dele que surgiu a lenda do Papai Noel na Finlândia, já com trenó, renas, descendo as montanhas geladas. Mas foi na França que surge o termo “Papai Noel” depois imitado pelos Italianos que antes chamavam o bom velhinho de “Babbo Natale”. O Cartão de Natal surgiu na Inglaterra em 1843. Mas foi em 1849 que começam a serem comercializados, tornando-se populares. A figura do Papai Noel, foi elaborado pelo cartunista Thomas Nast, da revista Harper”s Weekly em 1881.

                                   Prefeitura de Blumenau dez/2009
A tradição de arvores de Natal foi a partir do século XVI em 1525 na Alemanha, pelo pastor protestante Martinho Lutero.. Já o presépio acredita-se é desde o século 8 em Roma, e mais tarde em 1223 São Francisco de Assis fez o primeiro presépio vivo que se tem noticia. O dia 25 de dezembro começou a se comemorar o nascimento de Jesus a partir do ano 353, até então eram em diversas datas.
Noite feliz

A canção mais popular da noite de Natal nasceu na Áustria, em 1818. Na cidade de Arnsdorf, ratos entravam no órgão da igreja e roeram os foles. Preocupado com a possibilidade de uma noite de Natal sem música, o padre Joseph Mohr saiu atrás de um instrumento que pudesse substituir o antigo. Em suas peregrinações, começou a imaginar como teria sido a noite em Belém. Fez anotações e procurou o músico Franz Gruber para que as transformasse em melodia.A versão brasileira da canção também foi feita por um religioso: o Frei Pedro Sinzig. Também nascido na Áustria, em 1876, estudou música em sua terra natal e veio morar na cidade de Salvador, na Bahia, em 1893. O frei naturalizou-se brasileiro em 1898 e se destacou como um grande incentivador da música religiosa no país. Em 1941, criou a revista Música Sacra e fundou a Escola de Música Sacra, na cidade de Petrópolis, Rio de Janeiro. Frei Pedro é autor de várias músicas do mesmo estilo e livros sobre o assunto e também atuou como consultor e conselheiro de muitos compositores, inclusive de Villa-Lobos, que dedicou a ele a canção "Missa S. Sebastião". Frei Pedro morreu na Alemanha em 1952.


Mensagem:
Dentro de alguns dias, um ano novo vai chegar a esta estação. Se não puder ser seu maquinista, seja o seu mais divertido passageiro. Procure um lugar próximo a janela e desfrute cada uma das paisagens que o tempo lhe oferecer com o prazer de quem realiza a primeira viagem. Não se assuste com os abismos, nem com as curvas que não lhe deixam ver os caminhos que estão por vir. Procure curtir a viagem da vida observando cada arbusto, cada riacho, beiras de estrada e tons mutantes da paisagem. Descobre o mapa e planeje roteiros. Preste atenção em cada ponto de parada e fique atento ao apito de partida. E quando decidir descer na estação onde a esperança lhe acenou, não hesite. Desembarque nela os seus sonhos. Feliz Natal e feliz ano de 2010
Arquivo de José Geraldo Reis Pfau /Pfau Comunicação e Adalberto Day


domingo, 20 de dezembro de 2009

- Programa Mesa de Bar TV Galega de Blumenau, parte 2


Programa Mesa de Bar
Hoje dia 20/dezembro/2009, estarei participando do Programa Mesa de Bar, na BTV canal 7 - TV Galega de Blumenau.
 Segunda Parte
Apresentador Sr. Altair Carlos Pimpão. O Programa gravado, vai ao ar nos dias 20/dez/2009 as 21hrs, reprise dias 21/dez/ - 11hrs e 23/dez -14hrs.
____________________
Nota de esclarecimento:

Caros amigos leitores do Blog.
A segunda parte do programa Mesa de Bar, com minha presença/participação que era para ser exibido neste domingo 20/dez./2009, lamentavelmente não foi ao ar conforme combinado previamente com a emissora, frustrando centenas de amigos.

Criei a expectativa, no blog, no Twitter, por e-mails, enviei Newsletter para centenas de contatos, além de telefonemas... Ligamos para a emissora, e nos foi dito que deveríamos ligar na segunda-feira, para mais informações.

Adalberto Day/cientista social e pesquisador da história

Convido a todos assistirem ao programa, conto minha trajetória desde a infância até os dias atuais.
Nesta segunda parte, falo principalmente da vida escolar, e do cotidiano da infância, clube Amazonas, Clube Canto do Rio, Nosso clubinho 12 ou morro, meus amigos Vida Profissional, Empresas Garcia e Artex. 23 BI, Venda do Colégio Celso Ramos, Vapor Blumenau, estrada de ferro, festas populares, Menino Santo, Tapume.
Quero agradecer o convite feito pelo senhor Altair Carlos Pimpão. Uma cópia do Programa ficará arquivado no arquivo histórico José Ferreira da Silva, a disposição da comunidade para pesquisas.
Arquivo: Adalberto Day

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

- Curiosidades da TV Coligadas


Mais uma participação exclusiva e especial do renomado escritor, jornalista e colunista, Carlos Braga Mueller (Foto), que hoje nos relata sobre Curiosidades da TV Coligadas


Por Carlos Braga Mueller:
- Blumenau teve sua primeira estação de televisão inaugurada no dia 1º de setembro de 1969. E lá se vão 40 anos!
Além de ser a primeira daqui, a TV Coligadas foi também a pioneira do Estado de Santa Catarina.
E muitos fatos interessantes marcaram os tempos de pioneirismo.
O programa “Mulheres em Vanguarda” começou a ser apresentado em novembro de 1969; portanto, foi pioneiro também. E a equipe que o apresentava era formado por Valmira Siemann, Lane Wirt, Dagmar Pollmann e Vanja Siemann. Dagmar, infelizmente, não está mais entre nós.


No dia 30 de novembro último (30/11/2009), Valmira, Vanja e Lane reuniram a imprensa, autoridades, ex-apresentadores da TV Coligadas, amigos e familiares, para comemorar as 4 décadas do lançamento do programa “Mulheres em
Vanguarda”.
 Neste encontro, conversando com Vanja, ela me mostrou uma das fotos em exposição, na qual ela usava um vestido que, como contou, foi o mesmo que usou para ir recepcionar dois artistas da Globo no Aeroporto de Itajaí.

O grande sucesso da época era a novela “Irmãos Coragem” e estavam vindo para Blumenau os atores Carlos Eduardo Dolabella e Cláudio Cavalcanti, que faziam parte do elenco.
 Esta primeira versão da novela, ainda em preto e branco, foi ao ar de junho de 1970 a junho de 1971 e teve um total de 328 capítulos.
 Foi escrita pela inesquecível Janete Clair, dirigida por Daniel Filho e Milton Gonçalves, e trazia no elenco nomes de peso da dramaturgia da Globo.
 Os três Irmãos Coragem eram Tarcísio Meira (João), Cláudio Marzo (Duda) e Cláudio Cavalcanti (Jerônimo), e no elenco estavam ainda Glória Menezes, Regina Duarte, Zilka Salaberry, Gilberto Martinho e Carlos Eduardo Dolabella. Este, roubava as cenas no papel do delegado Diogo Falcão.
 Já naquela época o Jornal Nacional era também líder em audiência, porque os telespectadores ficavam aguardando a novela, que começava às 20 horas, e assistindo o noticiário. Eu era o apresentador do JN regional e logo depois entrava a novela.
 Pois bem. Este era o cenário vivido pela televisão brasileira nos anos 70/71 e Blumenau e Santa Catarina participavam dele, através da programação da TV Coligadas.
 Pode-se imaginar a expectativa das fãs quando souberam que Jerônimo Coragem e o Delegado Falcão estariam aqui, ao vivo.


Vanja foi ao aeroporto de Itajaí recepcionar os dois em nome da TV Coligadas.
 Gravou uma entrevista com eles e... na hora de partir para Blumenau, cadê a mala do Dolabella ? Procura daqui, procura dali, e nada.
 Algumas fãs se aglomeravam por perto, dispostas a abraçar e beijar os atores.
Dolabella, nervoso, depois de procurar por todos os cantos e reclamar na administração do aeroporto, conformou-se em seguir para Blumenau sem mala mesmo.


Vanja despediu-se e soube, depois, o que aconteceu.
 Os atores chegaram aqui e hospedaram-se no Grande Hotel.
 Estavam começando a se preparar para uma boa relaxada quando ligam da portaria para o apartamento. Era o recepcionista:
 - Está aqui alguém que quer falar com o Sr. Carlos Dolabella.
 - É da TV ?
 - Não, respondeu o solícito funcionário do hotel.
 - Não atendo ninguém, respondeu contrariado o ator, de cuecas, sem mala.....
 O recepcionista agradeceu e logo em seguida ligou de novo:
 - Acharam sua mala senhor Dolabella. A pessoa veio trazê-la e está aqui na recepção.
 Dolabella vestiu-se e mandou-se para o térreo do hotel.
 E não é que era mesmo a mala dele ?
 Uma jovem espevitada jogou-se nos braços do ator quando ele apareceu, beijou suas faces e pediu um autógrafo. Depois, estalou mais dois beijos no rosto dele, e afastando-se, gritou:
 - Quem roubou a mala fui eu. Lá no aeroporto. Só assim, pude vê-lo de perto e beijá-lo. Tchau.
 Vanja riu muito ao contar-me esta travessura da apaixonada fã das novelas da Globo. Não pude deixar de rir também.
 Texto Carlos Braga Mueller/Jornalista e escritor/ Arquivo: Adalberto Day

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

- A Confeitaria Tonjes

 


Em histórias de nosso cotidiano, apresentamos hoje o amigo Werner Henrique Tönjes (Significa Antônio) (foto), traduzindo o texto que enviou ao jornal alemão Wilhelmshaven.
Também fotos atuais e antigas da famosa Confeitaria Tonjes, anexo restaurante, fundada em 1933, por Anna Tönjes (falecida em 1946) e seus filhos Hans e Heinrich Gehardus. Com o falecimento de Heinrich Gehardus em 12 de junho de 1968, seu filho Werner Tönjes continuou até 31 de novembro 1979.
A partir de 1º de dezembro de 1979 a confeitaria chamou-se de Blumental do Dr.Godo Goemann que introduziu também o prato pizza. A confeitaria Blumental mudou de proprietários três vezes aproximadamente até 1986

Jornal alemão Wilhelmshaven
O jornal é da cidade portuária de WILHELMSHAVEN, Alemanha; de sábado, 28 de março de 1970 (Em homenagem ao Imperador Wilhelm que a fundou e Haven significando porto);
Tradução : Werner Henrique Tonjes

Foto acima: Confeitaria Tonjes em 1974

Frisio (Frisia região Norte da Europa-Tribo Nórdica) de Rüstringen caminha por Blumenau. Jornal Wilhelmshaven, sábado, 28 de março de 1970. A cidade com a população de 125 mil habitantes foi fundada pelo Dr. Hermann Otto Blumenau há 120 anos , desde o princípio usufruiu da benevolência e proteção de sua Majestade Dom Pedro II. Na vinda de maiores ondas migratórias veio no ano 1924 Heinrich Tönjes de Wilhelmshaven para Blumenau;ele fundou um firma e padaria de doces e salgados; seu filho Henrique ampliou a casa que se situa defronte a igreja católica para uma confeitaria Isso era naquela época um empreendimento arrojado pois a colônia no Itajaí não era muito confortável. Carroças de agricultores e carros de mola dominavam a paisagem, onde pouca vida na sociedade era cultivada. Porém com o passar dos tempos, a confeitaria Tönjes, que na língua portuguesa pronunciou-se como Tenjes, teve o seu movimento aumentado. Logo a casa era pequena demais. Os frequentadores na década de 30 sentavam-se em cadeiras de vime antes de dirigir-se às suas moradias, como em Paris nos Boulevards. Atrás das casas, passa o rio Itajaí-Açu. Movimento de barcos animam a paisagem. Árvores majestosas ornamentam as margens. Essa linda vista foi aproveitada pela família Tönjes para construir uma varanda para os seus clientes. Há oito anos, o panorama da cidade transformou-se. Às margens do rio construiram-se muitos edificios.
A varanda foi feita por volta de 1940, e revestida com tijolinhos a vista em 1976.


Antiga Confeitaria Tonjes:Fotos  dez/2009Em 1963 terminou-se a construção da torre da igreja católica dominante ponto de referência da cidade. Ali pertinho anexou a familia Tönjes o “Jardim de Verão”. Esse é um aprazível local de reunião dos blumenauenses de todos os segmentos da sociedade e se discutem animadamente os fatos do dia. No Tönjes , a gelada cerveja escura é tão gostosa como o café gelado berlinense,o apfelstrudel com chantilly ou os sonhos berlinenses.
Durante o aprendizado escolar de Werner Tönjes as escolas alemãs foram fechadas. Quem falasse o idioma alemão publicamente era encarcerado. Atualmente também normalizou-se tudo em Blumenau. Werner Tönjes recorda-se sempre da Alemanha, de Wilhelmshaven e também da Holtermannstrasse onde seus antepassados viveram.
Seu avô dirigia a casa do parque, ela situava-se onde hoje se localiza o parque de patinação. Nas colunas foto de Heinrich Tönjes,nascido em 1886 e que em 1924 emigrou para o Brasil e fundou a confeitaria Tönjes. Ao lado, doces oferecidos ao público.

Brasão
Bem em cima: brasão de Santa Catarina; a seguir brasão de Blumenau; bem nítido de se ver: depois um cavalo branco que é o terceiro da esquerda pra direita do estado alemão da baixa saxônia ;em seguida o brasão do guerreiro nórdico símbolo da cidade portuária de wilhelmshaven Dois brasões brasileiros e depois os dois brasões alemães. Depois o entalhe de madeira com o nome da cidade wilhelmshaven, a data da vinda da família Tonjes para Blumenau 1924 e ANNO DOMINI, 1924 A.D.
O entalhe de madeira foi colocado em 2009 , a palavra WILHELMSHAVEN tem uma característica própria, as letras são colocadas de modo que indicam aceleração e progresso , o porto é um dos maiores da Europa em containeres.

Década de 50 da confeitaria Tonjes

Foto do terraço com vista para o "verde do barranco" na margem direita do rio Itajaí Açú, hoje avenida Castelo Branco .

Doces na vitrine, 1963

1973  folheto da época
Cardápio

Envelope personalizado
Arquivo e tradução Werner H.Tonjes/Adalberto Day

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

- Jornal Folha de Blumenau, Olímpico x Santos


Almanaque do Esporte

A imagem de 30 de agosto de 1961, enviada pelo colaborador da coluna Adalberto Day, mostra os times do Olímpico e do Santos, antes do clássico jogo entre as equipes. A lista dos jogadores, da esquerda para a direita, em pé: Formiga, Garoto, Calvet, Aduci Vidal, Zito, Romeu, Figueiró, Hélio, Mauro, Laércio, Nazareno e Nilson Greul. Agachados: Tite, Miltinho, Jorge, Valdir, Cabralzinho, Orio, Pelé, Rizada, Pepe, Mauro Longo e Macedo. O Santos venceu o jogo por 8 a 0 com cinco gols de Pelé.

Publicado no Jornal Folha de Blumenau coluna Almanaque do Esporte, do jornalista Jean Laurindo , sábado 12/Dezembro/2009 - edição nº 350


Pelé em lance com Nilson Gruel, na baixada


Estádio da Baixada  que o Rei Pelé atuou em 30/08/1961
Arquivo Adalberto Day cientista social e pesquisador


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...